Pular para o conteúdo principal

FALANDO BRASÍLIA >> Clara Braga

Esses dias assisti a um programa no youtube que faz muito sentido para as pessoas que são de Brasília, principalmente as que foram crianças e/ou adolescentes em Brasília. O programa chama Embaixo do Bloco, e entrevista brasilienses nesse local que um dia já foi tão frequentado, os pilotis dos blocos residenciais.

Filmes que mostram Brasília como paisagem acabam falando, também, dessa prática dos brasilienses, é só assistir ao filme Somos tão Jovens, por exemplo, que você vai ouvir alguém reclamando do fato de não ter nada para fazer na cidade a não ser ficar embaixo do prédio tocando violão. Ou seja, Deus abençoe os prédios, muita banda boa surgiu desse “problema" de não se ter nada para fazer.

Hoje em dia, tenho escutado muito algumas pessoas dizerem: "há muito tempo não aparece uma banda boa em Brasília" (o que eu discordo completamente) e "há muito tempo que não se vê grupos de pessoas reunidas embaixo do bloco” (o que é a mais pura das verdades). As explicações são muitas, entre as mais famosas estão: os jovens de hoje são alienados, não brincam mais em grupos, brincam apenas em seus tablets e celulares; ou então: as ruas estão muito perigosas, não dá mais para ficar brincando por aí! Realmente, as ruas estão mais perigosas do que eram antigamente, e isso, entre outros tantos motivos, fez com que as pessoas parassem de reclamar do bloco e passassem a dizer: Brasília não tem nada para fazer, só ir ao cinema ou sair para comer. Bom, só aí já são duas opções! Sim, eu sei que não se compara com a agenda cultural de São Paulo e Rio de Janeiro, mas Brasília já tem tido até carnaval!

Em questão de programação e opções, brasília tem melhorado muito, o problema é que tudo que chega aqui é muito caro, difícil encontrar opções super acessíveis. Então, acabamos ficando em casa mesmo, já que o bloco é perigoso, os locais caros e a internet ainda contribui colocando a nossa disposição programas que permitem que a gente assista à filmes recentes de graça.  

Mas não podemos esquecer que a nossa cidade tem uma arquitetura privilegiada, que nos permite ocupar espaços amplos, com muito verde e, o melhor, de graça! Adorei a iniciativa do programa, faz a gente revisitar algo que faz parte da identidade cultural da nossa cidade e que deveria se tornar um hábito novamente. Quem sabe novas bandas não surgiriam? Acho que se a gente seguir os famosos conselhos que toda mãe dava - não volte tarde; ande sempre em grupo, nunca sozinha; não vá em grupos só de mulheres e etc -  vamos minimizar o perigo. E sim, minimizar é o suficiente, afinal, nunca sabemos o que vai acontecer com a gente, seja embaixo de um bloco, dentro de um restaurante ou na sessão de cinema.

Comentários

Ana Luiza Aguiar disse…
Excelente esse texto retratando a grande realidade de Brasília, que pode ser utilizada como exemplo de diversas cidades no mundo todo! Atualmente, as pessoas privilegiam somente meios eletrônicos para se divertir, esquecendo-se que sua cidade, por exemplo, pode guardar lugares simples, mas que se utilizados com devidos cuidados e com boas intenções se tornam super agradáveis. Entretanto, são mencionados no texto acontecimentos que privam as pessoas de saírem de suas casas para "curtir" uma noite em uma pracinha da cidade já que elas podem ser assaltadas ou sofrer qualquer outro ato ilegal.
A questão é que aos poucos, Brasília,por exemplo,está mudando e iniciando novas programações que fazem parte da sua identidade cultural.
No texto é bem evidente que novas atividades podem e vão ser feitas para que a diversão na cidade não acabe, além de nos transmitir a ideia de que se reduzirmos pequenas ações que podem gerar consequências negativas, o passeio na própria cidade pode se tornar a melhor opção.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …