Pular para o conteúdo principal

PASSEIO NOTURNO - 1a parte >> Zoraya Cesar

Estresse agudo, afirmou o médico, dando-me um ultimato: ou larga tudo e vai repousar ou a vida é que vai te largar e você repousará forçosamente – ad æternum.

As ruínas de uma construção que eu não soube identificar
me fascinaram desde o primeiro instante.
Pressionado por esse prognóstico terrível, decidi passar alguns dias num vilarejo isolado, de difícil acesso, no meio das montanhas. A natureza, ali, era extravagante. Imensa e profusamente verde de um lado, escarpada e desértica de outro. Da vila, viam-se, ao longe, restos de uma curiosa construção.

Os habitantes recalcitravam em vivenciar os confortos da vida moderna. O lugar vivia às custas de turistas eventuais e exportação de um artesanato peculiar, feito a partir de ossos e terra vermelha, que fazia sucesso no exterior. O comércio se resumia a uma mercearia que fazia as vezes de padaria e confeitaria; um barbeiro; um bar-restaurante e uma pensão. Só.

Nenhum canal de TV ou sinal de celular alcançava a região. A pouca energia que chegava fazia com que a luz, mesmo no interior dos ambientes, fosse baça e insuficiente à leitura. Tudo fechava - inclusive as pessoas em suas casas - assim que escurecia. Era, realmente, ideal para o descanso. Obriguei-me a deitar cedo, pois também não adiantava sair a passear. As luzes da rua eram desligadas às 20 horas e, se não houvesse lua cheia, a escuridão impedia que você enxergasse um passo adiante. Numa cidade de paralelepípedos irregulares e mal conservados, situada no alto de uma montanha, cercada de ribanceiras, um passeio noturno poderia ser fatal.

A não ser que você tivesse um guia. 

Durante o café da manhã, perguntei à dona da pensão quem poderia me contar histórias pitorescas e folclóricas da região, guiar-me pelas trilhas e falar sobre as tais ruínas. Ela respondeu secamente, sem sequer olhar para mim:

- Procure o velho Sr. Vilkolakis. Ele passa o dia sentado ao sol no banco da praça. Mas, se fosse o senhor, sossegaria o facho depois do anoitecer – Não me importei com a rispidez dela, nem dei trela pro conselho sem sentido. Essa gente do interior é muito esquisita. E eu estava lá para descansar e largar dos estímulos incessantes da cidade, não para vegetar dentro de um quarto. Se estava em meio à natureza, aproveitaria para passear.

De longe, ele parecia uma estátua de pedra, não fosse a fumaça que saía de seu cachimbo. Aproximei-me por trás, sem que meus mocassins, tenho certeza, fizessem qualquer barulho na terra macia. Mas o homem levantou quase imperceptivelmente a cabeça e pareceu farejar o ar, me pressentindo.

- Boa tarde – disse, antes mesmo de me ver, a voz profunda e um tanto gutural, mas agradável, amigável, até – soube que você vinha me procurar.

Ele era impressionante. Baixo, não devia ter mais de 1,60 m, músculos robustos e fortes sob uma pele recoberta de profusos e hirsutos pelos cinza. Era velho, sem dúvida, a face pregueada e crestada pelo sol. A calvície passou longe do Sr. Vilkolakis (que nome estranho!): tinha fartos cabelos castanhos entremeados por largos fios brancos e enormes costeletas que lhe tomavam quase todo o rosto. Grandes dentes sobressaiam por entre os lábios marrons e um brilho intenso refulgia de seus olhos amarelados e sonolentos. O cheiro do fumo do cachimbo misturava-se a um outro, que não consegui identificar com exatidão, mas me pareceu agridoce, uma mistura de almíscar com amônia, não sei. 

Conversamos longamente. Ele era um contador de histórias nato e desfiou uma série de causos da região, alguns, confesso, um pouco assustadores. Quando vi, já era hora de voltar, se eu quisesse chegar à pensão antes das 20 horas. Ao nos despedirmos, pedi que me levasse às ruínas, à noite (eu queria descansar, é certo, mas um pouco de aventura não me faria mal. E eu detesto deitar cedo).

- À noite? – ele fungou e ficou parado, quase imóvel, os olhos semicerrados. Parecia tão absorto que receei que ele tivesse caído num sono senil.

As trilhas, mesmo sob a luz da lua cheia, podem ser perigosas,
avisou-me o Sr. Vilkolakis.
- Pode ser perigoso. Valões. Corredeiras. E coisas estranhas e imprevisíveis acontecem à noite nessas trilhas. Coisas do Além...

Pus-me a rir, com a arrogante superioridade dos citadinos. Eu, homem de negócios, acostumado a dar nó em pingo d’água, ia lá acreditar em crendices e superstições? Insisti na aventura.

Então, ele aquiesceu, acrescentando que aquela noite seria de plenilúnio, ou seja, ideal para percorrer trilhas. De repente, sorriu, deixando à mostra seus dentes cróceos. Disse estar muito contente, pois era a primeira vez, em incontáveis anos, que um turista lhe pedia para ir às ruínas durante a noite.

- É necessário que me peçam, você sabe, não é permitido que eu ofereça. É preciso obedecer às regras. - Não entendi muito bem, mas deixei pra lá. Essa gente do interior é muito esquisita.

Convidei-o a jantar comigo, mas ele agradeceu e declinou, alegando que costumava sentir fome mais tarde.

Cheguei à pensão poucos minutos antes da escuridão descer sobre as casas. A dona já se tinha recolhido. Deixou, gentilmente, a meu ver, um prato de comida embrulhado num pano de prato, em cima do fogão. Comi com vontade, subi para o quarto e me preparei. Estava excitado com a aventura e orgulhoso de mim mesmo. Eu, um sedentário histórico e convicto, arriscando-me em um passeio noturno no meio do mato, onde a única fonte de luz seria a da lua cheia. Ninguém ia acreditar. Desci para esperar meu guia. 

O Sr. Vilkolakis chegou pontualmente à hora combinada. 

Continua dia 24 de março a 2ª e última parte. 

Foto ruínas: David Brooks in Unsplash
Foto floresta sob a luz da lua: Tame66 in Pixabay

#zorayacesar #zorayacesarescritora #zorayacontos #zorayacesarcontos #zorayapasseionoturno

Comentários

Unknown disse…
Lá vem ela com essas histórias divididas em partes. Não vou adivinhar o que vai acontecer, pq se eu acertar vc vai mudar o fim... Então vou esperar pra ver o que acontece...kkk
Anônimo disse…
Porque a segunda parte, só em 24 de março! Muito tempo, perda do interesse, não acho legal! Como a crônica é sua, não deve rolar nenhuma "sacanagem legal"! Agora bruxas, fantasmas e defuntos, não devem faltar! Isso se o cara não virar pedra, árvore, etc..., hahaha...
Analu Faria disse…
Ansiosa pela segunda parte, Zoraya!!!!
Clarisse Amador disse…
Nome de drácula com beca de lobisomem... hum, o que vai dar???
Ana Luzia disse…
é impossível saber o que nos espera, aliás é terrível esperar pelo desfecho, mas me senti muito à vontade neste lugar, poderia passar horas conversando com o velhote... e sabe-se lá o que virá do além, se é que lá já não é o Além! rsrsrs
Carla Dias disse…
Maldade fazer a gente esperar pela continuação! :(
E o que fazer com a curiosidade? E a especulação sobre o que acontecerá com esse personagem que é 8 ou 80?
Ah, Zoraya... Sou escorpiana. Esperar me endoidece em vários graus.
Beijos!
Anônimo disse…
Dentes cróceos me parecem ameaçadores... e mais tarde ele estará com fome...
Zoraya disse…
Unknown 1 - Puxa, mas eu tb nao sei o que vai acontecer!

Anônimo 1 - Esse é um blog família! E pq o coitado do personagem principal viraria pedra? Se bem que, na vida, tudo pode acontecer... veremos.

Analu - que bom! espero que o final atenda às expectativas.

Clarisse- nome de vampiro com beca de lobisomem! ótima ideia! um transgênero mítico ah-ha!

Ana - ainda não sabemos qual é a do velhote, mas cuidado, esses velhinhos e velhinhas nunca são tão inocentes quanto parecem

Carla - haha, eu tenho de manter minha fama de má! E não se avexe não que sou sagitariana. meu segundo nome é curiosidade kkkk

Anônimo 2 - pois é! eu tb fiquei um pouco encafifada com um sujeito que tem dentes cróceos e sentirá fome mais tarde, ai, ai ai

Obrigada a todos!

Anônimo disse…
Tô farejando lobisomen no ar!
albir silva disse…
Zoraya me desperta medos que eu julgava sepultados na infância.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …