quarta-feira, 4 de março de 2015

É DA MINHA NATUREZA >> Carla Dias >>


É da minha natureza ir para a cama às nove da noite só porque começou a chover, já que música de chuva caindo é a minha preferida. Beber café fresco crendo que assim combaterei nó na garganta. Alimentar esperança, mesmo quando corpo e alma estão tomados pela urgência do tempo e a demanda das mágoas.

É da minha natureza torcer pelo outro, celebrar vitórias alheias. Às vezes, eu me desvio, sofro de ataque de pânico existencial e acabo por cometer injustiças emocionais. Porém, é da minha natureza assumir os meus erros. Raramente alguém precisa me apresentar evidências, porque também é da minha natureza cobrar a mim mesma com todo requinte de autocrítica.

É da minha natureza receber os amigos para o almoço, e digo com certo pesar, que também é da minha natureza me ausentar da presença deles por longos períodos. Perfumar a casa com incenso, não faltar aos compromissos, ser grata mesmo quando a gratidão não se aplicaria. Grata por aprender com a vida.

É da minha natureza ser completamente apaixonada pelos meus sobrinhos. Já fui zombada de tudo quanto é jeito e por diversos motivos. Só que se deu mal quem tentou fazê-lo usando a carta do “ficou pra tia”. É que fiquei pra tia, com o maior gosto, de quatro meninas e quatro meninos, que desde o nascimento deles vêm me ensinando que é da natureza da vida acontecer sem nos dar satisfações, e que há verdadeira beleza nisso.

É da minha natureza optar por me recolher, mesmo em dias em que o espírito berra suas querenças, solicita companhia. Mas também sei que é da minha natureza ficar descompensada quando não consigo dizer o que diria, sem problemas, em um bilhete. Às vezes, pode parecer que sou meramente geniosa, mas a verdade é que não conseguir expressar o que penso falando, mas certamente conseguir fazê-lo escrevendo, leva-me a revisitar abismos com frequência.

É da minha natureza não levar muito tempo para perceber quando eu disse bobagem, e de tentar consertar o feito de alguma forma. Nem sempre o reparo é possível, daí que é da minha natureza não me esquecer de quem se esqueceu de mim por um bom motivo.

É da minha natureza escutar música antes de dormir, às vezes durante horas. Música é uma das coisas que alimenta a minha natureza. É da minha natureza acreditar que a palavra importa, independente do enredo. Por isso mesmo, às vezes me dói não ter usado algumas dela em prol da gentileza. Palavra tem poder de machucar, firmar contrato e até figurar lindamente em poema.

Também é da minha natureza reconhecer o que não é justo em um mundo que eu divido com bilhões de pessoas. A política do eterno autobenefício não é da minha natureza. Longos períodos em silêncio, justiça em vez de vingança, escutar gargalhadas como se fossem versos de uma canção inédita, definitivamente, é da minha natureza.

Assim como a Natureza, também o ser humano reage à agressão ao lhe tirarem o chão, o direito de ser o que se é. Também reage ao respeito, ao amor, à benevolência, à capacidade de ser pensador, e não integrante de um exército de mentes que renegam interrogativas.

É da minha natureza a vida.

Imagem © Jan Nieuwenhuys



Partilhar

3 comentários:

Maria Clara Vaz disse...

Ao ler essa crônica pude sentir muita sinceridade nessas palavras. Hoje em dia, no mundo e na forma em que vivemos hoje é difícil apontar nossas qualidades e nossos defeitos diante as situações, e muitas vezes, é ainda mais difícil aceitar essa características que nos cercam. Mas nossa rotina é repleta de ações que nos mostram quem nós somos. Feliz é aquele, que como o texto, sabe ser feliz independente da forma de viver, amando e respeitando a si próprio. Dessa forma, as qualidades são cada vez mais ressaltadas, e a natureza própria também.

Rafaela Corrêa disse...

A crônica tem um conteúdo que não só mostra o cotidiano daquela mulher que a escreve, mas que também me fez refletir sobre o que "é da minha natureza?". A repetição dessa expressão me deu a impressão de que tudo aquilo que foi dito no texto é, realmente, algo que aquela mulher vive, sente e acredita, deu um sentimento mais realista ao texto... E a última frase na qual ela diz "É da minha natureza a vida", me fez pensar que, apesar de todos os nossos costumes, nossas vontades e diferenças, agimos de acordo com a vida, é ela quem nos conduz. Parabéns pelo texto, foi uma ótima leitura e que me inspirou bastante! Obrigada, estarei aguardando pela próxima!

Carla Dias disse...

Maria Clara... É sincero, sim. Acredito que colocar em prática muito do que já é da nossa natureza pode nos ensinar algumas coisas essenciais, como a gentileza. Abraço.

Rafaela... Isso mesmo, a ideia era inspirar o pensamento. Às vezes, estamos tão envolvidos com as tarefas cotidianas, que nos esquecemos de olhar para nós mesmos e reconhecermos quem somos na essência. Eu acredito que, quando estamos abertos a isso, a nossa existência é uma reação à vida. Por isso sim... É da minha natureza a vida. Abraço.