Pular para o conteúdo principal

PEITINHO DE PITOMBA >> Sergio Geia

 

Fui reunindo pérolas pelo caminho.
Pitomba. Fruta. Pequena. Um tantinho maior que uma bolinha de gude. De cor laranja quando madura, incomum aqui. Eu pelo menos nunca vi. Mais fácil de encontrar em cidades do Norte, Nordeste. Dizem que em Pernambuco tem de monte. Lembra muito a lichia, sem a mesma suculência. Você quebra uma fina casca que a reveste (pode ser com os dentes), põe na boca o caroço amarronzado, coberto por uma gosma transparente, a polpa, e chupa. Adocicada e levemente ácida, também serve de alimento para diversas espécies de aves. Sua árvore é muito utilizada na recuperação de áreas degradadas.
Ambular. Verbo intransitivo que significa andar sem destino, à volta, vaguear, passear, girar, deambular, perambular. Confesso que não o conhecia, e o achei lindo.
Povaréu. Plebe, poviléu, povo, multidão, turba, grande número de pessoas, povão.
Bugigangas. Bugiaria, quinquilharia, insignificâncias.
E preciosidades metafóricas como “o pregão abre o dia”, “o povaréu sonâmbulo ambulando que nem muamba nas ondas do mar”, “cidade maravilhosa, és minha, o poente na espinha das tuas montanhas, quase arromba a retina de quem vê”, “de noite, meninas, peitinho de pitomba, vendendo por Copacabana as suas bugigangas”, que até saio cantando.
Caminho esse a que fui levado outro dia — essa fantástica declaração de amor ao Rio — por um texto do Álvaro Costa e Silva, publicado na Folha, que fala da rua da Carioca, cenário para o clipe “Carioca”, do Chico:
Você se lembra do clipe: Chico Buarque está sentado numa mesa de bar antigo —o fictício Polytheama— e a cidade se descortina diante de seus olhos cor de ardósia. Trajando vistosa camisa de gola rulê, Chico suspira, fuma um cigarro, bebe uma taça de vinho, come uma pera, ri às escâncaras, enquanto escreve a letra da canção ‘Carioca’. Canta: ‘Gostosa, quentinha, tapioca/ O pregão abre o dia’. O cenário exterior, filmado através de um espelho falso, é a região entre a rua da Carioca e a praça Tiradentes, trecho da rua Ramalho Ortigão, imediações da igreja de São Francisco de Paula. Ao contrário do que narra a música, o povaréu não é nada sonâmbulo: está em movimento, esperto, agitado. Uma moça sai do carro falando no celular e exibindo belas pernas, um homem carrega um burro-sem-rabo, outro prega a Bíblia para os transeuntes, um tiozinho confere a elegância no reflexo da vitrine. Em preto e branco, o filme tem direção de José Henrique Fonseca, Arthur Fontes e Fábio Soares. Foi rodado em 1998, para o lançamento do disco ‘As Cidades.’”
Mais do que pérolas largadas pelo caminho, o que encontro em “Carioca”, e que me dá prazer, é um combinado de ingredientes, que pelas mãos de um chef talentoso, capaz de produzir dia a dia uma iguaria mais gostosa que a outra, se transforma num prato fabuloso de fina poesia, com recheios e molhos que me enlevam, exaltando as maravilhas de uma cidade maravilhosa.
Não é de hoje que as letras de Chico estão cheias de palavras que parecem escolhidas a dedo (pelo menos é essa a sensação que dá ao toparmos com “Carioca”). Como já disse um de seus músicos, as palavras de suas canções têm o som das notas, e são únicas. Chico consegue equilibrar com perfeição palavras elegantes, incomuns em letras de música popular brasileira como “errantes”, “amiúde”, “sem porvir” e “iniquidade”, presentes em Geni e o Zepelim, com a coloquialidade da velha crônica, como “cair um toró” ou “pintou uma chance legal” ou “dancei com uma dona infeliz, que tem um tufão nos quadris”, presentes em Bye, bye, Brasil, criando uma atmosfera musical sofisticada e única.
Não tenho dúvida de que sua produção é um repertório inigualável de espécies vocabulares muitas vezes ocultas nos becos e meandros do nosso dicionário de língua portuguesa.
Ouvir Chico é sempre uma experiência superior.
Em todos os sentidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …