Pular para o conteúdo principal

A BOIA E O CAPITÃO >> Albir José Inácio da Silva

Foi logo depois da guerra que a Light estava fichando – hoje em dia se diz contratando - e só precisava disposição pra trabalhar.  De longe vinha gente que abandonava a dureza do eito nas fazendas em busca de dureza com carteira assinada e boia. E salário-mínimo - que era o mais novo sonho dos boias-frias. A minha sorte foi que naquele tempo menino podia trabalhar.

- Tem que ser menino esperto, ter força e disposição - dizia o funcionário do recrutamento, que falava isso sem olhar pra pessoa e ficou decepcionado quando viu meus quarenta e poucos quilos. Mas consertou: - Às vezes disposição é melhor que força, né garoto? – fez um quase sorriso, e eu ganhei a vaga porque todo mundo ganhava.

Quem ganhou vaga também, com muito mais justiça porque era grande como um touro e trabalhava por três, foi o Zé Gamela.   Gamela vinha das profundezas de Minas e recebeu esse nome ainda criança porque o que tinha de força, tinha de fome e comia na gamela - uma espécie de bacia.

Quando chegamos no canteiro, já lá havia um  encarregado de nome Capitão. Dizem que virou Capitão de tanto o povo repetir, mas começou como capetão, capeta grande, porque era um capataz ruim que nem o diabo. Capitão ele gostava, dizia que era reconhecimento por sua importância e autoridade.

Capitão era um mulato que se embranquecia e não gostava de preto. Era encarregado, mas não era de serviço não, que entendia nada de usina, nem de pedra, nem de dinamite. Era um chefe de disciplina, de segurança, sei lá mais de quê, só sei que implicava com tudo. Andava com um rebenque na mão, que até os patrões gringos estranharam, mas ele explicou que não era chicote não, era um bastão pra bater nos galões de piche e saber quando estavam vazios.

Era uma segunda-feira e Zé Gamela sentia muita fome, tinha comido só uma sopa de banana verde no domingo. Mesmo assim trabalhou duro toda a manhã. Logo da primeira vez pediu pra encher mais o prato e saiu pingando feijão.  De cara feia, o Capitão provocou:

- Parece bicho pra comer!

Zé Gamela não ligou. Comia muito mesmo, e estava feliz com o prato transbordando. Sorriu pro Capitão e foi comer. O Capitão não gostou do sorriso. Não gostava da cor nem do jeito de Gamela.

Zé Gamela entrou na fila pra repetir a bóia com o pedaço de carne espetado no garfo. A gente podia entrar na fila quantas vezes quisesse, mas a carne era só uma, servida na primeira vez. No início a turma devolvia o prato com a carne pra receber mais arroz e feijão. Mas a comunicação era ruim, os caras do rancho não falavam a nossa língua e acabavam raspando o prato no lixo antes de colocar mais comida. A esperteza dos caboclos logo inventou esse expediente: ficar com a carne no garfo enquanto era servido.

Estava o Gamela sorridente com a carne no garfo e o prato estendido, quando Capitão passou por trás dele. Com o bastão bateu no garfo de baixo pra cima e o naco subiu dois metros, quicou nas tábuas do chão e deslizou pela terra. Gamela ainda correu até a carne, mas ela tinha uma lama de gordura e terra preta, e ele jogou de volta no chão.

Sentou no banco com o prato na mão, mas não conseguiu comer. Tinha um nó na garganta e os olhos pregados no chão. Seu Chico foi até lá, achando que ele não queria comer sem carne:

- Toma, Gamela, eu já tô cheio.

- Quero não, Seu Chico, perdi a fome.

Seu Chico voltou pro meu lado no banco de madeira:

- Sabe, menino, eu vivo há muito tempo, mas não consigo entendê as pessoa.


Se o Seu Chico, que era velho e viajado, não entendia as pessoas, imagina eu que era só um moleque.

Comentários

Zoraya disse…
Que triste, Albir! TEnho de tomar cuidado com alguns textos seus, eles mexem muito comigo. Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …