Pular para o conteúdo principal

EU BEBIA DIARIAMENTE O MAR, E MAIS ALGUMAS COISAS... >> Sergio Geia



Voltei de Ubatuba mais gordo. Se o Carlos da farmácia me visse caminhando pela rua depois dessas férias na praia certamente diria: “Lá vai a jiboia esmoer. Um dia esse cara estoura”. Não estourei; ainda. Uma costela bem-servida na Casa do Norte, um peixe levemente picante no Canele, pedaços de pizzas aos montes na Pizzaria São Paulo e na Caravelas, cerveja, cachaça e beliscos no Saraiva.
Tanta gulodice me fez engordar, e me fez lembrar o outro Carlos, também da farmácia, e esse primeiro parágrafo de “O Crime do Padre Amaro”, livro fabuloso do Eça de Queiroz:
“Foi no domingo de Páscoa que se soube em Leiria que o pároco da Sé, José Migueis, tinha morrido de madrugada com uma apoplexia. O pároco era um homem sanguíneo e nutrido, que passava entre o clero diocesano pelo comilão dos comilões. Contavam-se histórias singulares de sua voracidade. O Carlos da botica — que o detestava — costumava dizer, sempre que o via sair da sesta, com a face afogueada de sangue, muito enfartado: ‘Lá vai a jiboia esmoer. Um dia estoura!’ Com efeito estourou, depois de uma ceia de peixe.”
Mas não foi apenas a comilança na praia que me trouxe à mente o romance português. No livro de Eça há diversas passagens em que o escritor nos remete aos banhos de mar, como nas páginas 34: “A senhora D. Maria da Assunção, que tinha uma casa na praia da Vieira, propôs levar a S. Joaneira e Amélia para a estação dos banhos, para ela espalhar, nos bons ares saudáveis, um lugar diferente, aquela dor”; 81: “(...) ir mesmo no verão aos banhos...”; 169: “E daí a dias, o cônego, vendo aproximar-se o fim de agosto, falou de alugar casa na Vieira, como costumava um ano sim outro não, para tomar os seus banhos de mar. O ano passado não fora. Este era o ano de praia”, “O quê! Ir enterrar-se todo o verão, o melhor tempo do ano, na Ricoça! E os seus banhos, meu Deus, os seus banhos?”; 171: “Eu não posso ir; tenho de tomar os meus banhos, a senhora bem sabe”; 184: “O padre-mestre já tinha quinze banhos”; 193: “E a mamã passa bem — disse ele a Amélia. — Já tem os seus trinta banhos”; 196: “Era o cônego, que escrevia da Vieira, dizendo ‘que a S. Joaneira tinha já trinta banhos e queria voltar!’” . 
Não sei se era ou se é um costume dos portugueses, mas não deixa de ser interessante a forma como os personagens se referem aos banhos de mar; além de recreativo e terapêutico, os banhos ganham a conotação de medida de tempo — o tempo não é medido pela quantidade de dias na costa, mas pela quantidade de banhos tomados.
Clarice Lispector, ainda menina, quando morava no Recife, diariamente pegava o bonde até Olinda para iniciar o dia tomando banho de mar. Era mania do seu pai. Ele acreditava que todos os anos se devia fazer uma cura de banhos de mar. Dizia que não se devia logo depois, tomar banho de água doce; o mar devia ficar na pele por algumas horas. E só mesmo Clarice ao dizer numa crônica isto: “Com as mãos em concha, eu as mergulhava nas águas e trazia um pouco de mar até minha boca: eu bebia diariamente o mar, de tal modo queria me unir a ele.”
No fundo, acho que o pai de Clarice está cheio de razão. O mar, que é a expressão mais pura do poder da natureza, compartilha de graça a sua força com aquele que se atreve a beber de sua água e se unir a ele. Foi com esse espírito que desci a serra nesse verão. E embora tenha voltado como uma jiboia, fui aos banhos, contei uns trinta, e cá estou pronto pra entrar de novo nessa confusão chamada vida.  

Ilustração: cuidarmais.wordpress.com

Comentários

Zoraya disse…
Esmoer! aprendi uma palavra nova! Essas férias devem ter sido deliciosas (e nutritivas) E lá vai o cronista sutilmente passando de suas singelas férias a Eça de Queiroz, assim, como quem nao quer nada. Já tá pensando no livro?
sergio geia disse…
Pensando e trabalhando nele rsrs. Esmoer, pois é, coisa do Eça. Grato, Zoraya, mais uma vez.
Cristiana Moura disse…
confusão chamada vida é intima.
Ubatuba e comilanças é memória de infância
Quero morrer perto do mar.
Sérgio, perdão, só vi a mim mesma.Gratidão.

sergio geia disse…
Cris, obrigado! Até no comentário vce é pura poesia. Vce nasceu pra escrever. Sorte nossa o seu retorno
Analu Faria disse…
Uma escultura em prosa, Sergio! Q paciência e esmero pra insculpir essa forma! Gostei muito, eu que não tenho paciência.
sergio geia disse…
Uau, Analu!!! Brigadao! Sou seu leitor desde sempre

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …