Pular para o conteúdo principal

AOS AMIGOS >> Carla Dias >>


Pode parecer que não, porque damos sempre um jeito de nos conectarmos, porque gostamos da conversa compartilhada entre uma bebida - ao gosto do freguês - e outra, mas houve uma época em que nossas vidas não eram afetadas pela existência do outro.

Lembram de quando?

E somos meio vintage na conexão, apesar de a tecnologia nos manter mais próximos. Adoramos sala de estar; de nos encontrarmos nelas. Das longas conversas que acontecem ali.

Nem sempre a geografia ajuda ou o horário comercial possibilita. Às vezes, a tal da correria nos convoca para longos passeios. Daí que nos perdemos de vista por um período mais longo do que gostaríamos ou permitiríamos, caso tivéssemos o poder de ganhar na loteria e criar aquele lugar sobre o qual tanto falamos, onde seríamos quem desejássemos ser.

A vida segue acontecendo e nós insistimos em alguns sonhos que já acumulam décadas de planejamento e um buquê e meio de desapontamentos. Também apostamos na frescura do novo, porque somos atrevidos a esse ponto. Se há algo que a intimidade nos trouxe foi a capacidade de discordarmos sem que isso nos leve a nos perder de vez um do outro. À essa altura, já conquistamos a aptidão de permanecermos unidos, apesar de.

Enquanto o mundo enlouquece, gerando histórias que fazem nossas cabeças girarem, nossos espíritos envergarem; que nos conduzem em uma jornada em que se tornou impossível não lamentarmos, não sentirmos muito por sermos incapazes de ajudar a evitar isso, a consertar aquilo, a amparar alguns, teremos sempre um ao outro para não deixarmos a peteca cair. Nem sempre será delícia, tampouco agradável. Haverá dias em que os olhares passarão de raspão, diferente das tradicionais trocas. Porém, isso é porque somos humanos. Na hora do caos, da tristeza lancinante. Na hora da conquista pela qual se batalhou, da alegria divina. Na hora em que esquecemos dos entraves e nos abraçamos ao afeto, estaremos aqui um para o outro.

Haverá sempre café, vodca, chá. Haverá sempre salas de estar e espetáculos musicais. Haverá sempre uma história nova para contar. Uma velha história para enfeitar o salão das nossas memórias.

Gosto de pensar que a vida nos manterá conectados, mesmo sabendo que essa conexão depende de um trabalho dedicado e de presença. E apesar de ser a menos presente nos eventos de calendários, escolada em canos em casamento, batizado, festa de aniversário, aqui eu sempre estarei. Mas acho que essa é uma dúvida que não existe, não é mesmo? Porque, caso ela exista, bom, escrevo essa crônica para afirmar que não há dúvida. Apesar do meu jeito estranho de ser, e por ele mesmo, tirei o dia para dizer: estarei sempre aqui.

Aos amigos, meu agradecimento sincero por me permitirem fazer parte de suas biografias. E fiquem tranquilos, porque não, eu não escreverei um livro revelando todas aquelas informações embaraçosas que vocês já me confidenciaram.

Imagem: Artist Party © Peder Severin Kroyer

carladias.com


Comentários

Zoraya Cesar disse…
"A vida segue acontecendo e nós insistimos em alguns sonhos que já acumulam décadas de planejamento e um buquê e meio de desapontamentos. " Mais uma frase maravilhosa entre tantas outras maravilhas. Um livro de citações, Carla, por favor!
Carla Dias disse…
Zoraya, Zoraya... Vou contratar você como minha personal editora. :) Beijos.
michelle araujo disse…
"Se há algo que a intimidade nos trouxe foi a capacidade de discordarmos sem que isso nos leve a nos perder de vez um do outro. À essa altura, já conquistamos a aptidão de permanecermos unidos, apesar de." Gostei da idéia de compilar citações de Carla Dias. Um beijo
albir silva disse…
Também concordo. Já vou aqui listando as minhas citações de Carla Dias.
Carla Dias disse…
Michelle e Albir, fico lisonjeada por encontrarem esses momentos que valem a pena nos meus escritos. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …