Pular para o conteúdo principal

PEQUENOS GESTOS >> Clara Braga

Um grupo de amigos estava atravessando a rua fora da faixa, sendo que havia uma a menos de 100m de distância, quando tiveram que parar para dar passagem a um carro que vinha subindo a rua pois havia furado o sinal vermelho, já que não tinha ninguém para atravessar na faixa. O grupo de amigos se exaltou e gritou cheio de razão para o carro: o sinal está vermelho!

Provavelmente, o grupo de amigos decidiu atravessar ali mesmo, fora do sinal e da faixa, pois a rua estava pouco movimentada, já era tarde da noite. Mas não contavam que quando chegassem na metade da rua iriam dar de cara com um motorista que decidiu avançar o sinal vermelho, já que não havia ninguém para atravessar na faixa e hoje em dia já não é seguro parar sozinho em lugar nenhum tarde da noite. O motorista, por sua vez, também não imaginava que, depois que avançasse o sinal, encontraria um grupo de amigos que decidiu atravessar a rua fora do sinal. O grupo, se sentindo certo, reclamou. O motorista, vai saber o que pensou. Mas no final das contas, tem alguém de fato certo nessa história?

Já do outro lado do mundo, uma menina que está fazendo intercâmbio marca de sair com os amigos das mais diversas nacionalidades. O horário é 20:30, mas a brasileira chega às 20:45 e se surpreende ao perceber que seus colegas não esperaram por ela. Posteriormente, durante uma conversa com esses colegas, eles questionaram: os brasileiros sempre chegam uns minutos depois, será que é muito difícil chegar às 20:30 já que esse foi o horário marcado? Os brasileiros deixam os outros esperando, mas não gostam quando devem esperar!

Cada vez mais percebo que temos cultivado essa mania besta de exigirmos o que é certo por parte dos outros, mas, da nossa parte, continuamos a viver o tal do jeitinho brasileiro de ser, e tudo bem, afinal, é da nossa cultura ser assim, quer desculpa melhor que essa? E no final, nem achamos que devemos nos preocupar com esses pequenos deslizes, eles são pequenos mesmo.

Nunca compartilhei da ideia de que essas pequenas irregularidades, se é que posso chamar assim, não causam mal algum. E só confirmei minha opinião após ver um vídeo maravilhoso que foi muito compartilhado esses dias nas redes sociais. Nele, um historiador responde se existe solução para a corrupção no brasil, já que essa já faz morada por aqui. De forma muito tranquila o historiador disse: a solução começa com a educação que a gente dá para as crianças desde cedo. Estamos acostumados a ensinar que fazer o trabalho daquela matéria da escola vale a pena pois o trabalho vale nota. Que usar a moeda de 50 centavos que você encontrou no chão para comprar uma balinha sem ao menos perguntar se aquele dinheiro pertence a alguém é algo tranquilo. Assim como também aprendemos que não tem problema dizer que os 50 centavos são seus, mesmo que não sejam, se ninguém deu falta já era. É o famoso "perdeu, playboy!".

Todos esses atos são pequenos atos de corrupção que, se não analisados e debatidos com a devida importância, vão crescer com a pessoa e vão se adaptando às suas devidas proporções. Nós, que estamos exigindo um país sem corrupção, precisamos cada vez mais colocar nossas mãos na nossa consciência e nos perguntarmos se, além de exigir um país melhor, nós estamos sendo pessoas melhores. Nós temos um papel muito complexo, que é garantir uma geração de crianças que terão a oportunidade de crescer de forma justa, lutando e entendendo seus direitos. Sair da manifestação e furar o sinal vermelho ou atravessar fora da faixa não está com nada e não é a mensagem certa para se deixar para a sociedade em um momento como esses. Lembrem-se sempre, pequenos atos geram grandes consequências.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …