Pular para o conteúdo principal

AQUELAS PERGUNTAS >> Carla Dias >>


Pergunte-se para analisar o que de fato você pensa. Porque questionar o outro é muito mais fácil, ato que, basicamente, sofre de fluência. Aprenda a se questionar, mas não somente em relação aos tropeços mais comuns, necessários para o aprendizado vital de qualquer ser humano.

Faça a si perguntas que você não consegue imaginar ter de responder. Aquelas que, geralmente, definem o que ocorre ao outro, não a você, o que, também com certa frequência, não é verdade. Pergunte-se para responder sem rede de proteção ou máscara.

Você acredita que Deus é responsável pelos seus atos? Por todos eles? Que, então, ele é autor da forma como você se veste e do tipo de comida que você consome, assim como das escolhas que, detentor do livre-arbítrio, você faz?
O quanto poderia influenciar a sua existência, a sua história de vida, o fato de outro ser humano viver o amor com alguém do mesmo sexo? Ou mesmo o mais puro e prazeroso sexo com alguém do mesmo sexo? Até mesmo constituir família, criar filhos? Filhos com dois pais? Filhos com duas mães?

Você realmente deseja que determinada pessoa morra, de preferência de forma trágica e lenta, porque ela definitivamente merece sofrer, já que, de acordo com o grupo de amigos, os familiares ou mesmo os telejornais, ela não faz mais do que prejudicar um sistema que, por si só, não funciona.

Há coisas que aprendemos muito cedo. Vou falar do meu aprendizado, que só ele eu posso defender, lapidar e compartilhar. O fato de eu ser uma pessoa e ter o direito de dizer tudo o que me der na telha, definitivamente depende do meu bom senso. Quando menina, até a adolescência, Deus tinha um poder inigualável na minha vida. Tudo eu fazia era em nome dele e por gosto dele... De acordo com o que o padre dizia. Até o dia em que me dei conta de que ok acreditar e respeitar Deus, mas era irônico não pensar por conta, já que ele tinha me dado o livre-arbítrio. A partir daí, a ficha caiu: Deus não é responsável por tudo o que faço. Há coisas que são minhas, e apenas minhas. Escolhas que faço não por religiosidade, mas por gosto, por necessidade, por desejo de aprender.

Sendo assim, não, eu não coloco na conta de Deus os meus débitos, as consequências oriundas das minhas escolhas. A partir daí, ficou ainda mais claro para mim que quem humilha e fere; quem faz guerra em nome de Deus, não tem coragem de pagar a própria conta.

Eu fui criada para pensar a família de um único jeito. Ao mesmo tempo, minha família sempre foi um pouco mais ampla. Cresci com tios e tias e um monte de primos e primas. Tias que me consideravam filha e eu considerava mães, sem tirar o cargo da minha, obviamente. Primos e primas que foram criados no mesmo quintal, com aquele tom de irmandade. No final das contas, éramos todos pais e filhos e irmãos, e às vezes as funções se misturavam.

Aprendemos que, antes de tudo, estava o respeito pelo outro. E aprendemos a duras penas, que nem tudo aconteceu na plenitude da paz. Mas foi assim que compreendi que o amor é independente, faz suas escolhas. Por isso temos amigos que consideramos irmãos, por exemplo. Para mim, em um mundo caótico como o nosso, e pontuado pele egocentrismo, não há como não endossar a canção: qualquer maneira de amor vale a pena.

Então, por que condená-lo? Apenas por ele não estar de acordo com o que aprendemos a reconhecer assim, no rastro do imediato? Será que não está claro que a vida é mudança constante, mesmo quando sentimos que não estamos saindo do lugar? O amor entre duas pessoas não deveria ser considerado ofensa. Duas pessoas do mesmo sexo se tornarem pais ou mães de uma criança que, sem esse acolhimento, teria uma vida de privações sociais, físicas e emocionais, não é ofensa. Então, por que muitos se ofendem? Por que ensinam suas crianças que ser filho de dois pais ou duas mães é feio, um pecado? Por que a violência?

Incomoda-me, profundamente, o fato de não nos importarmos mais se o que dizemos é completamente contrário ao que desejamos a nós mesmos e aos nossos afetos. Por que para o outro é diferente? Tornou-se extremamente fácil declarar que a morte do outro seria a solução para todos os problemas. Quais problemas? E não digo que eles não existam, apenas percebo que a maioria de nós nem mesmo parou para refletir sobre o motivo de eles existirem. Os xingamentos, a falta de educação escancarada, o despreparo para oferecer resposta à pergunta fundamental para qualquer tipo de batalha que você escolha encarar: por quê?

São apenas algumas perguntas que evitamos responder sinceramente, e que precisam dessa honestidade, porque é muito fácil se tornarem preconceito, desmerecimento, violência. Obviamente, há outros questionamentos tão complexos e difíceis para enfrentarmos. Por isso, ou começamos a obter respostas honestas para essas perguntas; respostas desapegadas de todas as manobras emocionais e culturais com as quais fomos criados e educados, ou nos tornaremos uma geração de hipócritas, de adultos agindo como crianças fazendo birra, porque não ganharam o presente que queriam de Natal.

Imagem: The Hand (The Remorse of Conscience) © Salvador Dalí

carladias.com

Comentários

Matheus Resende disse…
Carla, gostei bastante de sua crônica,
uma reflexão muito importante
sobre nossos atos no cotidiano,
e principalmente sobre questionamentos
que, na maioria das vezes,
nos esquecemos deles ou não pensamos
em momento algum fazê-los a nós mesmos,
apenas o apontamos aos outros.
Carla Dias disse…
Matheus... Isso mesmo. Vamos pensar e questionar, assim teremos certeza de que estamos fazendo a melhor escola. E isso vale para todos os aspectos da vida. Abraço!

Maria Cláudia... Grata :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …