Pular para o conteúdo principal

DEVAGAR COM A DOR >> Carla Dias >>



A lembrança interrompe a trilha sonora interna do momento. Porém, a música tema sendo tocada – ininterruptamente e há horas – no jukebox da minha cachola é conversa para outro dia.

Nesse momento, tudo silencia, porque há lembrança que só se manifesta se todos os sons se calarem em sua homenagem. E esse filme toma minha memória, assim, mudo, porque o suspense é necessário.

Mas o que fazer com uma lembrança que não vem inteira? Cadê o som que sei que ela tinha? Havia diálogos ali, não apenas movimentos. Havia verdades nela, que sinto que eu apreciava escutar: ritmo e emoção. Que pena que não as decorei para declamar mais tarde, feito poema raptado de autor desconhecido.

Resta-me, então, feito ser humano escolado em versões, criar um diálogo novo para uma velha lembrança. Sabemos quantas mudanças as lembranças sofrem com o passar do tempo. Algumas delas se tornam outras. A verdade se perde, dando lugar às interpretações que se guiam pelo humor do seu interlocutor, de acordo com o que ele sente naquele momento.

Naquela lembrança eu estava feliz. À frente, o mar. Era tanta vista, que meu olhar vagueava sem pressa. Pés descalços na areia, uma das raras sintonias entre mim e o sol. Aquela música que tocava no jukebox da minha cachola, antes de tudo se calar, ela até que combinaria bem com o cenário.

Sou eu há mais de duas décadas, com muitas histórias para viver, mudanças para sofrer. E aquela beleza toda...

Praia, para mim, tem de ser para assistir pôr do sol. Eu tenho medo de mar, de água a perder de vista, viva. Tenho medo que enfrento botando os pés no mar, morrendo de amores pela água. É um encantamento misturado a um contínuo arrepio que indica cuidado.

É lembrança de quando fui tocar no litoral norte de São Paulo. Eu tinha comprado a bateria que desejava tanto. Foi estreia e encantamento. E ainda tinha aquela vista.

Aos desavisados, meu sonho de consumo é uma vista na qual eu possa me perder. Apenas um lugar de onde o olhar possa partir, para transitar sem esbarrar na janela do vizinho. E aquilo, era tanto céu e mar que eu juro que perdi o fôlego.

Inventei umas histórias para meus companheiros de vista dizerem. Dominei a lembrança como se a tivesse criado. Não importavam mais os diálogos, mas só até aquele momento. Nele nunca consegui mexer. Dele me esqueço para ruminá-lo na crueza da sua verdade, quando a lembrança volta ao original.

Um dos meus companheiros de jornada, uma figura muito lógica e direta, respondeu a uma pergunta que fiz ao universo. Perguntei a ele, ao universo, tomada pelo arrebatamento da visão e dos atrevimentos inspirados pela combinação areia, mar, sol e céu; inspirada pelos desmandos da poesia que abraça reflexões, por que diabo as pessoas eram capazes de cometer tantas tragédias num mundo de tantas belezas. E essa pessoa entrou no meu espaço delirante para responder, de forma certeira e intrometida, que é do ser humano doer e causar dor, e que nem todos param para observar. Eles escolhem neutralizar o perigo, mesmo que ele ainda não esteja ali. Antever a desgraça, prever o desencantamento, ameaçar a dor.

Quando menina, depois de escutar pela primeira vez “devagar com o andor, que o santo é de barro”, passei as procissões seguintes – e foram muitas – a temer pelos seres humanos, que esse negócio de derrubar santo não me parecia boa coisa. Os santos poderiam até se espatifar no chão, mas o preço para o espírito do ser humano que os derrubasse, era sobre ele que eu pensava.

Depois, aprendi que a expressão era mais ampla.

Hoje, na lembrança concluída, pós deslumbramento geográfico, permito-me reformular: devagar com a dor e com o desamparo. Aquele dia, um dos meus raros na praia, não consegui discordar do meu companheiro de jornada. Hoje, muitos tombos depois, tantas mudanças infligidas e amores cultivados, eu posso me dizer mais corajosa. A lembrança vem e vai embora, mas sem me atormentar como antes. Fico com a versão-deslumbramento dela. Fico com a parte em que o ser humano observa aquela beleza como um meio para aliviar os conflitos internos, abrandar os dissabores, inspirar-se para alcançar soluções. É beleza que se aprofunda no que temos de melhor, modificando o pior de nós para algo mais justo. Ela molda nossa vida, feito o barro do qual é feito os santos.

Lembrança passa. Ligo meu jukebox interior e a música continua. Há dias em que a trilha sonora é que nos escolhe e nos manda de volta para casa.

Imagem © Hermann Seeger

carladias.com

Comentários

Anônimo disse…
Prezada Carla, esse texto é um verdadeiro alento nessa minha hora de ócio. Surto com o aperto no peito.

Abraços,
Enio
Denise Odara disse…
Carla querida...minha trilha silenciosa está aflita a me avisar: "Não ouse comentar, não ouse!". Permito-me apenas te agradecer a beleza da crônica. Odara.
Carla Dias disse…
Enio, muito obrigada pela gentileza da leitura e no trato com os meus escritos. Beijo!

Denise, minha cara, ouse sempre que ousar vale a pena. Nesse caso, sua ousadia me deixou muito feliz. Obrigada. Beijo.
Zoraya Cesar disse…
Que lindeza, Carla, só você mesmo, para ter uma jukebox interna a lhe acolher e aquecer nos momentos mais duros. "A beleza molda a vida, feito o barro do qual são feitos os santos'... lindo!
Beijos de oleiro.
albir silva disse…
Você me ajuda a compreender uma porção de coisas: agora sei que também tenho uma jukebox que vai inundando com trilha sonora as situações. Beijo, Carla!
Carla Dias disse…
Zoraya, esse jukebox já me ajudou tanto. Todo mundo deveria ter um desses. Beijo.

Albir, sempre às ordens para ajudar na compreensão de coisas meio malucas. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …