Pular para o conteúdo principal

ALGODÃO DOCE >> André Ferrer

Sábado, 12 de abril de 2014, aproximadamente 14:30 horas, terminal rodoviário de Assis, interior de São Paulo.

─ Este produto tem um segredo que ninguém revela. Egoísmo pra quê?! Eu mesmo já ensinei a técnica pra muita gente que hoje em dia trabalha no ramo.

De longe, escutei a cantilena pela enésima vez. Eu, aliás, e as três pessoas que, a uma curta distância, cercavam o vendedor de algodão doce. Conforme entendi, alguém no grupo queria saber como ele conseguia que a guloseima permanecesse íntegra desde cedo até aquele horário.

O homem ameaçava contar o segredo ao grupo. Ele tinha chegado bem perto, sempre se justificando com aquela história de ser íntegro e generoso, mas arremetia no último instante. Pela sua idade, entre 45 e 50 anos, logo vi que não tinha saído ileso à cafajestagem atual. E se alguém naquele grupo virasse um concorrente! Era-lhe difícil abrir o jogo naquela tarde.

Houve um tempo em que a gratidão e o respeito das pessoas tornavam essa escolha bem simples. Meu bisavô materno, por exemplo, foi pioneiro da serralheria em Bandeirantes  município norte-paranaense de 32.182 habitantes (Censo IBGE/2010), justamente onde eu nasci. Com meu avô Antônio Ferrer Palomares e tios-avôs, ele ensinou a arte dos rufos e grades numa época em que a madeira era substituída por ferro e latão. Inúmeros jovens aprendizes passaram pelas oficinas dos espanhóis entre os anos de 1960 e 1970.

Panificadora, restaurante, bar, sorveteria e mercearia constituíram a vida profissional do meu avô paterno. José Domiciano, que hoje empresta o nome a uma das ruas de Bandeirantes era um bom mineiro. Quietinho, ele guardava os seus segredos, mas também era generoso e ensinou muita gente que trabalhou com ele em Minas e no Paraná. Meu pai, então, nem se fala! O Sr. Paulo empregou e formou vários profissionais da reparação automotiva e do comércio de autopeças.

De volta à rodoviária de Assis, o homem ainda hesitava no momento em que o meu ônibus encostou. Ele não conseguia contar o segredo. Não conseguia negar. E os seus avanços e recuos beiravam a comicidade. Principalmente quando enfiava coisas quase esotéricas na sua explicação: amor à profissão, mão boa, alto astral, enfim, clima, temperatura, umidade relativa do ar. Naquela alma generosa, porém distorcida pelo mau-caratismo dos novos tempos, travava-se uma luta inglória. Ele não queria ser traído nem passar por egoísta.

Já embarcado, espiando através da janela do ônibus, eu constatei que ele ainda não queria essas duas coisas.

Algumas linhas acima, devo ter exagerado. Inevitável quando escrevemos sobre o nosso clã. Desculpe, leitor, mas foi necessário. Tais apelos à história familiar nada têm de gratuito nesta crônica. Foi a única maneira que encontrei para expressar a minha empatia pelo indeciso vendedor de algodão doce. Dividido entre a obrigação de ser generoso (isso faz parte da minha formação) e a necessidade de ser cauteloso (litros e litros de água quente têm escaldado a minha pele de gato perdido), compreendi a profundidade escondida no comportamento contraditório daquele homem.

Comentários

Somos nós. Sempre procurando o equilíbrio na corda bamba. :)
Zoraya disse…
Amei a frase "... escaldado a minha pele de gato perdido". Bonito texto, delicado com nossas contradições. Bjs.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …