Pular para o conteúdo principal

RETROSPECTIVA 2015 A.D. >> Albir José Inácio da Silva

Este foi mais um ano em que bárbaros atacaram a civilização em bandos famintos e raivosos.

No início com paus e pedras contra as lanças, escudos, flechas e catapultas dos gregos e romanos. Mas, ao longo das eras, as traições de aliados e os equívocos dos líderes facilitaram a aquisição de armas pela barbárie, que agora ostenta mísseis e fuzis.

O combate a essas hordas tem se mostrado ineficaz. Morrem aos milhares, mas brotam da terra como se feitos dela, com sua cor e abundância, surgem de todos os lados, indignados, como se fosse nossa a culpa pela miséria. E não se acabam por mais que os naufraguemos, escravizemos ou crucifiquemos.

A civilização luta para incutir a fé e civilizar o gentio, mas encontra resistência dos bárbaros e incompreensão de seus pares na hora de dividir despojos e territórios.

Foi assim no século passado quando nos arrependemos dos séculos de pogroms contra os "assassinos de Jesus" e saímos em defesa de nossos irmãos judeus que morriam aos milhões no holocausto nazista. Finalmente reconhecemos-lhes o título de guardiães de nossas mais caras tradições. Até bombas atômicas tivemos de usar. Mas nossos irmãos foram finalmente devolvidos a Canaã, não sem que antes precisássemos expulsar de lá os terroristas invasores.

Na verdade trata-se dos mesmos bárbaros que combatemos na Idade Média, quando nossos cruzados arrasaram cidades e nações hereges que se recusaram a devolver os lugares sagrados da nossa fé e precisaram ser exterminados a fio de espada. Pelo jeito, não aprenderam a lição.

Mas como combatê-los? Imaginam-se mártires pós-modernos com direito a quinze minutos de fama na Terra e setenta e duas virgens no Paraíso. Não lhes interessa a vida de fome, humilhações e assistindo massacres de irmãos. Se o inimigo quer a morte, como combatê-lo?

Na África também tem sido vão nosso esforço civilizatório.  Muitos deles nós trouxemos enquanto ainda eram coisas para dar-lhes trabalho, humanidade e salvação. Hoje espalham-se insubmissos, preguiçosos e apegados a suas crendices e cultos demoníacos. Nem mesmo serviram como mão de obra para construir o progresso da humanidade.

E agora chegam por vontade própria, refugiados fugindo da fome e da guerra. Invadem nossos países, disputam nossos empregos, sincretizam nossa crença. Ou então, formam grupos terroristas para atacar nossas cidades e atrair nossos jovens.

Para a maioria dos americanos, estamos perdendo a guerra contra o terror ou, como dizia Bush, contra o “eixo do mal". De nada adiantaram os esforços de nossos antepassados no combate à barbárie. E nuvens bárbaras continuam chegando e nos ameaçando por terra e mar. Legiões de terroristas disfarçados de famintos e moribundos infiltram-se em nossas cidades. Recrudesce a luta do bem contra o mal.

Em 2016, vamos continuar pregando a paz e combatendo, como Herodes, os guetos em que brincam na lama as crianças bárbaras, na tentativa de eliminar o mal pela raiz, para que não cresçam e se tornem adultos bárbaros, suicidas, que ameaçam explodir a inocência e a santidade da nossa civilização.

Comentários

Retrospectiva de toda a História, Albir. :)
Eu, apegado à esperança, creio que um dia poderemos fazer uma renovada retrospectiva.
albir silva disse…
Também me apego à esperança, Edu. É que 2015 não ajudou.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …