Pular para o conteúdo principal

MANIFESTO EM FAVOR DO AUMENTO DA MAIORIDADE PENAL >> Whisner Fraga

Não sei se é correta a estimativa de que apenas 0,5% da população de 12 a 18 anos cometeu crimes em 2011. Uma pesquisa na Internet não permite que se decifrem esses números. Também não consegui saber se procede a estimativa de que 70% dos presos são reincidentes. Então não vou falar de números aqui, mas sim de fatos. Parece-me, para começar, que ninguém hoje mais duvida da superlotação de nossas prisões. E parece também ser mais ou menos consenso que as cadeias são as melhores escolas para bandidos.

Daí que querem colocar um adolescente junto de adultos, dividindo a mesma cela. Isso diminuirá a violência em nosso país? Certamente que não. Isso posso afirmar, porque li alguns estudos realizados em países de primeiro mundo que chegam a essa conclusão. Estudos convincentes, com dados concretos. O brasileiro em geral, que tanto gosta de se achar inferior ao resto do mundo, deveria analisar algum deles. E seguir um exemplo de tendência mundial: a de manter a maioridade penal em 18 anos.

Sim, eu entendo perfeitamente a dor de uma pessoa que teve um amigo ou mesmo um familiar vítima de um adolescente. Mas também entendo a dor dos amigos e familiares dos mais de vinte adolescentes e crianças que são assassinados todos os dias no Brasil. Para reeducar os infratores e tentar reinseri-los na sociedade, nossos legisladores criaram, em 1990, o ECA. Deveria ser leitura obrigatória para todos. Todavia, o executivo não concedeu as condições para que o ECA fosse, de fato, executado até hoje. A Fundação Casa, por exemplo, que deveria ser, como se autointitula, um centro de atendimento socioeducativo ao adolescente, nada mais é do que uma prisão disfarçada. Todos são vítimas: algozes e presas.

Quem são os jovens infratores? Em sua maioria cidadãos vulneráveis, que não têm acesso aos direitos básicos para viverem uma vida minimamente digna. Por que então o Estado não investe para que esses meninos experimentem o sentimento de respeito e valorização? Somente a educação pode mostrar a esses jovens que esse ciclo vicioso da banalização da violência deve acabar, que não tem sentido. Mas uma educação de qualidade, aquela emancipadora.

E é preciso que o Estado garanta o acesso e a permanência na escola desses cidadãos. O que significa transporte, comida e outros materiais. Isso, evidentemente, custa caro. Uma cadeia superlotada sai muito mais em conta, óbvio. E aprovar a redução da maioridade penal é um meio que os políticos encontraram de engambelar o povo: quando descobrir que a violência continua, já terá reeleito muito deputado e governador por aí. Quando perceber que deu carta branca para a polícia atuar mais violentamente, não poderá voltar atrás. O leite já terá sido derramado.

Comentários

albir silva disse…
Ótimas as suas reflexões, Whisner! Mas temo que a sede dos nossos legisladores medievais não se aplaque com a prisão de crianças. Querem penas cruéis, torturas, julgamentos sumários pelo próprio agente, apedrejamentos e fogueiras do santo ofício.
Carla Dias disse…
Pois é, Whisner... Uma pena que leis impactantes - e no sentido mais sensacionalista impossível - têm tomado o espaço das que pedem por tempo e observação. É uma decisão panfletária, não baseada em justiça e direitos.
whisner disse…
Albir e Carla, temos acompanhado cotidianamente assassinatos por motivos fúteis. E muitas vezes aqueles que deveriam nos defender estão envolvidos. A legislação só piorará essa situação.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …