sábado, 18 de abril de 2015

QUARTO DE BONECA >> Sergio Geia

Justin abraça um violão preto. Mas o que me chama a atenção mesmo é uma menininha de roxo, bumbum arrebitado, sentada num carrinho de bebê — a imagem é meio turva, eu não enxergo direito. Não. Não dá. Fere a lógica. Naquela posição, não. Sem contar o carrinho. Já teria descido. Espatifado rua abaixo. A artista desprezou as leis da física. Mas tudo bem.

Antes o problema fosse esse. Tudo bobagem. Bobagens. Como bobagem é a imensidão rosa que me cerca. Um quarto de boneca. Um quarto de boneca que me abriga temporariamente. Mas o que importa são as páginas, as páginas visitadas. Ou revisitadas. Não. Isso não importa. Quer dizer, isso é o que importa, mas o que eu estava pensando no momento não é no que importa, mas no problema que reduz acentuadamente o problema do quarto de boneca. Essas batidas. Essas batidas irregulares, fora de hora, que martelam os miolos.

São dez e vinte e seis. Da noite. Uma noite mais fria que as últimas, véspera de um feriado qualquer. Debaixo do cobertor, eu tento voltar às páginas, ao que realmente importa. O artista fala do mar. E de um homem. Um homem e o mar. Que combinação! De sua varanda, ele observa. O homem está a nadar. A primeira vez que deixei meus olhos deitarem na imagem foi em Ubatuba. E me apaixonei. Naquela costa, mar lindo é o que não falta. Bom lugar para se apaixonar. Agora, de novo. Mas não há mais o mar, nem o homem; cá está outro homem, não com suas braçadas pausadas e fortes, mas com suas marteladas, não tão pausadas, mas fortes de arrancar os miolos. A sensibilidade que se multiplica em um, tão ausente noutro.

Eu desvio o olhar por um instante. Volto para Justin. Para o violão. Para a menina de roxo que, apesar do perigo, mostra os dentes numa alegria tipicamente juvenil. Penso em desligar as páginas. Em ligar a música. Em me desligar. E desligar a visão do quarto rosa, do quadro da menina, da fotografia do Justin, das bonequinhas perfiladas que agora, só agora, percebo sobre a mesa. Mas ligaram a furadeira. Ou será uma cortadora de cerâmica?

 O vento é nordeste e pequenas espumas nascem e somem. O homem lá. Nadando. Sem imaginar que alguém, de sua varanda, o observa serenamente, encantado com os movimentos. Sem imaginar que alguém de longe, de muito longe, o imagina flutuando em águas macias, solitário, na bela tarde de sol emoldurando uma praia deserta. Não. Aí eu não sei. O escritor não falou. Falou que o sol resplandecia. Que não havia ninguém na praia. Que o vento era nordeste. Que as espumas nasciam e sumiam. Mas não falou se era uma manhã ou uma tarde de sol.

Não importa. O que importa é que a imagem que eu formo nesta noite fria de marteladas e afins é a imagem de uma tarde de sol. E basta. Não. Não basta. Na verdade, imagino o fim de uma tarde de sol, o vento crispando as ondas, o homem lá, a nadar, a cumprir a sua missão, o seu destino, destino de personagem e autor de sua própria história, personagem real das histórias do mundo. E da minha história.

São dez e quarenta e um. Ao som que gostaria fosse o do mar, das ondas que vem e vão, do nordeste a sacudir folhagens, mas não é, eu desligo. Desligo as páginas. O Justin. A menina. A visão do quarto de boneca. Ou tento.

 


Partilhar

Um comentário:

Zoraya disse...

Que crônica mais onírica, Sergio. Gostei imenso! Bjs