Pular para o conteúdo principal

DISCURSO OU PERCURSO: QUAL É A SUA PEDAGOGIA? >> Paulo Meireles Barguil


Afinal, como o Homem aprende?
 
Nos primórdios, quando éramos poucos e vivíamos em bandos, aprendíamos o necessário na convivência: vendo, sentindo, ouvindo, falando, fazendo e registrando.
 
O desenvolvimento de habilidades acontecia com todo o corpo, num processo dinâmico e interativo.
 
Diante de um mundo repleto de mistérios, incertezas, belezas e ameaças, a Humanidade desenvolveu várias formas de interpretá-lo — Arte, Ciência, Filosofia e Religião — e expressar o elaborado.
 
Nessa jornada, ampliamos exponencialmente os nossos saberes, com algumas pessoas ocupando, em variados espaços-tempos, diferentes papeis na divulgação do sabido: ancião, pajé, professor, sacerdote...
 
O saber instituído nos possibilita poupar tempo e vida, mas, também, é capaz de nos privar de espaço, aventuras e descobertas.
 
O conhecimento pode ser usado para tentar nos controlar, sufocar ou nos convidar à expansão.
 
A realidade, contudo, não é apreendida diretamente pelo Sistema Nervoso Central, via informações recebidas pelos nossos sentidos, mas por intermédio de complexas atividades simbólicas.
 
Um signo é composto de significante — é de domínio público (por exemplo, o nome das letras, dos algarismos, das formas geométricas, das notas musicais...) e pode ser ensinado, em virtude da sua natureza arbitrária — e de significado — é constituído por cada pessoa (a compreensão e a degustação da sonoridade e do registro da Língua Materna, da Matemática, da Música...), num processo de mediação social, onde a atividade do sujeito é imprescindível.
 
As revoluções epistemológicas ocorrem em virtude do questionamento do estabelecido e da alteração da capacidade de divulgar, mediante variadas tecnologias, convicções.
 
A crença de que vivemos numa sociedade do conhecimento é inadequada, seja porque informação é diferente de conhecimento, seja porque toda a História da Humanidade é caracterizada pela dilatação da compreensão do Cosmos.
 
Há bem pouco tempo, tínhamos a certeza de que a Terra estava no centro do Universo! 
 
Acreditávamos, também, que ele era bem menor do que é.
 
Esse exemplo, para mim, ilustra bem o quanto ignoramos!
 
Admito: não são poucas as pessoas que ainda acham que o mundo gira ao seu redor...
 
O excesso de informação não é suficiente para transformar a qualidade da vida do Homem, pois ele tanto precisa acessar boas fontes, bem como dispor de tempo para empreender as mudanças, internas e externas, necessárias.
 
Acredito, até, que a enxurrada de estímulos tem efeito contrário ao desejado, pois, sem o devido cuidado, ela nos distancia da nossa conexão com o Cosmos.
 
Bruner acredita que existem duas formas de se entender a aprendizagem: o “computacionalismo” — o Homem, tal como um computador, processa informações, as quais se apresentam a ele num código linguístico compreensível — e culturalismo — o Homem, como um ser simbólico, interpreta os fenômenos do mundo a partir de sua singular constituição, fruto do que vivenciou. 

Essas concepções geram práticas educacionais, na escola e fora dela, antagônicas.
 
No “computacionalismo”, o discurso de quem sabe e o silêncio e a inércia de quem ignora são as características dessa pedagogia, que se baseia na crença de que os aprendizes são tábulas rasas, vazias, ou seja, desprovidas de movimentos, sonoridades, sentimentos e pensamentos — saberes. Dessa forma, o que eles são é inútil e deve ser jogado fora...
 
Na escola, é responsabilidade do professor fornecer aos estudantes dados — significantes — para que esses executem os comandos cerebrais pertinentes e aprendam. 
 
No culturalismo, o sujeito e a sua realidade são o ponto de partida, o que coloca todas as pessoas em relativa igualdade, considerando a singularidade de ambos — indivíduo e contexto. 
 
É no percurso, portanto, que a ação educativa, seja escolar ou não, acontece, com a transformação, em ritmos ímpares, de todos os envolvidos, que se percebem aprendizes e, também, ensinantes.
 
No contexto acadêmico, é atribuição do professor instigar e acompanhar, mediante atividades diversificadas, o desenvolvimento integral de cada estudante, pois a compreensão — significado — de um mesmo acontecimento é única, considerando a especificidade pessoal.
  
Nas últimas décadas, a distância entre as formas de se aprender, fora e dentro da escola, aumentou consideravelmente, pois as Novas Tecnologias da Informação e Comunicação ampliaram, em qualidade e quantidade, o conhecimento elaborado pelo Homem e a sua difusão.
 
A permanência de ritos seculares na escola tem contribuído para que ela seja, cada vez mais, para muitos de seus agentes, um ambiente desagradável, inútil e, por vezes, hostil.
 
Paulo Freire denunciou a Educação bancária — na qual o conhecimento é “guardado” em gavetas pelo estudante, após a transmissão acrítica dos conteúdos pelo professor — e defendeu uma Educação libertadora, problematizadora — o conhecimento é entendido pelo estudante na sua dimensão histórica, contemplando a sua construção e a sua importância, e elaborando sentido sobre o saber instituído.
 
Nos multiplicamos, conforme orientação divina, e ocupamos quase toda a Terra, embora, por vezes, sem a atenção necessária!
 
Movidos pela compreensão de que a nossa morada aqui é finita e pela ousadia que nos caracteriza, já vislumbramos a colonização de outros planetas.
 
Em síntese: a Humanidade aprende porque, diante de um Mundo apinhado de segredos, tem a coragem de perguntar e buscar respostas.
 
O conhecimento, portanto, é fruto da interação desencadeada por um problema, um desafio, a vida.
 
Esse processo dura o tempo necessário para se encontrar uma solução considerada satisfatória e pode ser retomado a qualquer momento, quando os seus limites são descobertos.

Que esse meu discurso inspire o nosso percurso...
 
[Vestígios atávicos depois da chuva — 1934. Salvador Dali — 1904-1989]

Comentários

Bom discurso sobre o percurso. :)
Ou bom percurso por meio do discurso. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …