Pular para o conteúdo principal

QUARTO DE BONECA >> Sergio Geia

Justin abraça um violão preto. Mas o que me chama a atenção mesmo é uma menininha de roxo, bumbum arrebitado, sentada num carrinho de bebê — a imagem é meio turva, eu não enxergo direito. Não. Não dá. Fere a lógica. Naquela posição, não. Sem contar o carrinho. Já teria descido. Espatifado rua abaixo. A artista desprezou as leis da física. Mas tudo bem.

Antes o problema fosse esse. Tudo bobagem. Bobagens. Como bobagem é a imensidão rosa que me cerca. Um quarto de boneca. Um quarto de boneca que me abriga temporariamente. Mas o que importa são as páginas, as páginas visitadas. Ou revisitadas. Não. Isso não importa. Quer dizer, isso é o que importa, mas o que eu estava pensando no momento não é no que importa, mas no problema que reduz acentuadamente o problema do quarto de boneca. Essas batidas. Essas batidas irregulares, fora de hora, que martelam os miolos.

São dez e vinte e seis. Da noite. Uma noite mais fria que as últimas, véspera de um feriado qualquer. Debaixo do cobertor, eu tento voltar às páginas, ao que realmente importa. O artista fala do mar. E de um homem. Um homem e o mar. Que combinação! De sua varanda, ele observa. O homem está a nadar. A primeira vez que deixei meus olhos deitarem na imagem foi em Ubatuba. E me apaixonei. Naquela costa, mar lindo é o que não falta. Bom lugar para se apaixonar. Agora, de novo. Mas não há mais o mar, nem o homem; cá está outro homem, não com suas braçadas pausadas e fortes, mas com suas marteladas, não tão pausadas, mas fortes de arrancar os miolos. A sensibilidade que se multiplica em um, tão ausente noutro.

Eu desvio o olhar por um instante. Volto para Justin. Para o violão. Para a menina de roxo que, apesar do perigo, mostra os dentes numa alegria tipicamente juvenil. Penso em desligar as páginas. Em ligar a música. Em me desligar. E desligar a visão do quarto rosa, do quadro da menina, da fotografia do Justin, das bonequinhas perfiladas que agora, só agora, percebo sobre a mesa. Mas ligaram a furadeira. Ou será uma cortadora de cerâmica?

 O vento é nordeste e pequenas espumas nascem e somem. O homem lá. Nadando. Sem imaginar que alguém, de sua varanda, o observa serenamente, encantado com os movimentos. Sem imaginar que alguém de longe, de muito longe, o imagina flutuando em águas macias, solitário, na bela tarde de sol emoldurando uma praia deserta. Não. Aí eu não sei. O escritor não falou. Falou que o sol resplandecia. Que não havia ninguém na praia. Que o vento era nordeste. Que as espumas nasciam e sumiam. Mas não falou se era uma manhã ou uma tarde de sol.

Não importa. O que importa é que a imagem que eu formo nesta noite fria de marteladas e afins é a imagem de uma tarde de sol. E basta. Não. Não basta. Na verdade, imagino o fim de uma tarde de sol, o vento crispando as ondas, o homem lá, a nadar, a cumprir a sua missão, o seu destino, destino de personagem e autor de sua própria história, personagem real das histórias do mundo. E da minha história.

São dez e quarenta e um. Ao som que gostaria fosse o do mar, das ondas que vem e vão, do nordeste a sacudir folhagens, mas não é, eu desligo. Desligo as páginas. O Justin. A menina. A visão do quarto de boneca. Ou tento.

 

Comentários

Zoraya disse…
Que crônica mais onírica, Sergio. Gostei imenso! Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …