Pular para o conteúdo principal

EVITE ACIDENTES >> Carla Dias >>

Tudo se intensifica nessa época do ano. Como sou da laia dos que não se importam muito com as comemorações, observo a correria como atenta espectadora.

Nas ruas, as pessoas andam mais afobadas e os carros cometem infrações ridículas que abrem espaço para acidentes nada ridículos. Ainda outro dia, eu aguardava o sinal ficar verde para atravessar a rua, e acabei assistindo a uma cena inusitada. O sinal ficou verde para os pedestres e dois policiais atravessavam na faixa, quando uma senhora deu três “soquinhos” com o carro neles. No primeiro, eles pararam em frente ao carro e pediram para que ela aguardasse sua vez. Então, vieram os outros dois. Eles a abordaram e a conclusão foi que ela simplesmente nem entendeu o que havia acontecido, de tão distraída que estava com outras coisas.

Vocês sabem que outras coisas não combinam com o volante, certo? O celular, por exemplo. A distração era tamanha que a senhora nem se deu conta de que o sinal estava fechado para ela e que duas pessoas, os policiais, atravessavam na faixa.

Tá bom... Você pode imaginar a cena e achar que a mulher queria mesmo era aporrinhar os policiais, por algum tipo de rancor que não há como sabermos qual. Mas eu estava lá e assisti a tudo de camarote. A mulher realmente se distraiu dessa forma absurdamente distraída.

Outra distração envolve caminhar pelas calçadas em todos os ziguezagues necessários para cumprir a agenda que, em dezembro, combina as tarefas de sempre com definir onde se passará as festas de final de ano e dar um jeito para comprar ao menos lembrancinhas para os afetos. Para os desafetos, lembrancinhas ainda mais bacanas, que é para eles ficarem incomodados com a gentileza-armadilha.

Durante a caminhada em ziguezagues, tropeçar no outro é inevitável. Esse tropeço, que já é natural em cidades grandes com muitos habitantes, intensifica-se no período, deixando um espaço menor para a boa e velha e quase saudosa educação.

Eu entendo a euforia em se preparar para um período em que a celebração seja a bola da vez. Celebrar é inspirador, deixa a alma da gente mais leve. Mas, assim como a criança fugindo das festas de fim de ano que fui, o que a adulta certamente herdou, eu realmente não entendo que, em meio a essa celebração, muitos se permitam ser mais vorazes na distração em momentos em que a atenção é determinante, e na deseducação no trato com o semelhante. O que sempre me afetou nesse quadro de celebração de Natal e Ano Novo é a contradição entre o que as pessoas dizem nesse momento e o que elas fazem durante o resto do ano.

Veja bem, eu desejo que a sua festa seja como você a imaginou, e as pessoas que você ama compareçam, trazendo abraços e beijos e, por que não, presentes. Que a casa esteja linda, que aquele tempo todo à beira de um fogão renda uma lembrança sobre delícias aos seus convidados. Que relacionamentos se refaçam diante de tão emocional passagem: um toque de religiosidade combinada à virada de um ano, que quase sempre tomamos como ponto de virada da nossa própria realidade. Quem nunca balançou as pernas ao se sentar à beira do abismo do esse-ano-a-minha-vida-vai-mudar que atire a primeira pedra. Eu não descreio dos bons sentimentos que chegam com a época. Apenas espero que eles não desapareçam como o calendário do ano passado, de tão subjugados eles andam pela distração — de quem vive o que não deseja, nem como deseja ou quando deseja — que tomará conta de vez do cenário já lá no dia dois.

Que as alegrias não se percam em convenções e inspirem as mudanças que, certamente, não acontecerão no pulo de um ano para outro. Muito do que há de mais importante em nossas vidas leva tempo para ser construído, cabendo aí nossos relacionamentos. Que não nos distraiamos deles, como quem quase atropela policiais, porque está mandando mensagem de texto enquanto dirige.

Que estejamos onde estamos e possamos aproveitar o que o momento nos oferece. Isso, definitivamente, evita acidentes, principalmente os existenciais.

carladias.com

Comentários

Adoro crônicas clássicas, que partem de um detalhe do cotidiano e vão lá no fundo da alma. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... Também adoro!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …