Pular para o conteúdo principal

INCOERÊNCIAS >> Zoraya Cesar



Um dos grandes desafios a que se propõe um ser humano em busca de evolução espiritual é andar na estrada estreita da coerência. Afinar o discurso com a prática e não deixar que seus impulsos mais primitivos ditem o seu comportamento exigem certa dose de sacrifício e exercícios diários. Alguns anos de prática, vigilância constante e oração permanente acabam por demonstrar que, na verdade, é muito mais fácil você fazer as escolhas certas e viver de acordo com elas, mas o fato é que nem sempre, e nem todos nós, conseguimos nos manter firmes no caminhar da estrada reta do ser quem se é, sem máscaras.

E a inconstância da qual somos feitos todos acaba por alimentar o lado escuro da Força, e olha nós aí de novo caindo em tentação. Pensamos que nos conhecemos muito bem, ou àquela melhor amiga, colega de trabalho, vizinho, e de repente somos apresentados a comportamentos totalmente diversos daqueles que esperávamos. E, como o vento que sopra lá também sacode o coqueiro daqui, pode acontecer de presenciarmos aquele ogro, aquela megera assumidos que, do nada, tomam uma atitude inteiramente avessa ao que pensamos ser o seu caráter.

Tomemos como exemplo você, que está aí, lendo essa crônica. Sim, você. Uma pessoa correta, honesta, não rouba, não se locupleta, não recebe nem um centavo de troco a mais, e, no entanto não hesita em contratar um hacker para quebrar a senha do correio eletrônico do seu namorado, marido, esposa, ou o que seja. O pior é que nem é por ciúmes não. Mas ficou curioso, procurou a oportunidade e aí... caiu na tentação.

Você já deve ter ouvido falar de algum gerente de uma empresa qualquer, acostumado a demitir pessoas todos os meses, porque resolveu implantar a maldita da reengenharia e pronto. Sai cortando cabeças sem dó, passa a caneta e olha para o outro lado. Um desalmado, um insensível. Que, ao chegar em casa, trocando uns dedos de prosa (nossa, como isso é antigo) com o porteiro, descobre que ele não conseguiu matricular o filho na escola municipal por falta de vagas. Mais tarde, o desalmado dá uns telefonemas e consegue uma bolsa de estudos para o menino numa ótima escola no mesmo bairro onde moram. E ainda paga o uniforme e o material escolar. E pede para o porteiro não comentar com ninguém.

Rapaz, você é o sonho de toda sogra. Trabalhador, honesto, doador de sangue, faz trabalhos voluntários, gentil, não levanta a voz nem quando está com raiva, se é que você sabe o que é isso, tão tranqüilo é. Zen. Isso quase definiria você não fosse o hábito, totalmente desconhecido aos amigos, de humilhar os subalternos no ambiente de trabalho, às vezes aos berros, em decibéis que sua família nem sabia que sua voz poderia alcançar.

E quem não conhece um salafrário? Aquela pessoa capaz de insinuar ao namorado da melhor amiga que ela não é tão fiel quanto ele julga; que angaria os louros por uma idéia que não foi sua; que sabota um colega de trabalho só porque não gosta dele. Quadro completo? Pois bem, agora o outro lado dessa moeda. Ao passar na rua, esse safardana percebe um vulto escondido debaixo de um carro; curioso, nosso conhecido se agacha e vê um gatinho abandonado e assustado, que provavelmente morrerá em breve, esmagado pela roda do carro, de fome ou de maldade. Ele hesita, hesita, e acaba por pegar o gatinho e leva-o para casa. Não podia deixar o bichinho ali, daquele jeito.

Ainda bem que podemos ser tão incoerentes, por vezes, não?

E aí, terminamos com alguma lição de moral? Não. Tampouco lembraremos que nem todo mundo, ou melhor, quase ninguém é o que parece. Nem aconselharemos a tomar cuidado com as aparências, ou a não fazer julgamentos apressados, percepções que você, a essa altura da vida, já deve saber muito bem, não serei eu a ensinar Padre Nosso a vigário (e lá vamos desenterrar outra antiguidade).

Terminaremos com duas singelas e inocentes perguntas: o que você é capaz de fazer em segredo que os outros sequer desconfiam? Você consegue controlar o lado escuro da Força?

Comentários

Mauro disse…
Sim... controlar o Lado Escuro... Muito poder no Lado Escuro... kkkkkkkkkkkkkk
Ótima crônica, Zô (Isso tá virando cliché, já). Todo mundo tem um lado bom, e um lado ruim (exceto as sogras - essas são feitas de outro material). Bjos, adorei!
Cecilia Radetic disse…
Oi Zo, ótima crônica. Somos feitos de dualidades... Quem não tem seu lado luz e lado sombra?
Acho que até as sogras tem um lado luz... kkkk
Erica disse…
O lado escuro pode ser negrume total ou somente uma sombra, de leve, mas é difícil não ter o lado escuro... Às vezes a gente se pega sendo meio "monstra", sem querer, e de repente se apercebe da injustiça que estamos cometendo, mas aí já era... rs É difícil ficar de plantão 100% do tempo, vigiando as nossas próprias atitudes... mais facil vigiar as dos outros não é? hahaha
aretuza disse…
Meu lado claro gostou muito da crônica, e meu lado escuro ficou muito mais escuro por ter que correr para o dicionário para saber o que é "locupletar"!!!!!
Dé Araújo disse…
Achei bem legal esse retrato do ser humano que vc fez, as pessoas não são preto ou branco, somos mesmo uma mistura, que, muitas vezes, parece até incoerente. Mas cada um tem a sua própria coerência, a sua maneira particular de lidar com o trabalho, os amigos, os amores, as tentações, e isso é meio difícil de aceitar, queremos logo identificar o sujeito e dar-lhe uma etiqueta, assim, pensamos saber com quem estamos lidando. Gostei mesmo, parabéns.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …