Pular para o conteúdo principal

O DIA EM QUE MORRI >> Carla Dias >>


Um dia como qualquer dia outro. Eu faço quase as mesmas coisas de ontem, anteontem. A rotina não me aborrece, dou-me bem com ela, mesmo quando ela exige que eu pratique o lidar com o que não me apetece.

O tempo se arrastando me aborrece, que mesmo quando ele abarca felicidade, perde o brilho na sofreguidão de ter de repetir lembrança para alimentar contentamento. É como se a minha memória sofresse de esquecimento. A felicidade desbotada, de tanto uso, desilude-me amplamente.

Há tempos não me perguntam sobre o que me faz bem. Eu mesmo perdi o talento de discursar a respeito. Perguntas fazem parte da minha lida, requintam minha existência. As respostas são uma centelha de fascínio, que minha alma mastiga por segundos, antes que ele se desvaneça.

Se me perguntarem, serei honesto ao responder que a minha história é de enredo sem pontos de virada. Pouco acontece na minha biografia e preencher o tempo é o que mais me dá trabalho. Há dias em que leio, em outros, eu caminho sem hora para voltar. Já aconteceu de eu me sentar em lugar qualquer e gastar tempo esperando o inesperado. Estava certo de que algo aconteceria e me exasperaria de tanta novidade. Horas depois, caminhei de volta para casa, o corpo necessitado de se deitar, o estômago zunindo fome.
Já me perguntaram sobre o dia mais importante da minha vida. Veja bem, que já são mais de quatro décadas de vida. Ainda assim, foi fácil responder: foi o dia em que eu morri. Não do jeito que você está pensando, tampouco de forma poética.

De antes desse dia, de nada eu me lembro. Dizem que eu era um rapaz engajado, acostumado às festas e celebrações, com fortes laços familiares. E amava a moça de três casas adiante da minha, que meu casamento era um acontecimento aguardado como costumava ser o Natal.

Então, eu morri.

Quando voltei, a morte havia roubado de mim a consciência sobre o que, até então, era importante para mim. Eu me tornei aquela tela em branco que as pessoas gostam de citar ao mencionarem recomeços. No meu caso, foi começo mesmo.

Desde então, a rotina me mantém no ritmo. Laços familiares e seus nós, conviver com quem não conheço, porque eles me conhecem e sabem quem eu sou e o que desejo... Se isso ainda fosse verdade, mas não.

Aos poucos, tornei-me esse fantasma vagueando pela cidade. Minha mãe ainda insiste, chamando-me filho, mesmo eu não atendendo. A moça com a qual casaria se mudou da cidade, que não suportou tal abandono.

Preencher o tempo ainda é um desafio. Imagino até quando, se haverá o dia em que, sem que eu perceba, haja uma história que seja a minha.

Imagem: Riding With Death © Jean-Michel Basquiat

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
uauauau, hein, D. Carla? QUE BELEZA de história, texto, tudo!
albir silva disse…
A gente rejeita a morbidez em princípio, depois vai reconhecendo o zumbi nosso de cada dia.
Carla Dias disse…

Zoraya... Obrigada, minha cara!

Albir... Exatamente...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …