Pular para o conteúdo principal

6ª FEIRA DO AMOR >> Paulo Meireles Barguil

Por que é mesmo que se chama Santa uma 6ª feira em que são lembrados o julgamento, a humilhação, a crucificação, a morte e a sepultura de Jesus Cristo?

Nomear de 6ª feira da Paixão é uma alternativa, mas não expressa adequadamente o que nela ocorreu.

O mais sensato seria adotar uma nomenclatura que manifesta o ocorrido: 6ª feira do Amor.

Cá para nós: a linguagem, muitas vezes, é utilizada para negar a realidade, ao invés de favorecer o seu entendimento pela Humanidade.

De falseados em falseados, a pessoa, quando menos espera, descobre que está perdida, pois está longe demais da verdade.

Há quem acredite que Jesus era filho de Deus. Há quem defenda que ele era um homem, que alcançou a iluminação, tal como outros líderes espirituais: Buda, Maomé... Há, ainda, quem negue que ele viveu na Terra.

Sua mensagem foi resumida por ele mesmo em dois mandamentos: "Ame a Deus sobre todas as coisas." e "Ame o seu próximo como a si mesmo." (Mt 22:37-40).

Desde os primórdios, quando vivíamos na selva, nosso principal objetivo, tal como os outros animais, era nos mantermos vivos. Para alcançar esse intento, alguns dizem que a máxima que impera nesse ambiente é "cada um por si". Outros afirmam que a regra é "juntos somos mais fortes".

Apesar de sermos, agora, civilizados, vivenciamos, a todo momento, situações em que oscilamos entre uma e outra, dependendo das circunstâncias...

Cada vez mais tenho sido invadido pela dúvida: eu cuido primeiro de mim ou do outro? Eu sei que se "as máscaras de oxigênio caírem" eu devo colocar primeiro a minha e depois ajudar o outro. E nas demais situações?

É possível me amar sem amar o outro?

É possível amar o outro sem me amar?

Como conciliar esses amores – por si e pelo outro – de modo harmônico?

Como evitar a armadilha milenar entre Amor e sexo, na qual todos estamos sujeitos a cair ao longo da vida? Sim, eu já li: isso acontece porque projetamos no outro aquilo que só dentro de cada um pode ser encontrado. A paixão é o momento em que acreditamos que a busca é finda: a felicidade eterna teria sido encontrada.

Alguns meses depois, contudo, a verdade vem à tona: o outro já não nos satisfaz como outrora. O sonho se transformou num pesadelo! O que aconteceu? Quem e o que mudou? Muitos de nós acreditamos que a fonte externa secou e é necessário recomeçar a busca do lado de fora...

Afinal, o que é amar?

Seria dar a sua vida pelos outros, tal como fez Jesus?

Já li várias vezes o Sermão de Montanha. Entender com a mente não é tão difícil. Vivê-lo, com todo o meu ser, é um desafio diário.

No momento em que a diversidade se amplia e requer respeito ao diferente, agradeço-lhe, Jesus, porque você ensinou, durante toda a sua vida, a cada pessoa como ela pode interagir de forma amorosa consigo, com o outro e com a natureza.

No momento em que o egoísmo e o materialismo se aprofundam, manifestos num consumo fulgaz, obrigado, Jesus, porque você mostrou que a vida transcende a essa breve viagem na Terra.

No momento em que se propaga o discurso de que não há felicidade nessa vida, mas apenas raros momentos alegres, grato lhe sou, Jesus, porque nos mostrastes que podemos e temos direito de que todos os dias sejam felizes, amorosos e santos.

No momento em que atos e palavras golpeantes contra a vida daqueles que têm a missão de divulgar sua mensagem se revelam ao mundo, obrigado, Jesus, pelo seu Amor infinito, porque Ele não se abala e continua firme.

No momento em que o conhecimento é fonte de poder e dominação, afastando as pessoas, ao invés de aproximá-las, agradeço-lhe, Jesus, pela Luz que emana de Ti, a qual me lembra que eu também posso recebê-la e partilhá-la, sendo necessário que eu me dispa de todas as certezas que me distanciam da vida plena.

Que eu encontre, cada vez mais, o pequenino que em mim habita e cuide muito bem dele, acolhendo-o na sua dor de abandono, invasão e rejeição.

Que eu perdoe todos aqueles que não cuidaram de mim como eu gostaria e possa, assim, descobrir e usufruir da Verdade: sou filho de Deus.

Que eu continue a jogar na fogueira as máscaras e armaduras, cuidadosamente elaboradas para me proteger do mundo, escondendo, até mesmo de mim, sentimentos, atitudes e pensamentos, que tornam a caminhada insuportável e sem alegria.

Que eu realize com êxito essa passagem e ajude outros a fazer o mesmo. Que aconteça, enfim, a Páscoa!

Ainda bem que tem chocolate todo dia e não somente no próximo domingo, afinal vou precisar de muita energia. ;-)

Comentários

Cristiana Moura disse…
Bela crônica-oração-meditação!
Que assim seja!
Assim seja.
Por aqui, em vez do chocolate, a rapadura. :)
Zoraya disse…
Amar e perdoar são,conforme ensinou Jesus, as grandes forças do Universo, a demonstração que somos Um com Deus Pai. Muito obrigada pela linda reflexão. Amém às suas palavras

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …