Pular para o conteúdo principal

RUSIVEL E AS PASSEATAS >> Albir José Inácio da Silva

Bombardeado pelas recentes conclamações às passeatas, Rusivel sentiu nostalgia do que não viveu. Ou melhor, viveu, mas não como queria. Não como protagonista.

Nada boas as lembranças dessas manifestações. Tudo o que sabia de política naquele início dos setenta, quando cruzava o centro do Rio como office-boy, vinha do sussurro das ruas ou dos fardados comunicados oficiais.

A princípio olhava com curiosidade os cabeludos e as mocinhas, tão jovens ainda para ser bandidos, que desafiavam cargas de cavalaria, blindados e baionetas, em meio às nuvens de gás. Por que não estavam na praia ou no cinema naquela tarde linda?

Eram terroristas. Sabia deles pelas manchetes, pronunciamentos na televisão, e já tinha visto os cartazes de “procura-se” na Central do Brasil.

Parece que foi ontem, as bombas explodindo na Rio Branco. Barbudos e descabeladas passam correndo com lenços, blusas e até saias cobrindo o nariz. Cavalaria vai pelo asfalto e soldados pela calçada. Sai fumaça do bueiro e Rusivel sente a garganta fechar, segura o pescoço e encosta na porta de uma loja, a essa altura abaixada.

- Corre garoto, vai embora daí! – grita a vendedora pela grade. Mas ele não consegue se mexer, nem respirar.

Dois soldados se aproximam, um traz o fuzil com baioneta e o outro um cassetete. O do cassetete pega Rusivel pela camisa e levanta a mão armada. Reunindo forças e oxigênio, nosso herói tenta falar:

- Eu sou... eu sou... – como a voz se recusa, ele puxa a carteira profissional no bolso de trás.

- Pra mim você é um merda! – responde o soldado. – E olha o que eu faço com isto! – rasga a carteira em duas e joga no chão.


Rusivel tem uma crise, tosse, engasga, fica vermelho e sacode o corpo em convulsões. Isso parece acalmar o soldado que o segura. O outro grita:

- Larga esse lixo, que ele ainda morre na tua mão com as pessoas olhando!

O soldado larga, mas dá duas botinadas e três golpes de cassetete. Rusivel se arrasta de quatro pela Treze de Maio e foge aproveitando os tapumes da obra do metrô.

Não preciso dizer que ficou traumatizado. Tiros, bombas e soldados o assustavam até em filmes da televisão. Manteve-se distante desses movimentos por décadas. Não tomou conhecimento de “diretas já”, “fora Collor”, “black blocks” e coisas que tais.

Mas isso são águas passadas. Rusivel se recuperou dos pesadelos políticos e o Brasil também. O Brasil já pode suportar manifestações contra e a favor porque a democracia está amadurecida pelo mais longo período de normalidade institucional da sua história.

Agora, ao ouvir os televisivos convites para a manifestação - não os pichados em muros durante a madrugada ou em panfletos mimeografados - Rusivel sente brotar o patriotismo, começa a entender a democracia e cantarola o hino nacional.


(Continua em 15 dias)

Comentários

Zoraya disse…
que coisa, Albir, fazer a gente esperar! Onde vc arranjou "Rusivel"? Bom demais!
Anônimo disse…
Legal

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …