Pular para o conteúdo principal

O PODEROSO E A MARMOTA
[Carla Cintia Conteiro]


Dizem por aí que se você realmente quiser conhecer um homem, é preciso dar-lhe poder e se você quiser saber quem é uma mulher, basta separar-se dela. Maldade! Há mulheres poderosíssimas sem noção e muitos homens mal-amados. De qualquer forma, como o que determina as ações e reações de um ser humano é a sua capacidade de resiliência e sua autoestima, aí estão as situações em que uma pessoa vai se mostrar integralmente.  Pois não é alguém com o auto-conceito bem avacalhado que sentirá prazer em pisar em outro ser humano? Do que é capaz quem carece dos instrumentos psicológicos para seguir em frente depois de uma rasteira amorosa?

Fair play e classe atestam o bom berço. Elegância quando se está ganhando ou perdendo também pode ser a parte visível de quem teve a sorte de encontrar algum bom mestre pelo caminho em algum momento na vida. Sobretudo, distinção e dignidade nos momentos de glória ou miséria fazem parte daquilo que temos de mais íntimo, aquilo que alguns chamam de caráter. É isso que pode dominar aquele instinto espírito de porco de humilhar um subalterno ou arranhar o carro novo do ex.

Sabe aquele momento em que o chão se abre sob nossos pés? Bem quando alguém pensa que tem o outro na mão, num relacionamento sólido e inabalável e, sem aviso ou depois de ignorar todos eles, toma um pé na bunda ou não há qualquer outra opção senão por um ponto final em tudo? Esta é a hora em que a porca torce o rabo. Quem vai chorar abraçando o travesseiro por um tempo e depois levar a vida adiante, a renovar a alegria todos os dias? Quem vai traçar planos mirabolantes de vingança? Quem vai abandoná-los e até rir deles e quem vai tentar levá-los a cabo? Quem vai procurar todas as chances de infernizar a vida alheia, numa busca desesperada pela atenção irremediavelmente perdida, abrindo mão de todas as chances de buscar a própria felicidade em troca da ilusão de que poderá impedir a felicidade alheia? Quem vai ficar preso ao dia da marmota? Quem vai dar a volta por cima?

As medeias demonstram sua pouca evolução espiritual não apenas com sua dificuldade em perdoar, mas na incapacidade de escolher a luta mais adequada aos mentalmente saudáveis: a busca por seu contentamento, não pelo desgosto dos outros. Porque o sofrimento não é licença para a perversidade, nem a retirada do amor eterno prometido ou imaginado é crime punível com prisão perpétua a uma alma atormentada. Pelo contrário, até aqui no Brasil, cada vez mais a Justiça se sensibiliza com aqueles que são vitimas da ira dos recalcados e dos rejeitados. A Lei Maria da Penha não é só para mulheres. Homens também podem denunciar agressões sofridas. O stalking, cujo significado literal é “atacar à espreita”, também conhecido como síndrome do molestador, ainda é considerado apenas contravenção penal por essas bandas, mas isso vai mudar em breve, se tudo der certo. Essa odiosa prática de uma pessoa insistir em perseguir outra, mesmo sabendo que esta não o deseja por perto, segue a passos céleres para a criminalização.

Entretanto, ao contrário do que se pensa, não é apenas a dor que faz aflorar o lado sombrio das criaturas humanas. Um momento de fortuna, que irá empoderar o sujeito, pode colocá-lo diante de seu monstro interior. Pode ser que, secretamente, ele tenha imaginado a vida inteira ser merecedor de mais do que tinha e, agora, quando finalmente alguém lhe atribui valor e ele galga algumas posições hierárquicas ou sociais, não precisa mais disfarçar a vontade de vingar-se de todas as humilhações sofridas ou fantasiadas.

Aquele que espezinha quem pretende em posição inferior à sua pode pensar que engana alguém com seu nariz empinado, mas todo mundo sabe que ele é um coitado, cheio de traumas não curados, provavelmente mal dotado no físico - certamente no espírito.

Também o chefe mau tem que ficar mais atento, contudo. Assédio moral no ambiente de trabalho é passível de punição não apenas dentro da própria empresa, mas diante de um juiz. Tendo tudo documentado, com ajuda de testemunhas, é só buscar uma das Delegacias Regionais do Trabalho e lutar pelos seus direitos para acabar com os abusos.

Assim, os dois tipos, tanto o opressor quanto o perseguidor, padecerão no inferno do desamor e da mais profunda solidão existencial, enquanto não lançarem sobre si mesmos um olhar franco e misericordioso. Acompanhamento médico e psicoterapia são indicados. Algum auxílio espiritual também. Até porque, entre outras coisas, correm o risco de terem que cumprir uma etapa atrás das grades.

Comentários

Tina Bau Couto disse…
Boas e úteis reflexões e ponderações.
Li outro dia uma frase que me lembrei ao começar a ler a crônica:
"Quer conhecer bem uma pessoa?
Diga não para ela."
Boa, Tina! É isso mesmo, é essa a ideia.
Obrigada.
Um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …