Pular para o conteúdo principal

A IMPORTÂNCIA DESSE OLHAR >> Carla Dias >>


É isso: pessoas nascem, vivem e morrem, às vezes deixam um legado a ser apreciado pela humanidade, em outras passam pela vida ao toque da tranquilidade escolhida. E muitos também deixam marcas que se tornam cicatrizes não somente imputadas às pessoas que viveram a situação, mas também à história do seu povo.

Há quem insista que a vida é somente aquela que vive, criando muros que delimitam o alcance da sua existência. Essas pessoas chamam isso de segurança, como a que oferecem a porta do barraco ou as câmeras do condomínio. Frágil segurança, não?

Viver ligado somente ao que compreende e atende às necessidades, às pessoas que vivem no mesmo ambiente, fechar-se ao que acontece a nossa volta não é, e nunca foi, a melhor maneira de se escrever a própria história, quiçá a de um país. E não insinuo que devam abrir as portas de seus barracos ou desligar as câmeras de segurança do condomínio. Falo sobre abrir os olhos, apenas isso, porque o resultado pode ser gratificante para o indivíduo e definitivo para o coletivo.

Nós progredimos, e se mencionarmos sobre como as coisas caminhavam há algumas décadas, fazendo um paralelo com como elas são agora, só a tecnologia apontará para mudanças estratosféricas. Nós evoluímos porque somos curiosos de plantão, porque pensamos o impensável. Evoluímos como profissionais capazes de fazer progressos científicos, de pensar o planeta de uma forma muito mais confortável ao ser humano.

Há muito a ser celebrado. 

Há também muito a ser repensado.

É que, frequentemente, nos vemos presos nessas bolhas onde construímos a nossa realidade que é somente parecida com os sonhos que tivemos. E também à sensação de que basta ser alguém nesse meio escolhido. Nosso olhar fica embaçado, cuidamos bem dos nossos afetos e colocamos nossos planos em andamento, como se no mundo mais nada acontecesse. Como se os dramas fossem apenas os que encaramos diariamente, empapuçados na rotina da dinâmica que mantemos com os que compartilham do mesmo espaço no mundo, na existência.

Escutei de uma pessoa esclarecida, que considero inteligente e conhecedora das mazelas da vida, que o mundo anda tão ruim que é melhor mesmo continuar a levar a vidinha de sempre, sem receber notícias que em nada tenham a ver com ele. Sabe como? Desligar-se do que aflige aos outros, criar um texto pronto para justificar a falta de importância com a qual muitos são tratados. Tratar como “coisas da vida” o fato de que a miséria ronda os arredores, que há sim quem se alimentaria por dias do que você comeu no jantar. De que há corrupção na política, na saúde, há conivência que amplifica a violência. E desrespeito com aqueles que, privados da própria cultura, são agora tribos que recorrem ao impossível para não serem partidas ao meio. E isso tudo, a meu ver, não são coisas da vida... São coisas do homem que, tendo sucesso no progresso, esqueceu-se de evoluir como ser humano.

É claro que o meu universo me conforta. Eu tento mantê-lo de forma que isso aconteça, é o que todos buscamos: uma vida que seja boa de ser vivida. Mas não fechar os olhos tem me ajudado de um jeito que qualquer conquista, ainda que o prazer através de carnês oriundos da sessão de eletrônicos de uma loja, não seja a última. E, principalmente, que não sejam apenas as que enfeitam o cenário da minha realidade.

Não é preciso abrir as portas dos barracos ou desligar as câmeras de segurança dos condomínios. Não estou panfletando sobre você ser outro que não esse que escolheu ser. Abrir os olhos, observar o que acontece a sua volta, pode colocá-lo na posição de, algum dia, ser uma das pessoas das quais o conhecimento e a opinião possa se juntar a de outros, fazendo a diferença na vida daqueles que dependem desse olhar mais atento.

Não acredite na bobagem que corre solta por aí. Uma pessoa pode sim fazer toda a diferença. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …