Pular para o conteúdo principal

CIRCO >> Carla Dias >>


Grande circo, esse. Pena que não tem palhaço que fomente alegria, tampouco trapezista que nos faça sonhar com o voo. Não há alegria nessa tenda de dissimulações e injustiças.

Um circo de horrores do qual não somos mais meros espectadores, mas sim os cruelmente domesticados para serem exibidos como curiosas criaturas. Porque, em algum momento, deixamos a sabedoria, que nos concede o milagre de decidirmos nosso caminho, nas melindrosas mãos-prisões dos que cochicham em nossos ouvidos – manipuladores e indiferente ao desfecho que nos espera – o que queremos escutar para acalmar ansiedade e calar questionamento.

Bem-vindos ao circo dos dissabores!

Aqui há uma grande variedade de tragédias para serem ruminadas em tempo infinito. Uma verdade gritante para se encarar com dolência aguda: somos colaboradores ativos da miséria do mundo. Nós, esses bichos amestrados pelo desejo próprio, e por ele fazemos o que é impossível de se desfazer e que, às vezes, leva o outro à lona, para não se levantar mais. Mas como seria diferente? Somos bichos de instinto calcado no egocentrismo e na necessidade intrigante por poder. Pisamos uns nas cabeças dos outros por dinheiro. Matamos em nome do amor e do Deus. Somos indiferentes a quem não desperta em nós curiosidade. Nossa intolerância é inspiração para a arquitetação de extinções espetaculares.

Neste circo, adjetivos são usados para compor uma sonata de ofensas. Predadores da sobrevivência alheia abocanham suas presas de maneira espetaculosa. Os espectadores, agora poucos, ditos escolhidos, assistem a tudo com ar blasé, enquanto, por dentro, celebram suas vitórias diante dos inferiores. Como apreciam subjugar, humilhar, matar de fome, de sede, de carência de direitos.

Esperávamos sim um circo de delícias e gargalhadas; um ponto de encontro para a descontração e o deleite. Por que isso nos seria negado? Acabamos assim: desfilando nossas misérias aos que nos tornaram miseráveis. Dando cambalhotas para entreter o desejo deles por superioridade. Nós, os animais amestrados, bailando ao som do cansaço e da zanga, provocando delícias e gargalhadas naqueles que nos desumanizaram. Os descontraídos e deleitosos diante do nosso show de desesperança.

Bem-vindos ao circo dos horrores! Há aqui justiça mantida em cabresto, respeito qualificado como supérfluo, direito negado com esmero. Os palhaços nem sabem o que é piada. Os trapezistas têm medo de altura. Ao bicho-homem não se dá de comer, que a fome, em todas as suas interpretações, é capaz de mantê-lo prostrado, o serviçal perfeito para quem pouco se importa com as aberrações que propicia.

Imagem © Edward Hopper

Comentários

Analu Faria disse…
Nossa, Carla! Gostei demais! Denso, elaborado... Vai me deixar pensando por uns bons dias.
Carla Dias disse…
Obrigada, Analu! Depois me conta sobre o que pensou. Beijo.
albir silva disse…
Gladiadores miseráveis, aqueles que devem morrer, se curvam para os donos da festa.
Carla Dias disse…
Albir, anda tudo tão debruçado na desorientação. Ser anda complicado, por isso mesmo, necessário como nunca.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …