Pular para o conteúdo principal

PROTEÇÃO E CRESCIMENTO: DO CONTROLE À ENTREGA >> Paulo Meireles Barguil


Bruce Lipton, em Biologia da Crença, explica que a célula tem dois movimentos principais: proteção e crescimento.
 
No primeiro, ela foge de tudo que acredita ameaçar sua existência. No segundo, ela vai ao encontro do que julga propiciar a continuidade da sua vida.
 
Conforme esse biólogo, esses mecanismos não podem funcionar ao mesmo tempo. Em determinado momento, portanto, a energia da célula só pode ser direcionada ou para se defender ou para crescer.
 
Por ser o Homem composto de trilhões de células, Lipton defende que esse princípio também acontece em nós.
 
Diante de um mundo repleto de mistérios, é natural que o Homem tenha medo, o qual, em doses moderadas, contribui para que ele reflita sobre os diversos aspectos da realidade e objetive tornar a sua existência mais segura e satisfatória.
 
De modo simplificado, as crenças são frutos de experiências — nossas e/ou de outras pessoas — as quais geram sentimentos e pensamentos.
 
O centro da nossa existência são os sentimentos. É a partir deles que escolhemos as atividades que irão, quase sempre, confirmá-los.
 
As nossas emoções desagradáveis são, basicamente, medo, vergonha, raiva e tristeza. Enquanto as agradáveis são, respectivamente, coragem, segurança, amor e alegria.
 
O controle é a atitude de alguém que tem sua vida guiada pelas emoções desagradáveis.
 
A entrega é o comportamento de quem se orienta pelas emoções agradáveis, a qual não pode ser confundida com submissão e rendição, mas como aceitação e gratidão de tudo que a vida lhe oferece, potencializando a sua ação no mundo com foco no outro e não na sua satisfação pessoal.
 
Quando alguém sente — leia-se, acredita — que um ambiente, um acontecimento, um indivíduo é hostil, sua energia é prioritariamente alocada para a sua segurança.
 
Penso que, de modo geral, uma pessoa ansiosa é medrosa, insegura. Ela não acredita que é capaz de resolver, da forma possível, as situações que poderão aparecer — ou seja, não confia em si e, consequentemente, nas outras pessoas, bem como no poder do Amor — por isso tenta, inutilmente e compulsivamente, controlar o mundo, que, na sua fantasia, existe para atender os seus caprichos.
 
Qualquer sombra, cheiro ou som diferente que, de alguma forma, lembre algo que tenha gerado frutos desagradáveis no passado, pode acionar o seu instinto de lutar ou fugir, propiciando-lhe, se optar pela segunda, se afastar rapidamente do suposto perigo.

Após cada ocorrência, seu temor aumenta e confirma a sua crença de que ela precisa realmente estar sempre alerta. Suas sensibilidade e resposta — corporal e verbal — tornam-se cada vez mais rápidas!
 
Não é difícil imaginar o resultado disso após alguns anos...

Outra possibilidade de uma pessoa ansiosa é alguém que deseja muito vivenciar algo e que, por vários motivos, ainda não aprendeu a esperar, o que não significa que ela nada pode fazer, mas que precisa compreender que o mundo não funciona no ritmo do nosso desejo.

A nossa interpretação do mundo, que se expressa em ações e discursos, tende a confirmar as nossas emoções, as quais não podem ser extirpadas, apenas transmutadas, se forem identificadas, num processo lento e fascinante.
 
Creio, contudo, que os nossos sentimentos podem ser sufocados ou negados, mas continuam dirigindo a nossa vida...
 
As consequências dessa repressão são nefastas, pois só ampliam a ebulição desse caldeirão!
 
O aumento exponencial, em todo o mundo, das doenças de natureza psicológica confirmam o equívoco e o perigo dessa atitude.
 
O medo, portanto, impulsiona a pessoa a, de um lado, querer controlar, vigiar tudo que lhe cerca, e, do outro, a se isolar.
 
Essa afirmação, caso proceda, não é suficiente para mudar quem deseja, pois a dinâmica entre ação, sentimento e pensamento é muito poderosa e sutil, conforme atestam as descobertas das últimas décadas quanto à composição química do Homem, que revelam, aos poucos, o intrincado funcionamento das glândulas e o impacto de seus respectivos hormônios na qualidade da vida dele.
 
É importante compreender e aceitar que os aspectos motores, afetivos, cognitivos e espirituais são intimamente relacionados.
 
O desafio, portanto, de cada um de nós é, a cada segundo, migrar da hostilidade à hospitalidade!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …