Pular para o conteúdo principal

O AMOR QUE EU NÃO SOUBE OUVIR>>Analu Faria

De todos os quase-amores que tive, S. talvez tenha sido o mais ardiloso. Não ele, a pessoa, o homem S., mas o afeto que a vida me oferecia através dele. Naqueles dias, carinho e atenção pareciam uma peça estranha num quebra-cabeças que eu não sabia montar: S estava mais distante do atavismo que me viciara do que eu de sua doçura.

Eu pouco falava e ele pouco ouvia. A audição reduzida - a parte dele -  e uma voz afetada por uma infecção horrível  - a parte minha -   pareciam a receita irônica para um relacionamento fadado ao nada. Para minha vergonha, a serenidade de S. - talvez fruto dos seis anos de fonoterapia, dos seis anos aprendendo a falar por meio da vibração dos ossos -  era absoluta e, para ele, pouco importava que nunca visse a cor da minha fala.

S. lia meus lábios perfeitamente e eu não nunca soube decifrar os seus. Também não pude entender o que me pareceu gentileza em abundância, algo fora do lugar para uma mulher tão acostumada com o pouco que a convinha.

Ele se fazia entender muito bem, mas eu, talvez atraída por aquele perfil bem desenhado pela barba por fazer, acabei alongando aquele quase-amor por mais tempo do que eu podia traduzir. Mesmo não sendo numerosos os dias que passamos juntos, talvez eles fossem suficientes para compor uma sinfonia silenciosa de afetos, se eu ao menos soubesse captar as filigranas do inaudível. Mas àquela altura da minha história, eu tinha os ouvidos embotados pelos meus próprios gritos. E acabei fazendo de S. o amor que eu não soube ouvir.


Comentários

Carla Dias disse…
Acho que você ouviu, Analu.
Que delicadeza tem esse texto. S. deve ter sido mesmo alguém digno dele. Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …