Pular para o conteúdo principal

EU ASSISTO A NOVELAS... [Maria Rita Lemos]


... sempre que posso, e finjo que acredito quando alguém comenta alguma coisa da novela da moda e as pessoas saem-se com o mesmo lugar comum: “eu não assisto a esse lixo, mas vi esse pedaço porque estava passando na frente da TV” ou “casualmente a TV estava ligada e eu vi esse pedacinho”... ou ainda, pior: “minha filha estava vendo, chamou minha atenção e larguei o livro para ver esse capítulo, mas odeio novela!”...

Ora bolas – tenho vontade de dizer – semana passada também comentamos um diálogo da novela e você estava passando pela sala... ou “casualmente a tv estava ligada”... você fica passando sem parar na frente da tv, na hora da novela? E por que sua tv fica casualmente ligada, se ninguém está vendo?

Talvez seja hora de assumir as coisas, afinal ver novela não é pecado nenhum. Principalmente ver e comentar, criticar, ajudar a compor personagens e tramas... afinal, qual é a diferença entre assistir a uma novela ou a um seriado americano? Claro que “Lost” é muito bem feito, temos que admitir, bem como “E.R.”, “Brothers and Sisters”, e muitos outros. Mas não espelham nossa realidade, não são Brasil. Tudo bem, novela das nove da Globo geralmente é um pedaço só do Brasil, é Rio ou São Paulo. Em novela da Globo ninguém usa preservativo, as heroínas engravidam com a maior facilidade, mas perceber isso, e inclusive comentar e criticar faz parte do ato de não ser apenas um telespectador passivo, mas de influenciar, de certa forma, de ajudar a fazer cabeças!

Assumo que, embora não tenha tempo todas as noites, quando posso não me privo da novela por vários motivos. Um deles, passa pelo fato de não ter mais crianças pequenas, o que me exime de várias perguntas e explicações que não teriam razão de ser, em tenra idade e horário nobre. Quando minhas filhas e meu filho eram pequenos, não sobrava mesmo muito tempo para novela. E, quando dava para ver, elas não exibiam tanta violência, e as relações sexuais eram apenas sugeridas, e não exibidas. Não havia ainda a AIDS, ou ela estava apenas começando, e em outro país. Os preservativos eram apenas para evitar gravidez e as DSTs até então curáveis com boas e doloridas penicilinas, e eu me lembro que comentava, sim, com as filhas e filho adolescentes o quão simplista as novelas tornavam o mundo, coisa com a qual eles concordavam.


Assisto novela, também, porque é uma forma de não falar sério, uma forma de divertir-me, de rir, de emocionar-me. A hora da novela é o momento de deixar de lado todo o peso do trabalho diário, especialmente desgastante. Que bom poder falar dos dilemas da Maria Paula, com os empregos maravilhosos que lhe caem do céu e seu filho único, com um pai canalha, de repente saído do nada, quando tenho tantas angústias alheias na cabeça que não comento jamais por ética profissional, e no entanto, participo tão ativamente... assistir à novela, bem como a bons filmes, e também ler aquilo que gosto, é entrar em outras tramas, dramas e comédias da qual não faço parte, mas sou mera observadora. Com direito, inclusive, a criticar.

Assisto a novelas, ainda, porque são como que parcelas de peças teatrais, escritas por grandes autores, como Manoel Carlos, Gilberto Braga e outros tantos. E porque muitos atores são fantásticos, monstros sagrados que nos fazem ir ao céu ou mergulhar em lágrimas, como os veteranos Marília Pêra (que como “Gioconda” está impecável!), Antonio Fagundes, Stênio Garcia e Renata Sorrah, só para lembrar de alguns...

Claro que não vale assistir a novelas como se elas fossem, realmente, retratos da vida real. Elas mostram determinadas culturas, no caso da que estamos focando, a zona sul carioca e uma favela inexistente, na qual nem mesmo droga existe, de tão paradisíaca... é preciso ser crítico, também, senão vamos assistir a qualquer coisa, na TV, como um avestruz que enfia a cabeça na areia.

É melhor ler que ver novela? Sem dúvida, é muito melhor. Mas ninguém faz a mesma coisa o tempo todo, todas as noites. Devo admitir que, se tenho algo diferente para fazer, amig@s a encontrar ou que me visitem, é claro, a novela fica para outro dia, nunca vai estar como prioridade. Aliás, outra razão por que vejo novela reside no fato de não ser “socialite”, não freqüentar as colunas sociais com freqüência. Realmente, não sou notívaga, acordo muito cedo, portanto, nas noites da semana, findo o trabalho diário, meu lar é meu refúgio. Nele há muitos, incontáveis livros, alguns que estou lendo, outros na fila de espera. Mas assumo, com coragem, sem medo das pedradas: assisto, também, às obras da Gilberto Braga, Manoel Carlos e outros autores, sobretudo os de horário nobre. Como assisto a bons filmes e a mini-séries brasileiras.

Concluindo essa reflexão, e só para testar, tente, meu leitor ou leitora, perguntar a “falsos intelectuais” se assistiram ao capítulo de ontem da novela das nove. Todos, ou quase todos, vão dizer que “não havia nada melhor para ver”, ou que “por acaso estavam passando na frente da TV”, etc. Não os contradiga. Apenas sorria e dê-lhes sua compreensão. Eles têm necessidade de se justificar, e falta-lhes ainda muita maturidade para dar o braço a torcer.

Fotos: Sites das Novelas Desejo Proibido, Sete Pecados e Duas Caras, na Globo.com

Comentários

Valeu, Maria Rita! Os noveleiros de plantão agradecem. :)
estrela disse…
Aqui em Portugal passam novelas da Globo, Record e algumas portuguesas. O enredo raramente me prende, porque basta ver uma vez por semana e fica-se actualizado.
Mas as novelas brasileiras ganham aos pontos às portuguesas nos pequenos almoços. Aquelas mesas cheias de bolos, frutas e mais iguarias são um sonho! Aquilo corresponde à verdade?
Aqui de manhã toma-se o café a correr sem pompas e honrarias!!!
Mas gostei muito da crónica.
Estrela
E, além das novelas, estou esperando ansiosamente pela estréia de "Queridos Amigos", na seunda-feira. Com certeza, esta série vai me fazer perder mais uma horinha de sono.`
Paabéns pelo texto.
mariarita disse…
Oi, Marisa. Obrigada por seu comentário em meu "escrito" sobre novelas. Pelo que sei, a fartura das mesas que você vê em novelas são em classe média alta, ou em novela, mesmo... pessoalmente, aqui em casa também é na base da rapidez, sempre todo mundo "perdendo hora" ´Não vejo tv de dia, porque trabalho: às segundas feiras à noite também não, porque ensaio com um Coral, e às vezes saio aos finais de semana. Mas entendi que você entendeu meu recado. Beijão.
Maria Rita

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …