Pular para o conteúdo principal

ALMOÇO DE DOMINGO >> Sergio Geia



Imagino o que você, leitor, deva estar esperando desta crônica: muita gente à mesa, muita comida, conversas inteligentes e animadas, estimuladas por doses de álcool, gargalhadas, crianças brincando e muita alegria; enfim, a expressão mais colorida da família feliz, pois família que se preza não despreza almoços de domingo.
Realmente o quadro é bonito e poderia ser assim; não é. Sinto desapontá-lo, mas o almoço é solitário mesmo, sem conversas inteligentes ou gargalhadas, sem fartura de comida e crianças brincando, mas, honestamente, e em absoluto minto a esse respeito, nem por isso desagradável ou que represente a expressão mais cinzenta da solidão; enfim, estar sozinho num domingo de verão estranhamente chuvoso e frio, não significa de maneira alguma estar sofrendo de solidão.
Normalmente saio para comer fora. A chuva, porém, fria e recorrente, os últimos dias, que me foram bastante molhados diante da falta de um simples guarda-chuva, mas especialmente, uma vontade caseira de cozinhar, me arregimenta a não pôr os pés na rua, mas fincá-los na cozinha.
O que sei de cozinhar é comezinho e ruim, o suficiente para não passar aperto. Não imagine você que desfilo com habilidade pela cozinha, que invento pratos mirabolantes, que me deleito por horas na frente de um fogão. De maneira alguma. Portanto, pode soar estranho o aparecimento de uma “vontade caseira de cozinhar”. Não para este cronista, acostumado a comer na rua; de vez em quando, dá vontade de comer em casa.
À mente me surge uma refeição bastante simples, mas digna: uma porção de arroz, salada e um bom bife; simples, barata, saborosa e sedutora. Pois vou lhe ensinar a fazer a iguaria, pedindo desculpas desde já pelo atrevimento. De repente você está careca de saber o que fazer na cozinha. Se for o caso, despreze essa receita vagabunda disfarçada de crônica (ou seria uma crônica vagabunda disfarçada de receita?). Se não for desse tipo de sujeito gourmet, e se qualquer dia desses estiver em apuros e só, pode procurar “Almoço de domingo”, e estará conferindo a essa crônica uma finalidade não imaginada pelo seu autor; pelo menos até agora.
De início, sugiro que se sirva de um bom uísque. Tenho aqui um Jack Daniels. Sirvo uma dose com duas pedras de gelo. Música é sempre inspiradora. Ligo a tevê e sintonizo um show do Oasis. Dou uma olhada na rua molhada enquanto degusto da bebida, na chuva caindo fina, nas pessoas se deslocando com dificuldade. Depois, já sentindo palpitar um desejo inspirador de criar, me mando pra cozinha. A receita, como falei, é simples, mas o resultado, compensador. Anote aí.
Arroz
Gosto daqueles saquinhos de arroz integral. Deposito o saquinho na panela com água fervente e um pouco de tempero e deixo lá; depois de algum tempo ele está pronto. Mas não vai bem arroz integral num domingo, certo? Abro o saco de 1 kg que tenho na despensa e coloco uma porção num copo americano, ao mesmo tempo em que coloco dois copos e meio de água pra ferver; tenho um bom tempero aqui, já pronto, comprado em Ubatuba. Enfim, um arroz básico, que, imagino, o amigo saiba fazer.
Salada
A minha salada combina uma porção de cenouras e repolho (ambos picados) que você encontra pronta em qualquer gôndola de supermercado, um ovo cozido e maionese a gosto. Tempere o repolho e a cenoura apenas com sal; acrescente, picando, o ovo, e, por fim, misture a maionese.
Bife
Pode ser filé, contra ou alcatra; o meu é filé. Tempere moderadamente e depois frite-o na frigideira.
Tudo pronto, finalize com delicadeza o prato (delicadeza quer dizer sem exagero), colocando umas duas colheres e meia de arroz, uma pequena porção de salada e um bife generoso, e está pronto o seu almoço de domingo. Bom, preço razoável, delicado e saboroso. Eu garanto.
Anotou? Se não anotou, não se preocupe; a crônica sobreviverá eternamente, diferentemente de seu autor; quando quiser, é só procurar nesse oceano de dados chamado web e certamente achará.
Se eu fosse um crítico de gastronomia desses que estampam suas opiniões em jornal, diria que o arroz está perfeito: soltinho, bem temperado, ao dente; que exagerei um pouco na maionese da salada, que o bife ficaria melhor se fosse menos passado. Avaliação? Bom. Apenas bom. Nada, entretanto, que me tire o prazer de degustar uma refeição feita em casa.
Como na frente da televisão (um vício difícil de largar), bebendo cerveja, assistindo a um show magnífico do Oasis, em Manchester.

Ilustração: www.taringa.net

Comentários

Zoraya disse…
Sergio, você e Carla Dias estão ficando muito abusados nesse negócio de escrever bem sobre os detalhes das pequeninas coisas.
sergio geia disse…
Zoraya, foi um domingo pra lá de gostoso, talvez, embalado pelo uísque rsrs, me deu vontade de fotografá-lo usando como câmera essa coisa maravilhosa chamada crônica.
Carla Dias disse…
Repleto de boas cenas. Claro, o prato estava ótimo. ;)
sergio geia disse…
Sim, Carla, estava ótimo! Valeu!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …