Pular para o conteúdo principal

DAS PESSOAS QUE FOI BOM PARA O MUNDO CONHECER >> Carla Dias >>


Santana estava animado com a publicação de um livro de poemas. Pediu que eu escrevesse o texto de orelha e eu o fiz. Isso foi em 2012. Desde lá, depois de a primeira tentativa de publicação não dar certo, sempre que nos falávamos eu insistia para que ele continuasse a tentar. Era algo que ele queria muito, e sempre que uma pessoa deseja tanto algo que pode ser bom para ela, às vezes, até para os outros, acho que vale a pena lembrar essa pessoa de que o desejo dela é importante.

Ele foi aos lançamentos de alguns dos meus livros, junto com Raquel, quem gostei muito de conhecer. Ano passado, durante o lançamento do meu último livro, presenteou-me com sua presença e uma aquarela que fez a partir de uma foto minha. Achei aquilo tão bonito. Toda vez que escrevo algo para alguém, é porque esse alguém me faz bem. Fiquei feliz em saber que eu fazia bem a ele. Conversamos novamente sobre a publicação do livro dele. Santana me disse que se sentia pronto para retomar o projeto. 


Sabe aquele tipo de pessoa que você sabe que o mundo precisa ter para não desembestar de vez? Santana era uma dessas pessoas... Alguém gentil, que valorizava a vida e os outros, um artista de uma delicadeza e tanto no olhar, que ele traduzia em aquarelas. Um poeta que enxergava as cores e os tons da vida.

Ele vai fazer falta aos que o conheceram, aprenderam a amá-lo, e ao mundo.

Para me despedir de Santana, deixo aqui o texto que escrevi para a orelha do livro dele. E me despeço com gratidão, por ter participado um pouco da biografia dele. 

----

Conheci o Santana há pouco mais de uma década, quando ele trabalhava como designer gráfico. Anos depois, nos reencontramos por meio das redes sociais. O que eu não sabia é que, além de ser um ótimo artista gráfico, ele também era compositor. Lembro-me de ele dizer algo a respeito,  quando falávamos da nossa paixão pela música, mas foi uma abordagem sutil, que não me permitiu, na ocasião, perceber a importância da música em sua vida.


Recentemente, descobri também que ele é poeta. Foi assim que conheci o blog que ele mantém com seus poemas e que batiza a sua primeira publicação. E assim como a pessoa, como o Santana, a poesia de “Rascunho Inverso” flui em uma sutileza que imprime a importância dos sentidos, ligando, com delicadeza, o olhar do artista plástico à dinâmica de quem mergulha na música e ao gosto pela palavra do letrista.

A poesia de Santana segue atrelada ao entusiasmo, mas não se fia em exageros, equilibrando-se belamente na realidade da poesia dizendo a vida. Há um frescor nessa poesia, que inspira ao leitor o desejo de se render a sua leveza.

Em “Rascunho Inverso”, o poeta abre os olhos e expande os horizontes, caminha entre as palavras quase sempre como sujeito oculto, abrindo espaço para que o leitor se misture aos verbos e se alimente com metáforas muito bem construídas. Há música na poesia, oferecida como em “Surdina”, quando o poeta poetiza: “canto a penumbra/o silêncio se ouve sussurrado/sons sabendo que são”. 

Não raro, um artista se descobre em outro cenário no decorrer de sua carreira e de sua vida. Santana chegou a gravar um disco com as suas composições, mas a música, apesar do apreço dele por ela, tornou-se exercício esporádico. Foi ao tentar retomá-la, rabiscando as primeiras palavras para construir letras para novas canções, que se descobriu poeta.   A partir daí, a poesia aconteceu. Ele começou o blog, foi descoberto ali, e agora lança seu primeiro livro.

O poeta sempre estará atento ao mundo com todas as ferramentas que a vida lhe ofereceu. E ele segue como no poema “Sei não...”, no qual questiona uma certeza poderosa, criando camadas para o certo, espaço para a sempre bem-vinda inquietação: “Aprender com erros? Sei não.../Soa um pouco/como errar até a perfeição.

Carla Dias
2012


Até mais, meu caro!

Comentários

Albir disse…
Que bela história, Carla, a desse encontro de generosidades. Parabéns por você conhecer o Santana e obrigado por nos apresentar a ele. Que ele continue brilhando!
Zoraya Cesar disse…
Dom Albir já disse tudo. Um privilégio seu e dele se conhecerem.
Maíra Cury Santana disse…
Que lindo! OBRIGADA!
Descreveu muito bem nosso querido amigo. Obrigada!
Carla Dias disse…
Albir e Zoraya, obrigada por escolherem saber um pouco mais sobre o Santana. Ele realmente é das pessoas que pessoas gostariam de conhecer.

Maíra, seu pai estará sempre no meu coração.

À amiga da Escola Estadual Silva Prado, obrigada por ler e se permitir encontrar nosso amigo no texto.