Pular para o conteúdo principal

AUTÔNOMO OU AUTÔMATO? >> Paulo Meireles Barguil


— Eu quero tudo pronto! — falou-me uma professora, num tom que demonstrava súplica e irritação.

Olhando para ela, respirei lentamente, e expliquei-lhe, pacientemente, que seu pedido contrariava meus princípios pedagógicos, os quais expressam minhas concepções de Homem, de Cosmos.
 
Conforme o dicionário Houaiss, autônomo é um indivíduo "[...] dotado da faculdade de determinar as próprias normas de conduta, sem imposições de outrem.".
 
O autômato, por sua vez, é um "[...] indivíduo de comportamento maquinal, executando tarefas ou seguindo ordens como se destituído de consciência, raciocínio, vontade ou espontaneidade.".

Conforme Paulo Freire, a Educação Tradicional, batizada por ele de Educação Bancária, contribui para a heteronomia, ou seja, a constituição de sujeitos passivos, que se limitam a repetir, a reproduzir, a obedecer sem qualquer questionamento, motivo pelo qual ele propõe a Educação Problematizadora, que visa à humanização, à autonomia e à modificação da realidade, pois favorece e instaura o diálogo entre os agentes pedagógicos.

Jean Piaget, por sua vez, defende que a Educação favoreça o desenvolvimento da autonomia em detrimento da heteronomia.
 
Na natureza, a vida é construída lentamente, com dedicação, cuidado, fé e perseverança.

Vivemos, todavia, numa época em que a aceleração é a característica central do mundo, a qual profana a nossa sutil condição humana, que demanda sensibilidade e, portanto, olhos e ouvidos atentos: frutos de um coração acolhedor.

Essa velocidade empreendida tem nefastas consequências para o nosso equilíbrio pessoal e social, que se manifestam de várias formas, dentre as quais destaco a falta de conexão, consigo e com os outros.

A pressa, ao contrário de nos possibilitar o encontro, que é o bálsamo da vida, quase sempre, nos distancia dessa oferenda divina.

Frustrados com os resultados obtidos, ao invés de mudarmos a estratégia, optamos, insanamente, não somente por mantê-la, mas aumentá-la!

É-me desalentador ver o discurso em vários documentos educacionais, nacionais e internacionais, em prol da constituição de sujeitos críticos e capazes de transformar a sociedade aliado à práticas que possibilitam o contrário: indivíduos alienados, que ignoram a complexidade da vida e a percebem de modo fragmentado, em partes isoladas.

Em virtude do meu desejo de colaborar por uma Educação que seja, efetivamente, transformadora, que possibilite o desenvolvimento de cada pessoa, nego-me a empreender práticas milenares que, ao sufocarem tristezas, medos, inseguranças, vergonhas e culpas, perpetuam e aprofundam momentos de muito sofrimento individual e coletivo.

As nossas maiores feridas são oriundas da falta de aconchego da alma, motivo pelo qual entendo ser essa a maior, senão a única, lição a ser aprendida por cada um de nós na convivência com os outros.
 
Acredito que as pessoas são capazes de aceitar que a vida as convida, sem cessar, para ampliarem a sua consciência, transmutando sentimentos, requisito indispensável para ser alguém mais hospitaleiro, empático e harmônico.

A todo momento, dedico-me para ser coerente com as minhas crenças, mas reconheço, com humildade, o quanto meus sentimentos e meus agimentos precisam, além daquelas, de muita luz!

Agradeço a todos que, com amorosidade ou não, me ajuda(ra)m a ser uma pessoa melhor.

Aceito os ônus referentes às minhas escolhas: conforta-me, parcialmente, saber que eles são bem menores se eu decidisse me negar a cada dia.

Compreendo e aceito que os outros queiram algo diferente e, às vezes, antagônico do que eu, motivo pelo qual, por vezes, opto por me calar e sair de cena, quando percebo que o outro está apegado às suas ideias, manifestação cristalina de quem não quer mudar.

A vida é uma mestra muito melhor do que eu, tosco aprendiz!


[Pintura de Jean-Marc Côté, intitulada Na escola (At School), que faz parte da coletânea Visões do ano 2000, produzida por vários artistas na virada do século XIX para o século XX]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …