Pular para o conteúdo principal

DAS COISAS QUE EU NÃO SEI >> Clara Braga

Sempre quis saber o que os âncoras dos jornais conversam ao final do jornal, naquele momento em que aquelas letrinhas já estão subindo mas eles ainda aparecem no enquadramento conversando e rindo horrores com o microfone já cortado, sabe?

E quando a bancada não é de vidro e eles não têm que ficar em pé para dar nenhuma notícia, será que ficam arrumadinhos ou só mesmo uma boa bermuda com o chinelo?

E naquele The Voice, quando os jurados viram a cadeira para um participante que foi eliminado na edição anterior e eles dizem que lembram do cara, será que lembram mesmo ou já foram previamente avisados de tudo?

E sabe aquela banda que atrasa mais de uma hora pra entrar no palco? Pois é, está bebendo no camarim e rindo da cara de quem chegou cedo ou realmente são motivos de força maior, tipo: pegaram muito trânsito para chegarem ao local do show?

E logo depois do show, para onde eles vão? Saem para badalar ou só aguentam mesmo dormir?

E os fãs, como descobrem o horário do voo, o hotel onde vão ficar e os locais onde seus ídolos vão comer e ainda acabam faturando um monte de selfies?

E aqueles loucos que dormem nas filas dos shows para pegar um bom lugar, não vão ao banheiro mesmo ou usam fralda geriátrica? 

Bom, saindo da esfera dos shows, será que alguém poderia me dizer o que diabos fazem os recém-casados entre a cerimônia e a festa que demoram tanto para aparecer? É charme, fome ou sessão de fotos? Se for qualquer coisa íntima além disso, por favor não me contem, eu descubro quando casar. Já esperei tanto para saber que não me importo de esperar um pouco mais.

Agora, se tem uma coisa que me deixa intrigada, e essa sim, se alguém souber a resposta me conte com urgência, é comprar roupas. Por que as lojas mudam as formas das roupas? Você vai um mês comprar uma calça 40 e te serve, mas, no mês seguinte, a atendente te avisa: "Esta coleção tem as formas menores, se você veste 40, então vou pegar o 44 para você!" Qual a vantagem em fazer o consumidor se sentir mais gordo?

E outra coisa, onde se escondem as roupas tamanho normal nas lojas de departamento? Só tem 34 na arara? Você quer mesmo que eu acredite que, na primeira semana de lançamento da nova coleção, eu fui a última pessoa de toda essa cidade a ir procurar o meu número? E as pessoas que vestem 34 provavelmente andam peladas ou não existem, pois esse é o único tamanho disponível no mercado.

Falando em mercado, e o carinha da foto de funcionário do mês, será que ele recebe direito a recesso depois de ser considerado o melhor? Nunca fui atendida por um! Acho que a próxima vez que eu for às compras vou pedir para ser atendida pelo funcionário do mês, só para ver a cara de pânico das atendentes tentando não contar que, na verdade, a foto de funcionário do mês foi cortada e colada de uma revista.

Aliás, quem sabe a gente não descobriu o novo emprego do ano? Modelos vão passar a posar para fotos falsas de funcionário do mês para embelezar o ambiente! E falando em modelos, e as modelos super magras que dizem que comem de tudo, o que será que elas realmente comem? Ar? Aprenderam a fazer fotossíntese, talvez?

Enfim, são tantas coisas que ainda quero descobrir que dava para fazer Globo Repórter com as minhas dúvidas o próximo ano inteiro. Aliás, fica a dica, Globo, se estiverem precisando de roteirista, estou à disposição.

Comentários

Me diverti com suas curiosidades, Clara. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …