Pular para o conteúdo principal

SODAMA >> Albir José Inácio da Silva

Da varanda da casa nova, ainda nos acabamentos, Ernesto observa o Sodama. Que destino dar ao sobrado depois das eleições?

Quanto a estas, as eleições, fez o que tinha de fazer e devia estar tranqüilo, mas não está. Alguma coisa impede a sua paz. Não consegue confiar nos eleitores, mesmo quando lhe fazem festa. Ernesto acha que merece respeito e gratidão daquela gente e espera que o reconhecimento venha através do voto.

Mas sua mente retorna ao Sodama. Há muitos anos o lugar estava em ruínas e muito trabalhou ali, quando não tinha dinheiro, para que ficasse habitável. Fugira de Minas numa carroça, com meia dúzia de tralhas que juntou às pressas depois de um crime de sangue. Muitos dias no mato, atravessou morros e rios, e chegou àquele lugar.

Lembra que olhava desanimado e faminto para o sobrado, o capim entrando pelas janelas, quando viu, saindo da estrada, um bando de mulheres. Estavam péssimas: roupas rasgadas, mancando umas, outras feridas, duas com sangue já seco no lado do rosto. Com medo, custaram a se aproximar.

— O senhor sabe quem é o dono daqui? Ouvimos dizer que está abandonado, mas nunca se sabe, né?

Ernesto já ia dizendo que não, também estava de passagem por ali, mas a esperteza falou mais alto.

— O dono sou eu. É de nossa família. Está meio abandonado porque a gente tem outras propriedades, mas agora eu tô chegando aqui pra cuidar.

— A gente tá um caco, moço. Será que não dá pra se abrigar até resolver o que fazer da nossa vida?

Não conseguiram evitar tremura e lágrimas quando contaram a história. Funcionavam numa discreta casa de cômodos na cidade, e não faziam mal a ninguém, quando a perseguição começou. As mulheres, desconfiadas de que aquele lugar atraía seus maridos, antes tão honestos, começaram com xingamentos na rua, vassouradas nas meninas, e depois pedras contra o telhado.

Com apoio das autoridades religiosas e sob vista grossa das administrativas, depois de barulhenta campanha pela moral, as senhoras atearam fogo na casa e as moças foram expulsas da cidade no meio da noite. E é por isso que estavam ali, estropiadas por socos, pontapés e horas de escuridão pelos caminhos.

Amanhecia e os olhos de Ernesto também se iluminaram.

— Só não me aborreço com as meninas porque vocês não têm obrigação de me conhecer. Conhecessem, e saberiam que Ernesto jamais deixaria damas tão distintas no desamparo.

Quase tão destruídas quanto a casa, as mulheres ainda assim trabalharam muitas horas, dias, para limpar, capinar e consertar, sob o comando firme e carinhoso de Ernesto.

Muito suor e pouca comida depois, o lugar foi aberto, mas, longe da cidade, não havia clientes. Diligência e esperteza, entretanto, não faltavam a Ernesto. Carroça cheia, descia o chicote no burro até o Centro com a desculpa de vender bugigangas. O que fazia, na verdade, era informar aos homens que encontrava o novo endereço da alegria. Exaltava a beleza das meninas, o conforto das instalações, o preço justo e a discrição do lugar, agora não mais exposto aos olhos das fofoqueiras e dos fiscais da felicidade alheia.

Empresário, cuidando sozinho dos negócios, do pessoal, das finanças, do marketing, Ernesto se considerava merecedor do sucesso. E o sucesso veio rápido. Os clientes foram chegando, timidamente a princípio, mas logo em bandos ruidosos. Os bares da cidade começaram a ficar vazios e a madrugada mudou de endereço.

(Continua em 15 dias)

Comentários

Você escreve bem demais, Albir! Que bela variedade de artifícios! Com um final como esse, "a madrugada mudou de endereço", não precisava nem de continuação, mas claro que já estou antecipando o meu relógio para que 21 de abril chegue mais cedo. :)
Zoraya disse…
ahhhh, que maldade! não dá pra mandar pro meu email a continuaçao, antes do dia 21 nao? rssrs Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …