Pular para o conteúdo principal

ESQUISITO >> Carla Dias >>



But I'm a creep, I'm a weirdo,
What the hell am I doing here?
I don't belong here.
Da canção Creep, de Radiohead


Não, meu caro... Que essa coisa de sonhar alto, verbalizando querenças e planos, como se contasse uma história que jamais será a sua, não vai dar certo, não. Vão pensar que você é maluco, que merece uma vaga no hospício ou receita sem prazo de validade para usufruir tarja preta em ascensão. Haverá até os que oferecerão longas declamações de conselhos decorados durante uma vida sob a batuta da austeridade e da intolerância. Conselhos que seguiram à risca e os levaram a lugar nenhum... Ao menos no que diz respeito à felicidade.

Seu caminho pode se tornar mais tortuoso, menino, se você escolher alternativas que não constam nos testes de múltipla escolha. Com tantas escolhas disponíveis, por que escolher aquela que não está lá? Irão rotulá-lo ignorante por isso, pessoinha sem noção, intelectualmente preguiçosa, incapaz de compreender que um mais um é dois e pronto e acabou.

Mas você compreende, não? Até o “pronto e acabou” tem suas versões. É flexível.

Definitivamente, você vai seguir feito filho do inacabado, do incabível, do inviável. Do infinitamente instável. Talvez alguns venham a desejar escutar o que você tem a dizer. Porém, isso não significa que eles estarão dispostos a gastar tempo na compreensão do que você vê, sente e imagina para a sua vida e que, na singeleza da fração do que você representa nesse universo, se estende ao seu semelhante.

Está pronto para isso?

Levar a vida alimentando a incompatibilidade com o espaço reservado ao que em seu benefício foi previamente — quando mesmo? — estabelecido? Está pronto para as palavras saírem da sua boca e atingirem aos outros como se elas fossem um pedido explícito para ser ignorado? Até que sua existência seja encarada como desperdício de espaço. Até que você represente nada. Nem incômodo... Nada.

Quando restar a você somente o número do CPF para provar existência, e você tiver gritado todas as canções de dor e fúria. E tiver se explicado tantas vezes que nem mesmo você acreditará mais na verdade que defende, ao seu auxílio virão os de alma evoluída, oferecendo coaching existencial, dengos religiosos e abrigo emocional, por uma porcentagem pequenininha do salário que você ganha trabalhando quase vinte horas por dia e nunca é suficiente.

Então, você perceberá o bom e velho DANE-SE ressoar dentro de você, ocupando aquelas salas vazias, onde anteontem viviam as esperanças e as aspirações. E os sonhos... Eles viviam tão bem ali, não é mesmo? Eles o faziam sentir como se o futuro lhe reservasse todas as oportunidades.

Admira-me que, sabendo desse risco, você siga nessa insistência em ser quem é, sem remodelagem, somente sabedoria oriunda de cada tombo grandioso e pacatas conquistas. É bonito de se ver daqui, viu? Parece cena de filme preferido na repetição, gerando aquela sensação insubmissa de que a vida é justa, ainda que de um jeito cruel. Parece solitário daí, quando quase me coloco em seu lugar.

Você é estranho, mas de um jeito...

Às vezes, até que admirável. Mas, dia desses, alguém decidirá que dará ibope retratá-lo em artigo de revista sensacionalista. Você será rotulado mais algumas vezes em categorias onde jamais imaginou se enquadrar... Nas quais você definitivamente não se enquadra. Isso vai fazer com que se sinta um estrangeiro no seu próprio país. Sua alma vai reivindicar outro paradeiro, que não o seu corpo. Vai querer sair voando por aí, inspirada por garrafas de vinho barato que, vazias, servem de vasos para flores passarem seus últimos dias de vida. Você vai chorar e espernear. Tentará explicar que não, não é bem assim... Você não é isso, não. Como poderia?

Como pode?

Assistindo daqui, temo imensamente pelo seu destino. Daqui, admiro profundamente sua insistência em ser quem é... Essa coisa de sair de casa para ver o que o dia lhe reserva, aberto ao improvável, sem qualquer preconceito a respeito do novo ou da rotina, e totalmente respeitoso a quem se mostra sábio, até mesmo ao discursar sobre o que não conhece ou lhe agrada.

De repente, sim, você está pronto para isso. E eu serei quem se surpreenderá ao vê-lo sonhar alto, verbalizar querenças e planos, como se contasse uma história que jamais será a sua, mas que ainda assim o acolhe... Esse estranho e sua esquisitice de não temer ser quem lhe cabe, apesar do que e daqueles que o invejam e, por isso mesmo, querem destruí-lo, porque tentar compreendê-lo pode levá-los à conclusão de que sim, você vale o sonho realizado, o afeto conquistado, o respeito adquirido.


Imagem © Cena do filme Asas do Desejo (Der Himmel über Berlin)



Comentários

Carla, uma crônica assim, com esse "você", me faz sentir ainda mais um dos seus personagens. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... Vai saber ;)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …