Pular para o conteúdo principal

SOBRE PLANOS, SHOWS DO ROBERTO CARLOS
E O FIM DE ANO DA GLOBO
>> Clara Braga

Sinais de que o ano está mesmo acabando: Papai Noel já chegou no shopping, os shoppings estão muito mais cheios, Brasília está mais vazia, as casas já estão decoradas com motivos natalinos, todos os grupos do WhatsApp já estão combinando suas confraternizações, aumentou consideravelmente a quantidade de campanhas de arrecadação de brinquedos e doações gerais, algumas pessoas já estão de férias, os artistas da globo já se reuniram para cantar aquela mesma canção de sempre que passa uma vez na televisão e te deixa repetindo aquele refrão por uma semana seguida e, claro, o Roberto Carlos já organizou seu especial de fim de ano.

Não adianta, tem coisa que não vai mudar, o Roberto Carlos vai cantar "Como é grande o meu amor por você" e distribuir flores, a Globo vai gravar o show da virada e jurar que nada foi playback, o consumo de roupas brancas vai aumentar, a Fátima Bernardes vai entrevistar um vidente que vai fazer previsões extremamente generalizadas para o ano que vai começar, os programas de culinária vão ensinar a preparar uma ceia de dar água na boca, as pessoas vão fazer novos planejamentos, 90% vão incluir e/ou repetir emagrecer como um dos objetivos mas só uns 50% ou menos vão de fato manter esse objetivo como prioridade e não precisarão entrar em pânico com a sua imagem no espelho no próximo verão.

Enfim, é como eu disse, tem coisas que não mudam. E quer saber, não tem problema. Muitas dessas coisas fazem parte desse clima gostoso de renovação, de esperança, não teriam mesmo porque serem diferentes. Claro, de muitas delas a gente vai reclamar, vai dizer que ninguém aguenta mais o Roberto Carlos, mas o dia que não tiver mais algum especial dele, a notícia vai ter que ser dada no plantão da Globo com aquela música macabra, pois algo grave terá acontecido.

Por outro lado, tem coisa que não dá mais. Se eu fosse começar meu planejamento de 2016 agora, começaria pelas frases que eu não quero mais dizer:

“Não acredito que, em pleno 2016, ainda temos que lidar com pessoas ignorantes que utilizam as redes sociais para fazerem comentários racistas.”

“Não acredito que, em pleno 2016, as mulheres têm que ter medo de saírem na rua sozinhas e sofrerem algum tipo de agressão ou serem estupradas e ainda terem que ouvir que são culpadas.”

“Não acredito que, em pleno 2016, as pessoas que deveriam ser as principais propagadoras do amor ao próximo incentivam as pessoas a apedrejarem outras por causa de suas orientações sexuais. E, pior, não acredito que tem gente que obedece!”

“Não acredito que, em pleno 2016, uma pessoa com deficiência precise deixar de fazer algo por falta de acessibilidade.”

“Não acredito que, em pleno 2016, a escolha pela profissão de professor ainda seja mal vista.”

Enfim, essas são só algumas das que pensei para o início do planejamento, mas com certeza vou revisitar essas frases, modificar e acrescentar algumas. Sem falar da parte mais leve e descontraída do planejamento que inclui, claro, a perda de peso. Sim, eu sou parte dos 90% que sempre incluem essa parte como meta, mas não dos 50% que só põem em prática no outro verão. E também faço parte dos 90% que reclamam do Roberto Carlos, mas estranhariam se não tivesse o programa dele, apesar de não assistir. E também dos 90% que acham brega a música de fim de ano da Globo e cantam durante uma semana sem nem se darem conta do que estão fazendo. E também dos que ficam esperando o vidente da Fátima Bernardes dizer qual vai ser a cor de 2016 para usar na virada, apesar de não acreditar nessas coisas! 


Pensando bem, vou começar minhas metas com: ser menos previsível.

Comentários

Ediani Oliveira disse…
"Hoje é um novo dia de um novo tempo que começou" como chegar ao término do ano sem ouvir essa música? como não vestir a cor que o vidente indicou para a virada no programa da Fátima? impossível né. Que 2016 seja um ano de paz, amor, realizações, mas também de respeito e conscientização, juntamente com canções clichês e o especial do Rei.
Gostei dessa meta de não ser previsível, Clara. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …