Pular para o conteúdo principal

O DIA EM QUE A HUMANIDADE PERDEU A RAZÃO >> Whisner Fraga

Eu não defendo que as pessoas devam tentar fazer tudo com amor. Nada mais utópico. Com amor nem sexo se faz mais. Também não professo que se faça tudo com profissionalismo, porque é sofrer à toa. Profissionalismo acabou por se tornar algo muito vago, entre a luta por direitos e as necessidades do mercado. Nesse meio tempo encontram-se a briga pela sobrevivência e o mínimo de conforto.

Mas talvez seja importante um pouco de bom senso no exercício do trabalho. E de esforço. Ainda não estou certo se o ser-humano perdeu o senso ou o cérebro. Levamos Helena a um laboratório, para um exame de sangue. Duas enfermeiras despreparadas para o atendimento infantil nos receberam. Helena não gostou de nenhuma, pois a trataram como se fosse adulta. Lógico, aí ela agiu como criança: fez birra, chorou, gritou, esperneou. Nada a fazia ir até a sala de coleta. Até que, muito tempo depois, muito tempo, a convenci a respeito do exame e a levei no colo. Ficamos lá na sala esperando, eu, Ana e Helena, por vários minutos, torcendo para que a menina não voltasse atrás em sua decisão.

De repente, chegaram as duas enfermeiras, nitidamente estressadas com a reação de Helena. Minha filha se sentou em meu colo, estendeu o braço, mas quando uma delas pegou em seu pulso, ela rapidamente a repeliu. Não queria ser atendida por nenhuma delas. Achei que caberia um pouco de conversa, mas, certamente acostumadas a outro tipo de criação, esperavam que déssemos uma bronca na menina ou mesmo que a forçássemos a estender o braço.

Então, uma das enfermeiras começou um sermão, que não sabíamos o quão difícil era tirar sangue de criança, que o médico dela havia pedido vários testes e que seria necessário muito sangue, que era complicado pegar a veia de criança e assim por diante. Que a vida dela (enfermeira) não era fácil, pois ela ia sair dali para fazer um Papanicolau. Mais um pouquinho e começaria a reclamar do salário e das horas que levava de casa até o trabalho. Reclamações muito justas, mas provavelmente fora de hora.

Já estávamos todos nervosos, Helena jejuando há dez horas e ainda tivemos de ouvir aquilo. Saí imediatamente da sala, resmunguei que era difícil ser pai (não por Helena, óbvio, que é uma menina maravilhosa, mas por ter de escutar aquele tipo de asneira, como se a culpa fosse nossa e a criança uma mimada) e, para que eu não começasse a xingar as duas, contei até dez. Na calçada, liguei para minha esposa e falei para que fôssemos embora imediatamente. Em casa, me lembrei de um vídeo de um enfermeiro tirando sangue e gargalhadas de uma criança, que viralizou no youtube. Fiquei com inveja daquele pai todo bobo de tão contente por ter tirado a sorte grande indo a um hospital com profissionais de bom-senso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …