Pular para o conteúdo principal

CARTA-RENÚNCIA >> Carla Dias >>

O universo transpira ao seu favor, fazendo a vez de fada madrinha emburrada, e ocupadíssima, toda vez que você, desapegado da justiça coletiva, pisa no pé da verdade, jurando que a dor que ela sente é, de fato, afeto desmedido.

O desmedido, e lhe digo isso por experiência na aplicação, nunca faz serviço decente. Não adianta cometê-lo usando a máscara da gentileza, valendo-se dos trejeitos da felicidade. O desmedido é, por definição, desproporcional à empatia.

Mas quem sou eu para alertá-lo sobre os sentidos, não? Alguém que observa a sua rotina de desmazelos, de desculpas impregnadas de suspiros que acabam por enfeitiçar aos que tiraram o dia para se tornarem vítimas da sedução barata da palavra dita em versos, chamada poesia por pura falta de fineza seria gritá-la pelo nome apropriado: repetições.

Sobre as repetições, devo lhe dizer que elas sim têm valor. Repetições são inevitáveis, e podem ser certeiras se às voltas com a sinceridade. Não fosse assim, dizer “eu te amo” a alguém, mesmo amando esse alguém de fato, soaria como o refrão de uma canção ruim. Na repetição das declarações de amor o que vale é o ineditismo do sentimento, o seu frescor, a sua naturalidade. E depois, a sua evolução desapegada da memorização, e completamente entregue ao improviso.

Improvisos enfeitam sentimentos e surpreendem expectativas.

Se quiser, escolada que ando no seu vocabulário, de tanto ficar à mercê da sua existência, posso lhe cantar repetições abrilhantadas pela minha eficaz habilidade em lhe gostar, com direito às repetições inéditas, descarada que me tornei por tanto insistir no que jamais será da minha alçada: você.

Mas antes de sair de cena, devo lhe alertar: a boa sorte anda exasperada de tanta incompetência sua em se fazer merecedor dos seus abrandamentos. Ela não se conforma com esse tratamento que você anda lhe oferecendo, como se ela fosse, na melhor das hipóteses, um direito. De direito ela oferece apenas a oportunidade de cortejá-la, e já a vi se negar a vingar na vida de uns e outros que lhe ofereceram bem mais do que você insiste em dizer ser suficiente.

Quanto ao suficiente, quase sempre ele é insuficiente, e por pura lógica: o que você tem a oferecer nem sempre é o que o outro merece receber. A sincronia entre o oferecido e o merecido é um daqueles pequenos milagres dos quais ignoramos a importância, só porque ele acontece silenciosamente, dando a impressão de que nada mudou, enquanto, na verdade, ele se tornou o alicerce dos melhores acontecimentos da sua vida.

Lamento não poder lhe oferecer mais tempo para lamentar o que falta, oferecendo-lhe meus ouvidos, minha alma e o meu tempo ao embalar seus suspiros oriundos de uma encenação barata de infelicidade que você nem sente, mas gosta de acessar para se sentir confortável com o desconforto alheio.

Sobre o desconforto, em algum momento ele deixa de ser do outro.


carladias.com

Comentários

Eita, essa semana a mulher veio quente! :)
Zoraya disse…
Carla, essa última frase ficou um primor - acompanhando o resto do texto.
Carla Dias disse…
Eduardo... Me deu vontade de café fresco e quentinho :)

Zoraya... Estou estudando o efeito das últimas frases na minha alma.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …