Pular para o conteúdo principal

PARA AMAR, PACIÊNCIA >> Mariana Scherma

_ Seu pai e eu quase choramos de tanto rir agora porque...

Foi assim que minha mãe começou uma conversa telefônica comigo dia desses. Eu vou ser sincera, parei de ouvir a conversa no “porque” e comecei a pensar comigo mesma enquanto minha mãe contava sobre a crise de riso. Meus pais estão casados há uns 33 anos, pra mais...  E eles têm crise de riso juntos, várias até, daquelas de ver uma cena na tevê, relembrar a piada interna deles e rir. Rir gostoso, sabe? Mais de três décadas juntos e isso. Caramba! E pensar que tem casamento que acaba na lua de mel...

Até um tempo, eu pensava que viver um amor era questão de sorte. Depois, um pouco derrotada, comecei a achar que amar era para aqueles que não se bastam sozinhos e precisam se sustentar na companhia do outro. Hoje, penso um pouco diferente. Voltei a ter fé no amor. Acredito na parcela de sorte, afinal, o mundo é um lugar muito lotado, com muita gente chata, encontrar um fulano legal, divertido, levemente inteligente e por quem você sinta tesão é uma tarefa pra alguém incansável e... com sorte. Você pode apostar eternamente na Mega-Sena e nunca ser sorteado, oras. Mas acho que grandes amores também são construídos na paciência. Um pouco de sorte, muito de paciência.

É que por mais que a sorte esteja ao seu lado, esse romance pode não evoluir nada sem as infinitas vezes que contamos até cem ou um milhão. A gente tem mania, opiniões políticas contrárias, gostos pra séries diferentes, fé e quase nada de fé. Sem contar o tênis no meio da sala, a toalha molhada na cama, a preguiça eterna de consertar o que se quebrou há mais tempo ainda. Minha mãe e meu pai venceram tudo isso. A paciência entre eles, às vezes, atinge o volume morto, mas sempre chegam as chuvas de crise de riso pra fazer novas reservas de amor brotarem.

A gente adora assistir às histórias de amor do cinema, mas se esquece de olhar ao redor. Falo por mim. Já chorei diversas vezes com Julia Roberts e sua turma de mocinhas apaixonadas. Mas hoje brotou uma lágrima aqui e a história é real. Tem um mocinho bem-humorado que correu atrás da mocinha durona. Passagem de 30 anos. Tem um homem ranzinza e bem-humorado, uma mulher firme nas suas convicções, que detesta bagunça. Vira e mexe, eles se estranham. Mas não se separam porque são amigos, têm crise de riso juntos e não veem a hora de contar para o outro a última que aconteceu no trabalho. The end.

Comentários

Mirely Costa disse…
Excelente texto, já que retrata uma situação cotidiana vivida por todo casal. Realmente um amor é sustentado na paciência e na compreensão, pois levar uma vida a dois com uma pessoa de criação,valores e manias diferentes da nossa, creio eu que não deve ser uma tarefa nada fácil. E claro além da paciência é preciso ter sorte para encontrar o par perfeito em meio a 7 bilhões de pessoas espalhadas por todo o mundo.Éramos muito em pensar que lindas histórias de amor estão presentes somente na ficção, e esquecemos que ver ao "vivo" é muito mais emocionante. O amor é fonte de felicidade e se divertir com a pessoa amada como se fossem melhores amigos é com certeza uma prova de amor.
Anônimo disse…
Gostei muito do seu texto! Nos dias atuais as pessoas não dão muito valor a pequenos detalhes como rir sem motivo, algumas pessoas não tem nem ideia disso, não é sorte encontrar alguém assim para a vida inteira é fé! também achei essa parte muito interessante "A paciência entre eles, às vezes, atinge o volume morto, mas sempre chegam as chuvas de crise de riso pra fazer novas reservas de amor brotarem" tem tudo a ver com o que estamos vivendo nos dias de hoje ,caiu bem no texto! Parabéns pelo texto bisou, bisou.
Isabella Cristina disse…
Super interessante o texto. Nos dias atuais não vemos casais tão unidos como antigamente. Muitas vezes as relações terminam por pequenos detalhes em que a falta de paciência não deixou que o casal passasse junto por cima dos obstáculos. Não vemos mais casais em diálogos longos e descontraídos, aos risos, mas vemos brigas através de celulares, sem haver uma troca de olhares. O casal deve ser amigo, um relacionamento deve ser baseado na confiança e é preciso saber tolerar os erros alheios e dar uma segunda chance.
Rute Pires disse…
Texto lindo! Transmite ensinamentos maravilhosos. A aceitação do outro da maneira real,com diferenças no pensar e no agir. A paciência, tanto nos momentos de crise da relação, quanto na hora de esperar a sorte de encontrar alguém que não somente lhe complete, mas que transborde contigo, alguém que ensine e aprenda com as diferenças, e que ambos possam sorrir, independente de crises passageiras, deixando vir à tona as "reservas de amor". Tudo isso é muito importante em um relacionamento.
carlos disse…
O texto é realmente ótimo, e retrata bem o amor, pois não se resume apenas em sorte e felicidades. Em um relacionamento existem discussões e desentendimentos, mas o importante é manter a cabeça no lugar e mesmo com raiva se lembrar o motivo pelo qual vc está com a pessoa que está.
Thalles Burnnier disse…
lindo texto, , retrata bem o amor, super interessante e legal
Alanna disse…
Caríssima Mariana Scherma após ler sua crônica "Para amar, paciência " é possível perceber que suas palavras fazem referência ao termo esperança ! Esperança ? Sim esperança no amor, esperança em encontrar alguém e com este alguém dividir os sonhos, as alegrias,as tristezas, um texto que diante a modernidade onde os jovens, os adolescentes se apaixonam com tanta facilidade, pensando em apenas em sexo, que encontrar o amor, enxergar o amor em outra pessoa é como ganhar um prêmio divino, porque nos tempos atuais o amor é retratado de outra forma, onde as pessoas não tem o prazer em viver um grande e verdadeiro amor,não sabendo lidar e respeitar as diferenças do outro, se diferenciando dos casais de antigamente que se respeitavam, se amavam e se entregavam a um amor incondicional.
Daniel Andrade disse…
Um amor verdadeiro é aquele que resiste ao teste do tempo. É ter ao lado uma pessoa que conhece todas as nossas imperfeições e continua nos amando do mesmo jeito.

É verificar que existem algumas incompatibilidades e alguns gostos completamente diferentes, mas estar disposto a fazer alguns sacrifícios para agradar a outra pessoa.
Victoria disse…
Cara Mariana, sua cronica é muito boa, retrata bem o verdadeiro amor, como um casamento realmente deve ser. Suportando tantas coisas, passando por tribulações e mesmo assim no final o casal continua junto e rindo. Pena que hoje em dia isso raramente acontece.
Observação: como escreve crônicas, acredito que pode considerar você como escritora, então recomendo que use o português formal, não o oral. Para ficar um texto mais prazeroso.
Anonimo disse…
Mariana, amei a sua crônica, muitas vezes achamos que ninguém pensa em amor verdadeiro, mas logo após ler a crônica notei, que não é apenas eu que tenho um pensamento de que amor é sim ter suas diferenças, brigas as vezes. Mas alem de tudo, amor é fazer o outro rir, cuidar, ter ciumes, e o mais importante de todos AMAR o próximo. Fico muito feliz por ter lido sua cronica, e espero também que outras pessoas leiam e vejam o quanto é bom amar, e quanto faz bem ter alguém ao seu lado para que você possa chamar de "meu" !
André Victor disse…
Parabéns! Ótimo texto!
Seu texto aborda de forma interessante um assunto causador de grande repercussão em pessoas de todas faixas etárias,o amor.

Mesmo estando em uma sociedade em que os jovens vem valorizando cada vez menos essas pequenas ações que causam grande felicidade, como ter alguém para fazer sorrir e estar sempre ao seu lado até o fim da vida,seu texto nos faz refletir que o amor não está perdido,pois, ainda existem mesmo estando quase em minoria as pessoas que valorizam e praticam esses atos,pessoas que nos dão essa tal “Esperança” citada no titulo de que o amor ainda existe no coração de muitos.
Aline Vieira disse…
Concordo plenamente com você !
Lindo comentario !
Victor oliveira disse…
Mariana , gostei muito do seu texto, ele mostra o que é necessário para o amor resistir ao tempo, que é a paciência e a compreensão entre o casal, hoje em dia muitos relacionamentos são desfeitos devido a falta deles, as pessoas mal entram em um relacionamento e já estão saindo devido a falta de paciência e compreensão com seu parceiro, seu texto demonstra que para um relacionamento resistir ao tempo é necessário ter ambos , pois haverão crises, e caberá ao casal passar por elas.
Isabela Maria disse…
Texto muito bom e interessante,eu penso que o amor é apenas uma faísca de tudo que esse sentimento pode trazer pra nossa vida .É algo incontrolável e paradoxal,que nos torna vulneráveis, mas também fortes e isso foi retratado também no seu texto.

Guilherme Luzia disse…
Ótimo texto, ele retrata que o amor, quando existe de verdade, independente das brigas que o casal possa ter, eles sempre voltarão a se falar, se divertir com as situações do cotidiano, o que se é de fato construído com um pouco de sorte e com muita paciencia.
Sara Gonçalves disse…
Mariana..É incrível como um texto simples e sensato pode se tornar uma bela crônica.
Essa crônica nos mostra que detalhes sutis como paciência, compreensão e sorrisos podem fazer uma grande diferença dentro de um relacionamento.
Enfim, sua percepção tão sensível, nos faz respirar fundo, fechar os olhos e imaginar como seria um dia, viver com um amor assim.
Estefhane Larissa disse…
Muito boa essa crônica,mostra o verdadeiro cotidiano estabelecido entre os casais.Mas também poucos que sentam juntos para relembrar o passado.
O amor verdadeiro não depende somente da paciência entre os parceiros, mas também do hábito da conversa, que na minha opinião é um meio muito importante.
Hoje em dia está difícil de seguir um relacionamento sério, alguns casais atualmente já não praticam a conversa entre eles, as brigas ocorridas entre o casal, deixa claro que não é nada fácil.
Então é isso, Mariana sua crônica está execente .
Este comentário foi removido pelo autor.
Profundo isso, ta apaixonado ne !!👌
O texto retrata o amor e é interessante demais, parabéns
Êeee paixão em, vou te apresentar umas meninas kkkkkkkkk comentário do ano !!
Tchutchuco 123 disse…
Oi lindo
Passa seu whats ??

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …