quinta-feira, 30 de abril de 2015

AH, O EXCESSO DE RECLAMAÇÃO >> Mariana Scherma

Eu acredito que, todo dia, quando acordamos escolhemos se vamos ser bons ou ruins, bem-humorados ou totalmente mal amados e, desse jeito, podemos melhorar ou piorar um bocado o dia dos outros e o nosso mesmo. Talvez essa escolha não seja assim tão óbvia e, quando você se der conta, já está fazendo chateações ou bondades. Mas todo mundo pode se controlar, não?

O texto de hoje é inspirado em duas senhoras que fazem hidroginástica no mesmo horário em que faço natação. Nós dividimos o banheiro e a cada dia fico mais pasma com a opção pra chatear que elas escolheram. Se a vida fosse uma novela, elas seriam a Carminha da ruindade. Se a vida fosse um filme, elas seriam o Pinguim do Batman, e por aí vai. O primeiro sinal que elas mandaram de que não eram lá essas flores foi quando reclamaram na recepção da academia de que outra senhora ocupava um banco todo com sua bolsa e roupas enquanto se trocava. Não seria mais fácil resolver pedindo um espacinho no banco? Sei lá, eu resolveria assim ou mudaria de banco. Depois, as mesmas duas sujeitas reclamaram de outra fulana que não era nem da natação nem da ginástica mas usava o banheiro das piscinas. Oi? O banheiro é delas? Por que tanta reclamação?

O ápice foi quando, num dia frio, depois da hidro, o banheiro estava congelante e elas saíram deixando o ventilador ligado, pra esfriar um pouco mais para as outras alunas que vinham na sequência. Eu, inclusive, que fui desligar o bendito ventilador. É muita ruindade. E eu fico incomodada como algumas pessoas ficam matutando o que fazer pra piorar a vida alheia. Minha mãe sempre me ensinou que o que vai volta. Eu tenho um pouco de medo de quando as coisas voltarem pra elas. Ou talvez já tenha voltado, porque elas chegam todo dia com cara de quem chuparam limão misturado com água sanitária.

A última das fulanas evil foi reclamar tanto de um professor que, hoje, depois de dar uma aula, ele se despediu da gente, avisando que era o último dia por lá. Por coincidência, a fulana mais briguenta não foi hoje. As outras alunas estão todas chateadas porque, na próxima aula, ela vai se sentir uma vitoriosa. Mas duvido um pouco de que pessoas tão reclamonas sosseguem em algum momento. Muito em breve o problema delas será outro aluno ou professor. Sim, porque pessoas que reclamam demais têm esse problema grave de cegueira: não veem que a origem de tudo está nelas mesmas, poxa. Às vezes, se o mundo inteiro está contra você, talvez seja melhor ficar a favor do mundo.


Partilhar

Nenhum comentário: