Pular para o conteúdo principal

Sem Controle >> Claudia Letti

"A vida se transforma rapidamente.
A vida muda num instante.
Você se senta para jantar, e aquela vida que você conhecia acaba de repente.
"
["O Ano do Pensamento Mágico" - Joan Didion, ed. Nova Fronteira, 224 págs.]

Há meses eu estou ensaiando pra comprar esse livro que, desde que bati o olho, tem chamado minha atenção. Não sei se são questionamentos da idade, e me perdoe o clichê -- que, aliás, me irritava profundamente quando eu era (mais) jovem --, mas a maturidade tem um poder desconcertante de dissipar fantasias. Isso tudo também me faz lembrar daquela frase famosa de um Beatle: "A vida é o que acontece enquanto você está fazendo planos". E sabe lá que planos fazia John Lennon enquanto caminhava para o Dakota sem saber da missa a metade. Seja como for, com o passar dos anos fui percebendo que a vida pode e muda num piscar de olhos e nem precisa de acontecimentos trágicos ou drásticos para tal. Um contratempo na sua chatice de rotina, que seja, e você se transforma num malabarista sem ensaio prévio. Ou isso ou a entrega dos pontos que, antes dos 90 anos, no mínimo, é melhor não alentar.

Queremos o controle, é fato. Queremos controlar nossos horários, a alimentação, o parceiro, os filhos, o trabalho, o saldo bancário e tudo que mais vier, com nosso apetite pela ordem estabelecida, mesmo que ela seja anárquica. Mas, não temos o controle de nada. Muito menos sobre a vida, essa incontrolável.

Você pensa que tem o controle da sua rotina até que estoura um cano qualquer e seu cotidiano é literalmente inundado por obras e transtornos levando, na enxurrada, o azul da sua conta bancária. Você não quer mais amar até que na virada da esquina, logo ali, você encontra alguém que o faz desejar amar de novo e o que é incontrolável: o faz desejar a entrega total. Daí acredita que seu amor é incondicional, e na virada da mesma esquina ou de uma outra, quem sabe, condiciona o seu amor à adrenalina de um olhar mais sedutor. Você faz um bolo delicioso para receber a família e um acidente doméstico transforma sua receita de felicidade num pesadelo. Você poupa o doce pra comer depois, saboreando a expectativa da primeira colherada e o telefone toca, anunciando qualquer coisa capaz de lhe de tirar o apetite. Lá se foi o doce, lá se foi o depois. Lá se foi sua receita de manter a vida em curtas rédeas.

Mas, longe de mim vestir indumentária de pessimista. É preciso falar dos descontroles felizes que nos atropelam. Desses atropelamentos ninguém quer escapar e ainda bem que também não temos o menor controle. Igualmente aqui, vale a regra de que não é preciso que seja "O" acontecimento. Não é preciso ganhar na loteria ou ser sorteado para um Cruzeiro pelas Ilhas Gregas. Pequenas coisas boas têm um poder maravilhoso de bagunçar nossa rotina. Carinhos, flores, uma comida gostosa, uma promoção, aumento de salário, uma paixão de tirar o fôlego, um amor maduro sendo renovado, o sorriso de um filho, uma manhã de praia e até, a gente bem sabe, o alívio de quitar uma dívida.

As coisas chatas e até alarmantes que o avançar da (minha) idade tem me feito reconhecer também servem, aleluia e amém, pra prestar atenção em outros clichês: a vida é agora, a felicidade é hoje e, muitas vezes, é inquilina de pequenos momentos.

Ninguém sabe o que você vai fazer ou o que acontecerá amanhã. E o que é mais desanimador e terrivelmente encantador é que você, provavelmente, será o maior interessado e o último a saber.

Comentários

Ah, minha amiga, como sou grato ao Tempo! Não bastasse lhe fazer mais bonita como mulher, Ele lhe faz mais elegante como escritora. E ainda permite a sincronia de que estejamos refletindo sobre cobranças e controles.
cacau disse…
Adoreiiiiiii seu texto!!! Muito bom,PARABÉNS!

Bjos ;-)
albir disse…
Às vezes a gente quer controle,às vezes descontrole. Mas quando você escreve a gente quer controle, descontrole e o que mais você propuser. Beijos
Marisa Nascimento disse…
Claudia:
Isso faz a gente pensar que poderia economizar muitas rugas e cabelos brancos, resultado das preocupações com o que a gente não pode mudar/controlar.
joao grando disse…
Fizeste eu relembrar um clichê que é clichê, de fato, mas importantíssimo.
Adorável olhar sobre o clichê.
Adorável crônica.
Adorável clichê.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …