Pular para o conteúdo principal

A OBRIGAÇÃO DA LUDICIDADE >> Paulo Meireles Barguil


De quando em vez, os ambientes educacionais são invadidos por expressões, as quais são repetidas como palavras de ordem.
 
Quem não as verbaliza queima numa fogueira psicológica. Não importa muito se o que é falado com a boca é confirmado com o corpo. O fundamental, para sobreviver, é ecoar o discurso.
 
Desde o final do século passado, a moda pedagógica, no Brasil, é se declarar construtivista e/ou sociointeracionista. Ninguém quer saber se você leu Piaget e/ou Vygotsky. Basta colocar um rótulo ou mudar algumas coisas para atestar a sua transformação.
 
Há, também, aqueles que, ao perceberem o engodo cometido por muitos, se negam a aceitá-lo e denunciam tais equívocos, mas não se dão ao trabalho de conhecer as contribuições daqueles autores e de tantos outros que ampliaram as suas pesquisas sobre aprendizagem.
 
Os nossos espaços acadêmicos são, de modo geral, compostos de cores e sons tristes, não sendo de estranhar o motivo de muitas das nossas melhores lembranças do tempo estudantil serem no recreio.
 
Sim, precisamos e podemos modificar essa realidade, assim como muitas outras. O caminho sempre começa dentro de nós.
 
Diante dos inúmeros problemas vivenciados em escolas e universidades, de modo especial a falta de interesse discente no currículo, materializado nas práticas docentes, a panaceia atual é promover atividades lúdicas.
 
E lá vamos nós atrás dessa poção mágica que vai dissolver os conflitos!

Parece existir uma crença de que sem alegria e prazer não acontece aprendizagem. Será?
 
Antes de mais nada, é necessário esclarecer que uma atividade pode ser lúdica, divertida para uma pessoa e não o ser para outra. Ou seja, não é a atividade que é lúdica. A qualidade da interação que alguém estabelece é que lhe proporciona satisfação.
 
O que faz algo ser lúdico para uma pessoa? Quando ela está inteira — corpo, afeto, razão e espírito — numa atividade.
 
Você se sente alegre, pleno quando faz algo que deseja e, por isso, mobiliza todo o seu ser.
 
O mundo, contudo, não existe para satisfazer os caprichos apenas de um indivíduo. As pessoas são cada vez mais diferentes. Isso nos conduz à necessidade de aprender a estabelecer relações caracterizadas pela flexibilidade, sinceridade e empatia, de modo a construir situações mais harmônicas e menos conflituosas.

Reconhecer-se Narciso é quebrar o espelho que nos aprisiona na nossa solidão, é permitir olhar para o outro e criar vínculos, entender que o outro não existe apenas para me satisfazer, afinal, eu não sou o centro do mundo...

É aceitar que o outro, também, não precisa ser meu escravo, nem meu algoz. É romper com a crença do tudo ou nada.
 
Aprender é mudar. Há algo que eu não sei — fazer, sentir ou pensar — sendo necessário eu aprender — estabelecer novas conexões — para conseguir.
 
Nessa perspectiva, só é possível alguém aprender quando ela aceita, por motivos variados, que sua configuração atual não lhe é satisfatória e decide modificá-la.
 
No centro da aprendizagem, portanto, há descontentamento, inconformismo. Afinal, quem gosta de limites, independentemente de que lado eles estejam? Existe, também, humildade para admiti-los e determinação para transmutá-los.
 
Para que eu decida sair de onde estou, é necessário eu acreditar em duas coisas: i) a nova situação será mais agradável do que a atual; e ii) eu sou capaz de chegar lá. Ah, eu também preciso dizer: eu quero mudar!

O foco, portanto, não é exterior, mas interior. É imprescindível aceitar que o ponto de partida da transformação está dentro de nós. Quando isso acontece, por incrível que pareça, o mundo do lado de fora, tal qual um espelho, também se altera...
 
Nessa aventura interna, que se parece com a escalada de uma montanha, temos vários tipos de sentimentos e pensamentos: alguns agradáveis e outros desagradáveis. Todos são naturais e precisam ser acolhidos. O importante é não deixar nenhum deles se apossar de você.

A beleza da vida é fruto do que ocorre dentro da pessoa e não do lado de fora. Sem descartar medos, raivas, feridas e inseguranças, como é que a vida pode jorrar?

Existirão momentos, também, em que seu corpo pedirá trégua e outros em que ele estará repleto de energia. Ouça-o e atenda as suas demandas, pois ele é seu companheiro indispensável nessa jornada na Terra.

Acredito, portanto, que podemos aprender rindo ou chorando. Cada um deles tem sua riqueza. Um não substitui o outro. Precisamos de ambos.

Nos momentos de desânimo, lembre-se sempre: tudo passa!

Um detalhe importante: chegar no topo — ou no centro — é um fenômeno raro, por isso a riqueza dessa viagem é desfrutar de cada instante. Caminhe no seu ritmo, olhe a natureza, prove os sabores, respire fundo, ouça os sons, sinta as texturas, descanse... e siga em frente!

Na vida — e na escola — é fundamental que cada um assuma a responsabilidade pela sua epopeia, partilhe os seus aprendizados, avalie as consequências das suas escolhas e se perceba único numa multidão de peregrinos.

Um aprendizado maravilhoso é respeitar o direito de quem não quer olhar para dentro e, por isso, escolhe continuar a sua vida no mesmo lugar íntimo e tentando mudar apenas os cenários exteriores...

Ingrediente necessário nesse percurso é sempre celebrar, louvar, agradecer a vida.

Reconheço: eu investi muito tempo da minha vida nessa faxina, mas agora está na hora de brincar mais!

Obrigado meus amados mestres compositores e cantores: Almir SaterEgo Trip, Engenheiros do HawaiiFernando Brandt e Milton Nascimento, Guilherme ArantesLegião Urbana, Milton Nascimento, Raul Seixas...

Obrigado meus amados mestres espirituais: Buda, Jesus Cristo...

Obrigado meus amados mestres escritores: Antoine de Saint‑Exupéry, Leo Buscaglia, Paulo Freire, Richard Bach, Rubem Alves... (a lista é grande!)

Obrigado meus amados mestres amigos...

Obrigado meus amados mestres terapeutas...

PS: Acredito que estou cada vez mais motivado a ser construtivista, sociointeracionista e lúdico. ;-)

Comentários

maria clara lana disse…
Amei sua crônica, pelo fato dela apresentar sentimentos e comportamentos da sociedade.Por demostrar a realidade vivida nas pelos alunos nas escolas.mostra que os jovens estão desinteressados em relação aos estudos, e fazem a busca de um ensino mais fácil e prático.Descreve que nem tudo gira ao nosso redor, que não devemos olhar para o nosso próprio umbigo e aprender a pensar mais no mundo a nossa volta.Faz uma relação entre o eu e o outro, ou seja, aprender a conviver em harmonia com o outro sem olhar as diferenças, porque afinal de contas somos todos seres vivos e temos que aprender a viver com as diferenças do mundo.Mostra que a vida é bela e temos que aproveitar ao máximo as coisa belas da vida, com muita paz, fraternidade e harmonia. A vida passa por altos e baixos, mas só temos certeza de que tudo na vida passa um dia.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …