Pular para o conteúdo principal

lembrança enlatada >>> branco


manhã
na estação vazia
paguei meu bilhete
e subi no vagão

olhando pela janela
vejo as árvores vejo as montanhas
de vez em quando
uma cidadezinha
no vidro
o reflexo de uma criança despenteada e feliz
árvores montanhas e cidadezinhas
misturam-se a silhueta sorridente
ergo os olhos e uma nesga do azul cintilante
que cega e aquece
e me joga perdido no tempo/espaço
quantas eras terá esta viagem?

a paisagem muda
chão plano e cimento
shopping prédios
e toda a arquitetura
surgem agora na janela
no vidro
existe um velho refletido
seu rosto é cansado e cheio de rugas
meu olhar não desvia enquanto pergunto para ele
se os meninos da rua de terra batida
estarão neste momento falando em seus celulares
enternados e apressados
e a menina de camiseta hang ten
estará vestida formalmente dentro de um elevador

a estação de destino se aproxima
abro a minha mochila
e procuro pelo que falta
mas ela está completa
- cada coisa no seu devido lugar -
a criança e o velho
as arvores e o cimento
e dentro de uma latinha enferrujada
as lembranças de um amor que não vingou











foto : web
arte e lápis : p. entti

Comentários

Márcio disse…
Perfeita a passagem do tempo, perfeita a recorrência das personagens. Delicado, sensivel e lindo !
Carlos Eduardo disse…
Cinematográfico. As imagens cabem perfeitamente dentro de um contexto amplo e pela primeira vez o vejo falando de amor com a palavras explicita. Grande e belo como sempre.
Miriam Maldaun disse…
Simplesmente adorei!! Reflexo do amor verdadeiro!
Anônimo disse…
Lindíssimo, eu viajei.
Renato disse…
Hey Como é bom que memórias existam, de alguma forma nos levam às lembranças, nem que seja vaga em um vagão.
Vc é o cara.
Silvia Maressa disse…
Lindo, real e triste.
Toninho disse…
Real, já me senti assim. Me fez lembrar de dores adormecidas e que precisavam acordar. Obrigado
Anônimo disse…
Parabéns Wilson

Elaine Martins Franco
Maria do Carmo disse…
Li com muita dificuldade, dado ao problema da m vista, mas, o q li foi emocionante.
Me reportei hâ alguns anos, onde eu observava as pessoas e todas as coisas q aconteciam ao meu redor.
Hj, não mais, o mundo estâ como o Coelho da história de Alice no País das Maravilhas, onde a gente corre atrás dele, não sei pra que, o q nos deixa de observar as belezas q o mnndo nos proporciona.
Até um amor que não vingou, mas, q nos deu maturidade suficiente para compreender o porquê...
Nessa crônica vc arrasou.
Parabéns!
Adorei...
Marcelinho disse…
Uma viagem para o interior, resgatando todos os pertences da Alma... Simplesmente maravilhoso, de muita reflexão!!!
Márcia Padovani disse…
Você descreve o Tempo
Volta ao passado em que tudo era simples
Tudo era romântico
Um tempo que jamais pensaria que iria mudar
Você consegue fazer me transportar em seus escritos.
Até o silêncio do trem consegui sentir
Walter disse…
Sensacional!!! Me fez sentir até o barulho e o cheiro do trem. Viajei junto. Você é cara. Muito obrigado.
Irani Siqueira disse…
Uma viagem contemplando a natureza e admirando a beleza natural da pureza de uma criança. Maravilha!
Anônimo disse…
Um poema de amor. Simplesmente maravilhoso!
Anônimo disse…
Quanta ternura, quanto tempo. Bravíssimo!
Wilson disse…
Através dos tempos, o mais puro amor permanece. Grande, poeta!
TEREZA disse…
Lembra quando você lia poemas pra mim? e eu te dizia que enquanto você lia eu conseguia assistir tudo como à um filme? Pois esse Don é verdadeiro. Amei
Anônimo disse…
Tudo em tão poucas linhas, arte pura. Lindo demais.
Anônimo disse…
Ler você é como assistir um filme, ao longo do tempo aprendi a te apreciar e entender, o que você deixa nas entrelinhas ou melhor nas linhas que parece banais,apenas parecem. Quer me parecer que você propositadamente, vai colocando as palavras como se fossem frames e que todo o conteudo somado me mostra peças de rara beleza, partindo da aparentemente frases banais. Entre as coisas que fazem bem aos olhos, coração e causam reflexões profundas, seu patamar é o mais alto.
Alcir
PS: Como faço para adquirir seus livros?
Mauro Barbiere disse…
É, o tempo passa e graças ao bom Deus estamos aqui para resgatar as boas lembranças. Tivemos o privilégio de viver isto. Tiramos as pedras do caminho já percorrido. Muito bem!
Rosana disse…
Incrível, viajei nas palavras. Parabéns!
Zoraya Cesar disse…
Que bele momento esse q vc me fez passar! Que maravilha não temer a passagem do tempo e ter coragem de abrir a mochila. "existe um velho refletido seu rosto é cansado e cheio de rugas meu olhar não desvia enquanto pergunto para ele". Essa e a frase final me deram arrepios. Agora vou fazer sempre assim te ler aos noturnos domingos. E começar a semana espantada.
Albir disse…
Não esqueça de nos levar, Lord, sempre que possível.
Vera Gomes disse…
Parabéns!