Pular para o conteúdo principal

COISAS DE MÃO-MOLENGA >> Maurício Cintrão


As questões de trabalho me fizeram cruzar caminhos com os artistas do Instituto Mamulengo Social, aqui de São José dos Campos (SP). Originário da Companhia de Teatro Estranhos Mamulengos, dos anos 1990, ligada à Igreja Católica, o Instituto é uma ONG de sucesso no atendimento a crianças e adolescentes em situação social de risco.

Não sei se vocês sabem, mas o mamulengo é um boneco identificado com a cultura popular, usado há séculos no teatro de animação de bonecos, a partir de Pernambuco, mais especificamente de Olinda. Reza que chegou ao Brasil pelas mãos dos holandeses e ganhou esse nome porque é animado com mão-mole, mão-molenga, mão-molengo.

Pois foi conversando com o pessoal do Mamulengo Social que descobri: o mamulengo é um fenômeno cultural que se recria há séculos em vários pontos do país e não só no Nordeste. Aqui mesmo, no Cone Leste paulista, teria existido como manifestação cultural regional até bem pouco tempo atrás. Os cabeções de carnaval seriam prova disso.

Ainda vou pesquisar mais a respeito. O fato é que o teatro de bonecos no Sudeste exerceu forte influência em alguns segmentos de produtores da cultura popular. Foi animado por personagens que se notabilizaram com nomes próprios, como Briguelas, Casimiros-Cocos e Joões-Minhocas.

Bem, mas o motivo deste texto não é tanto a pesquisa histórica, e sim o meu espanto com o teatro de bonecos. Pode parecer estranho, mas esse universo se descortina para mim somente agora, depois de velho. Não que eu desconhecesse a arte da animação de bonecos. Os fantoches também me fascinaram quando era menino. Na adolescência, também fui encantado pelo Muppet Show.

A diferença é que nunca enxerguei a animação de bonecos assim. E o que é o “assim”? É uma maneira de entender a arte como instrumento transformador em sua essência. Não se trata de fazer bonequinhos bonitinhos que promovem gracinhas para as crianças.

O teatro de animação de bonecos é uma atividade complexa, com história, tradição e fundamento. Envolve não só texto, interpretação, cenografia e figurino, mas também a produção artesanal dos bonecos. Mais ainda, envolve a arte de dar vida a esses bonecos.

É fascinante descobrir que existe uma grande variedade de companhias dedicadas a essa arte aqui no Brasil, em vários pontos do país. O teatro de animação de bonecos mobiliza uma legião de criadores, produtores e técnicos. E apesar da TV, ainda é capaz de encantar milhares de espectadores (de todas as idades) em teatros, escolas e praças públicas.

Peço que dêem um desconto nessa empolgação toda. Por conta do meu filho Pedro, que completou seis meses na semana passada, ando meio obcecado com a releitura das coisas de criança. Afinal, estou revivendo muitos dos sonhos da minha infância, vários dos quais foram revisitados com os outros quatro filhos.

Enfim, meus amigos, acho que descobri uma nova e explosiva paixão. Coisa de mão-molenga.

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Mauricio, que espetáculo você lembrar do teatro de bonecos no seu texto. Tenho vários conhecidos bonequeiros que vão ficar maravilhados com a lembrança dessa arte tão pouco divulgada.
Parabéns e meu agradecimento em nome de todos os bonequeiros.
estrela disse…
Primo Mauricio, mais uma vez achei muito interessante esta crónica. Quando era pequena tinha uma adoração pelos 'fantoches', que apareciam ao domingo. Em Portugal existem ainda, vão aparecendo nas festas de aniversário das crianças. Favor ver este link http://www.santoaleixo.com/bonecos_de_santo_aleixo.htm
Um abraço,

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …