Pular para o conteúdo principal

OS NOSSOS SANTOS >> Sergio Geia

Digo isso com a mais fina das convicções: se existe uma coisa de que brasileiro pode se orgulhar, essa coisa se chama futebol.

Tudo bem, eu também não esqueci aquela fatídica terça-feira, o hino nacional cantado a plenos pulmões, a rapaziada toda vestindo amarelo canarinho, pronta para empurrar nossa seleção pra cima dos branquelos que até outro dia mal sabiam jogar futebol, dominavam a bola com as canelas e só faziam gol de chuveirinho; a bola pipocando na nossa área, ziguezagueando na frente da nossa defesa, balançando a nossa rede, nosso time assistindo a tudo indiferente, só assistindo, uma beleza.

Está certo, meu amigo, não vamos ficar remoendo essa tragédia. Acho que não foi uma boa ideia começar falando de futebol. Mesmo porque eu não queria falar de futebol. Na verdade, eu só queria introduzir o assunto, entende? A gente faz assim: introduz o assunto com alguns derivativos, fica margeando, andando pelas beiradas, depois vai ao âmago. Eu só queria falar de algo que é orgulho para a Nação, afinal, somos pentacampeões do mundo ou não somos?

Esquece, vai. Vamos falar de vôlei. Lembro-me muito bem daquela partida memorável contra os Estados Unidos nas Olimpíadas de Los Angeles, em 1984. O Brasil massacrou os americanos na casa deles com um sonoro três a zero. Ficou claro que o Brasil tinha um time de respeito e foi ali que tudo começou. De lá pra cá são cinco medalhes olímpicas, duas de ouro, em Barcelona e Atenas; três de prata, em Los Angeles, Pequim e Londres. Cinco campeonatos mundiais, sendo três medalhas de ouro conquistadas na Argentina, Japão e Itália; e duas de prata conquistadas na Argentina e Polônia. Na Copa do Mundo o Brasil possui cinco medalhas, duas de ouro e três de bronze. Nos Jogos Pan Americanos nem se fala, são quatro de ouro, seis de prata e quatro de bronze. O feminino não fica atrás: nossa seleção é bicampeã olímpica. Ou seja, o vôlei é motivo de orgulho para nós brasileiros e não há como contestar, certo?

Além do vôlei, do futebol, temos o Guga, o Medina, o Sebastião Salgado, O Gil, a Gi, a Paola Oliveira, e tanta gente porreta em tantos segmentos que dá até pra escrever um livro só com o nome desses brasileiros cabras da peste. Só me incomoda a falta de brasileiros notáveis num segmento: se você chegar ao céu, amigo, vai sentir um estrangeiro num país inóspito; vai encontrar santidade de tudo quanto é lugar, menos do Brasil, o que é uma lástima. São mais de 10 mil santos e beatos católicos, e apenas um vestindo verdadeiramente a amarelinha.

Dizem por aí que temos três santos brasileiros: Madre Paulina, José de Anchieta e Frei Galvão. Tá, só que Amabile Lucia Visintainer, a Santa Paulina, nasceu na Itália ou na Áustria, depende do ponto de vista; José de Anchieta nasceu na Espanha e Frei Galvão nasceu em Guaratinguetá (ufa!). Mas o incrível é que até no segmento santidade nós conseguimos pecar, dando um jeitinho brasileiro de se apoderar dos santos dos outros.

No Brasil já ocorreram muitos milagres que produziram a canonização de muitos santos estrangeiros, vide Santa Madre Carmem Sallés ou Beata Jeanne Emilie de Villeneuve. Na nossa terrinha nascem milagres, mas santo que é bom mesmo, dessa terra não brota, ah, não brota! Algum palpite?

P.S.: Dia desses, na padaria, a mocinha serviu meu café acompanhado de um pote bojudo de açúcar. Santa Crônica “ACÚCAR!!!”.

Comentários

Como sempre digo amigo não basta ter o dom de fazer crônicas! Tem que ter muita coragem, muito boa a comparação e o Santo PELÉ que o diga, esse fez milagre como ninguém, Garrincha merecia uma Catedral, Bernard do vôlei uma estrela com o seu nome, Oscar do basquete nem se fala, kkkk, parabéns mais uma vez, para ser chamado o pais do futebol tem que ter craque brasileiro! Para ser chamado o pais mais católico do mundo tem que ter SANTO da casa. Grande abraço.
Zoraya disse…
Ei! Não seja tão exigente! Afinal, os referidos Santos podem ter nascido no exterior, mas se santificaram e fizeram milagres aqui. E bem estamos precisados de milagres mesmo. Divertido e escrito como o cabra da peste que vc é, rsrs.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …