Pular para o conteúdo principal

É DA MINHA NATUREZA >> Carla Dias >>


É da minha natureza ir para a cama às nove da noite só porque começou a chover, já que música de chuva caindo é a minha preferida. Beber café fresco crendo que assim combaterei nó na garganta. Alimentar esperança, mesmo quando corpo e alma estão tomados pela urgência do tempo e a demanda das mágoas.

É da minha natureza torcer pelo outro, celebrar vitórias alheias. Às vezes, eu me desvio, sofro de ataque de pânico existencial e acabo por cometer injustiças emocionais. Porém, é da minha natureza assumir os meus erros. Raramente alguém precisa me apresentar evidências, porque também é da minha natureza cobrar a mim mesma com todo requinte de autocrítica.

É da minha natureza receber os amigos para o almoço, e digo com certo pesar, que também é da minha natureza me ausentar da presença deles por longos períodos. Perfumar a casa com incenso, não faltar aos compromissos, ser grata mesmo quando a gratidão não se aplicaria. Grata por aprender com a vida.

É da minha natureza ser completamente apaixonada pelos meus sobrinhos. Já fui zombada de tudo quanto é jeito e por diversos motivos. Só que se deu mal quem tentou fazê-lo usando a carta do “ficou pra tia”. É que fiquei pra tia, com o maior gosto, de quatro meninas e quatro meninos, que desde o nascimento deles vêm me ensinando que é da natureza da vida acontecer sem nos dar satisfações, e que há verdadeira beleza nisso.

É da minha natureza optar por me recolher, mesmo em dias em que o espírito berra suas querenças, solicita companhia. Mas também sei que é da minha natureza ficar descompensada quando não consigo dizer o que diria, sem problemas, em um bilhete. Às vezes, pode parecer que sou meramente geniosa, mas a verdade é que não conseguir expressar o que penso falando, mas certamente conseguir fazê-lo escrevendo, leva-me a revisitar abismos com frequência.

É da minha natureza não levar muito tempo para perceber quando eu disse bobagem, e de tentar consertar o feito de alguma forma. Nem sempre o reparo é possível, daí que é da minha natureza não me esquecer de quem se esqueceu de mim por um bom motivo.

É da minha natureza escutar música antes de dormir, às vezes durante horas. Música é uma das coisas que alimenta a minha natureza. É da minha natureza acreditar que a palavra importa, independente do enredo. Por isso mesmo, às vezes me dói não ter usado algumas dela em prol da gentileza. Palavra tem poder de machucar, firmar contrato e até figurar lindamente em poema.

Também é da minha natureza reconhecer o que não é justo em um mundo que eu divido com bilhões de pessoas. A política do eterno autobenefício não é da minha natureza. Longos períodos em silêncio, justiça em vez de vingança, escutar gargalhadas como se fossem versos de uma canção inédita, definitivamente, é da minha natureza.

Assim como a Natureza, também o ser humano reage à agressão ao lhe tirarem o chão, o direito de ser o que se é. Também reage ao respeito, ao amor, à benevolência, à capacidade de ser pensador, e não integrante de um exército de mentes que renegam interrogativas.

É da minha natureza a vida.

Imagem © Jan Nieuwenhuys

Comentários

Maria Clara Vaz disse…
Ao ler essa crônica pude sentir muita sinceridade nessas palavras. Hoje em dia, no mundo e na forma em que vivemos hoje é difícil apontar nossas qualidades e nossos defeitos diante as situações, e muitas vezes, é ainda mais difícil aceitar essa características que nos cercam. Mas nossa rotina é repleta de ações que nos mostram quem nós somos. Feliz é aquele, que como o texto, sabe ser feliz independente da forma de viver, amando e respeitando a si próprio. Dessa forma, as qualidades são cada vez mais ressaltadas, e a natureza própria também.
Rafaela Corrêa disse…
A crônica tem um conteúdo que não só mostra o cotidiano daquela mulher que a escreve, mas que também me fez refletir sobre o que "é da minha natureza?". A repetição dessa expressão me deu a impressão de que tudo aquilo que foi dito no texto é, realmente, algo que aquela mulher vive, sente e acredita, deu um sentimento mais realista ao texto... E a última frase na qual ela diz "É da minha natureza a vida", me fez pensar que, apesar de todos os nossos costumes, nossas vontades e diferenças, agimos de acordo com a vida, é ela quem nos conduz. Parabéns pelo texto, foi uma ótima leitura e que me inspirou bastante! Obrigada, estarei aguardando pela próxima!
Carla Dias disse…
Maria Clara... É sincero, sim. Acredito que colocar em prática muito do que já é da nossa natureza pode nos ensinar algumas coisas essenciais, como a gentileza. Abraço.

Rafaela... Isso mesmo, a ideia era inspirar o pensamento. Às vezes, estamos tão envolvidos com as tarefas cotidianas, que nos esquecemos de olhar para nós mesmos e reconhecermos quem somos na essência. Eu acredito que, quando estamos abertos a isso, a nossa existência é uma reação à vida. Por isso sim... É da minha natureza a vida. Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …