Pular para o conteúdo principal

MEU PARAÍSO >> Whisner Fraga

As estantes se acotovelavam no fundo, onde estavam raridades.

Aranhas, traças, mosquitos e, certamente, cupins festejavam o isolamento.

Eu me esgueirei entre os quadris das prateleiras e alcancei o livro que pendia na prateleria mais alta.

1923, primeira edição. Um autógrafo esparramado pela folha de rosto. A tinta nem tinta, uma névoa.

O preço irrisório me emprestou uma culpa. Era enganar pagar cem vezes menos?

Um furo talvez diminuísse o valor de mercado, um rasgo, mas o exemplar estava quase impecável.

Eu queria reverenciar o tempo.

A luz pestaneja e as sombras aproveitam para abraçar as lombadas.

Eu queria mais três ou quatro horas, o tempo.

Desço para pagar e levam a conversa para descaminhos: fascismo, ditadura, política. 

Pede desculpas pela bagunça. E daí?

O resto foi uma visita ao paraíso.

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Que delicada, Whisner! E tantas as frases que queria destacar que, qdo vi, eram todas! kkkk. Estou lendo numa manhã de chuva. Mais perfeito, impossível.
whisner disse…
Zoraya, obrigado pela leitura. Adoro sebos - um dia montarei um.
Albir disse…
Sebos podem ser um oásis em meio ao fascismo da política nossa de cada dia.