Pular para o conteúdo principal

BASTA, FABRÍCIO >> Sergio Geia

Com o livro do Fabrício Carpinejar nas mãos, fui pra sala continuar a leitura de “Me ajude a chorar”, minha companhia dos últimos dias. Era um domingo pra lá de quente, a temperatura batia os 36, embora pela sacada entrasse uma brisa refrescante. Já tinha ido tomar café na padaria, ao supermercado, guardado a compra. Liguei o computador pra continuar a revisão de um romance que havia escrito em 2010, mas antes queria ler mais alguma coisa do Fabrício.

Tenho paixão por crônicas cujo protagonismo é exercido por bromélias, pé de feijão, jabuticabeiras e capim; amendoeiras, cajueiros, acácias e afins. O Rubem Braga tem uma crônica deliciosa nessa linha chamada “Um pé de milho”. Normalmente, crônicas desse tipo me arrebatam logo de cara. A sensação é de estar chupando mexerica num banquinho à sombra, de ouvir o marulhar das ondas, o coaxar de sapos, o farfalhar da brisa, de preferência deitado numa rede, de preferência no final de uma tarde outonal, de preferência sob a beleza de um sol poente.

Poeta não é aquele que escreve livros, mas o que lê as pessoas. O Fabrício já me arrebatou aí, com essa frase formidável. Se bem que o título já me fisgara: “Basta uma pitangueira” era tudo o que eu queria. É interessante ver o que acontece com a gente. Você dorme mal por causa do calor, acorda como um zumbi meio desanimado da vida, não sabe nem o que vai fazer de seu domingo, e de repente tudo se transforma graças a uma simples pitangueira.

Eu falo isso porque a pitangueira foi a propulsora de boas sensações e de uma renovação da alma. Está certo que eu já sou meio pré-concebido a gostar de um texto gratuitamente quando são protagonistas operários de macacão laranja e uma simples pitangueira. Mas não é só isso não. A poesia que brota do Fabrício é monumental; parece água nascendo da terra. E você começa a ver coisas que não via, ouvir coisas que não ouvia, sentir coisas que não sentia, a começar pela imagem tão poeticamente narrada dos operários da Prefeitura colhendo pitangas no pé. De repente, um dia cinza e sem graça se transforma num mosaico multicolorido de boas sensações.

Sinto o toque do vento a acarinhar a pele, no mesmo instante que me vem à cabeça a cena da folha de papel bailando no ar, toda oferecida à lente do mais-normal-que-todos Ricky Fitts, interpretado por Wes Bentley, em Beleza Americana. Mais- normal-que-todos é um paradoxo, vai, mas Ricky era o único, e é isso que eu quis dizer, o único que enxergava a verdadeira beleza da vida. Está certo que depois Lester (Kevin Spacey) e Jane (Thora Birch) também tiraram a venda.

A vida não é fácil, amigo. Pra ninguém. Foi um domingo normal o meu. Fui comer no Kanpek do shopping, depois passei nas Americanas em busca de algum CD interessante (comprei mais um da Roberta Sá, que eu adoro). Dei um pulinho nas Casas Bahia, na Kalunga e no Carrefour em busca de um bom circulador de ar (que também comprei); passei na casa de minha ex-mulher à cata de umas bolsas velhas mas que muito me servem e pra dar um beijo na criançada; terminei a noite levando bolo de uma amiga e comendo um x-tudo no Joãozinho e Semaninha. Mas foi um domingo fantástico, tenho de reconhecer, porque dentro de mim, eu estava muito bem. Bastou uma simples pitangueira.      

Comentários

Zoraya disse…
às vezes basta isso mesmo,né Sergio? Beleza de texto, obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …