Pular para o conteúdo principal

NÃO NECESSARIAMENTE NESSA ORDEM >> Eduardo Loureiro Jr.

...

Imagine um homem que espanca outra ser humano até a morte. Um homem que dá um pontapé após o outro, sem se cansar, e só pára quando o corpo inerte não lhe responde mais em gemidos ou espasmos.

Imagine um homem que assiste calado ao seu próprio julgamento. Um homem que não abre a boca para se defender, e que recebe impassível a sentença de muitas e muitas décadas de prisão.

Imagine um homem que é agredido continuamente por seus colegas de cela e não apresenta qualquer reação. Um homem a quem não é dado o direito de morrer, e que é conservado vivo para apanhar um pouco mais no dia seguinte.

Imagine um homem que sobrevive em silêncio a todos os seus companheiros originais de cela. Um homem que seus companheiros atuais reconhecem apenas como alguém retraído, calado e de rosto desfigurado.

Imagine um homem atônito ao ser liberado por bom comportamento durante uma reestruturação do sistema penal. Um homem que recebe como prêmio a reconstituição de seu rosto por um cirurgião plástico filantrópico.

Imagine um homem cabisbaixo vivendo nas ruas. Um homem que sobrevive catando latinhas metálicas e vendendo-as para uma usina de reciclagem.

Imagine um homem distraído que é atingido por um objeto. Um homem que ouve o riso de outro ser humano atirando latinhas de cerveja e se divertindo com isso.

Imagine um homem indiferente que leva um murro nas costas. Um homem que ouve, do outro ser humano: "Latinhas não lhe atingem? Vamos ver se você reage com porrada."

Imagine um homem indefeso contorcendo-se e caindo no chão. Um homem que não sabe lutar, que imagina o que faria se tivesse aprendido a lutar, e que está prestes a ser morto por outro ser humano.

Imagine um homem pacífico que não consegue sentir raiva de outro ser humano. Um homem que se entrega ao seu agressor até tornar-se um com ele e toda a sua história de latinhas, murros e pontapés.

Imagine um homem unificado a outro ser humano. Um homem que, não sendo ele mesmo, é outro, e, sendo outro, sente e age como o outro.

Imagine um homem que sabe onde o outro vai atacar. Um homem que escapa de todos os golpes e passa ele mesmo — agindo como o outro — a golpear aquele que antes o golpeava.

Imagine um homem que espanca outro ser humano até a morte. Um homem que dá um pontapé após o outro, sem se cansar, e só pára quando o corpo inerte não lhe responde mais em gemidos ou espasmos.

Imagine um homem que assiste calado ao seu próprio julgamento. Um homem que não abre a boca para se defender e que recebe impassível a sentença de muitas e muitas décadas de prisão.

...



Aperte o "play" e releia a crônica com a música de Wim Mertens ("4 Mains") .

Comentários

Anônimo disse…
Imaginei primeiro q esse "homem" é o homem brasileiro. Calado,submisso,injustiçado, indefeso, pacífico. Reli o texto e percebi dois tipos de homem: o que espanca e o que é espancado. O poderoso e oprimido. Retrato da nossa sociedade...
Marisa Nascimento disse…
Adorei! Muito Kafkaniano isso tudo! Queria mais...risos. Parabéns pela riqueza do texto!
Carla Dias disse…
Sem a música, pensei em como estamos expostos à violência... Ah, mas não posso chamá-la “gratuita”, porque acho o cúmulo pensar na violência como algo que pode ter preço, ou justificativa, já que a vejo como uma cadeia de intolerâncias e um mar de ganância.
Ouvindo a música, deu quase pra sentir a falta de ar do espancado; o desespero do aprisionado e a melancolia do submisso. As urgências e as submissões estão lá. E aqui, também.
Aliás, adorei a música, e essa jornada das palavras e do som, lembrou-me um filme muito peculiar: Fuga.
criscalina disse…
Vixe, Wim Mertens renasce. Vou redescobri-lo por esses dias. Tem coisas que a gente precisa sentir.
Beijo,
Oi, meninas e anônimo!

Resolvi responder aqui: porque não tenho o e-mail de todos e também para deixar registrado esse papinho sobre criação.

Interessante a Carla "quase sentir" porque o texto me surgiu como um sentimento associado a uma imagem muito difusa de sonho: um espancamento. Mas o sentimento não era de pena ou revolta, e sim de compreensão, porque o agredido é o próprio agressor.

Eu não sabia em que o texto ia dar, e a música do Wim Mertens, que estou redescobrindo, me ajudou a dar esse tom ao mesmo tempo forte e fluido. Eu queria que vocês ouvissem a música, pois fazia parte do próprio texto. Aí encontrei esse vídeo no Youtube, cujo caráter abstrato, geométrico, e ao mesmo tempo dinâmico, dá bem uma idéia do tipo de reflexão que eu queria puxar com o texto.

Eu tinha pensado em colocar como título "A roda do destino" ou "A roda da vida", mas depois decidi transformar o título numa instrução ao leitor, já que os próprios parágrafos sempre começavam com "imagine...", esse apelo para que o leitor construísse a imagem de modo que fosse mais fácil "sentir".

Beijos,
joao grando disse…
A violência age sempre, está sempre presente, às vezes escondida, e precisa de algum motivo para libertar-se. Nesse sentido, lembrou-me o filme de Croenemberg A Hystory of Violence.

A repetição da palavra Imagine remete à música de John Lennon. Pode também ser um pequeno hino pela paz este que fizeste, mas mais cru e com a tática contrária: na música, fecha-se os olhos para sonhar, aqui, abre-se os olhos para perceber e ver a brutalidade disso tudo, desse círculo - e a relatividade dos personagens que podem protagonizá-lo.
Olá, João! Vou procurar o filme do Cronenberg.

Interessante sua associação do meu "imagine" com o "imagine" do Lennon. Você captou bem a relatividade do círculo. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …