Pular para o conteúdo principal

O QUE DIZER? >> Carla Dias >>

Dizem por aí que o país foi à lona, ao invés de ir à forra, e que por isso morremos pela boca, já que demos de mastigar indiferença há tempos. E que me desculpem, mas apenas se quiserem - se realmente quiserem -, os que assinam embaixo de tal declaração. É que o meu país jamais morrerá por falta de desejo de continuar em pé. Não será nocauteado ou irá à forra, porque ir à forra é também comandar revoluções desimportantes. Meu país, esse que vai além do país-umbigo, que nem dá bola para país-megalomaníaco, é sonhado a cada noite, e até durante o dia, por sonhadores conectados pelos desejos coletivos: praças, jardins, alamedas, casa, comida, educação, felicidade, e nem me venha rotular colando a palavra na minha testa, tentando me fazer parecer atração principal do circo dos horrores sentimentais. Não se trata de utopia, mas do fato de que o sonho tem alimentado as grandes realizações que hoje comandam a nossa realidade, até mesmo essa precária realidade que teima ser a principal, de ficar à vista. E que é desentendida com a capacidade do ser humano em ser humano.

Realidade é um tanto de sonhos desabrochados. Qual cor, tempero, cheiro você quer que a sua tenha?

Dizem por aí que a decadência será a rainha das próximas décadas, abastada que anda, sendo admirada por tantos, por aqueles que temem que ela se exploda e não tenha mais as migalhas para oferecer. A decadência vive entre nós desde sempre, balançando sua saia puída, fazendo-se presente na concepção dos nossos planos, rasgando o verbo quando a vez é do silêncio. Por isso mesmo não lhe confio o meu destino. A decadência é o deslumbre pelo ócio, a paralisia da capacidade de nos emocionarmos. Enquanto houver movimento – os lábios, os cabelos, os pés, os sentimentos, as mãos, as palavras gritadas ao vento, os toques, os assovios... – haverá também a opção de a decadência viver sua existência esnobe em algum canto, solitária, desprovida do direito de se alimentar da gente. Viverá em algum lugar distante o suficiente para que não lhe reconheçamos a existência, permitindo-nos não limitar na constatação errática de que ela, a decadência, é mais forte e competente que a vida que escolhemos viver.

Na minha vida cabem horas e horas de labuta em prol da inexistência da decadência.

Dizem por aí que a arte deixou de ser criativa por ter sido apropriada por homens que sabem fazer chover dinheiro... Mas apenas em seus bolsos. Que o que vemos – escancaradamente – é o que temos. Há quem lamente a herança que deixará aos seus, declamando a tristeza de haver apenas sucesso criado, arte descartável, descaso pela criatividade. Compreendo esses momentos de desconsolo, em que tudo parece cinza e definitivo. Quem já não se viu aliciado por eles? Mas como acreditar nisso ao se deparar com aqueles que, mediante todas as provações possíveis, levantam-se dos tombos, protegem os seus – afetos e sonhos e planos e desejos – dos rompantes da fatalidade, tirando da experimentação constante que há na vida o principal ingrediente para a sua criação. E pintam cenários em muros, dançam pelas ruas, criam canções, histórias, constroem relacionamentos para o sempre. Percebem a vida com a intimidade de quem não teme sua fragilidade ou sua intensidade. Quem quiser que olhe a sua volta, que procure além dos holofotes, que se permita reconhecer que não... A arte não deixou de ser criativa. Apenas os olhares não a enxergam onde ela realmente mora nos dias de hoje, linda, vestida com liberdade.

Dizem por aí que o amor já era. Pobrezinho, anda sozinho, abandonado pela coragem do homem de abrir mão da conveniência e se atirar às turbulências que esse sentimento oferece. Que melhor é permanecer distante, porque o amor tem a capacidade de amolecer coração e nos fazer de bobos, e de nos deixar à mercê das enganações, das trapaças emocionais. E para que se machucar quando há a opção de se proteger? Para que correr o risco de acreditar? Não sei... O amor, na minha humilde visão, vai além do que dói na gente. Não fosse ele, a existência seria árida. Não haveria olhar compartilhado, afeto, compatibilidade. As tribos seriam pessoas vivendo em torno do que as mantêm respirando. A empatia seria artigo para solitários rotulados insensatos, loucos até. E eles acabariam mesmo por enlouquecer por não compreenderem por que sentir o que sentiam. O sorriso da criança inexistiria na sua forma de tenra alegria. As mulheres iriam parir somente cidadãos, ao invés de filhos. Os homens alimentariam estatísticas e não sua prole. O amante não escorregaria sobre o corpo da amante com a languidez do desejo. Seríamos máquinas de carne e osso. Então, como acreditar que amor, apesar de todas as tempestades que ele causa na vida da gente, pode acabar? Enfim, na minha humilde visão, o que dizem por aí nem sempre é saudável ou verdadeiro. Nem sempre descreve o que temos ou desejamos.

O que você me diz sobre isso?



Imagens: Roberto Bieto

carladias.com

Comentários

albir disse…
Carla,
é preciso arte para enxergar através do cinza e da utilidade.
Beijo.
Carla Dias disse…
Albir... Concordo completamente. Beijos!
Carla, eu lhe digo que me calo, reverente, olhos vazados, coração ajoelhado, diante de suas palavras: "Realidade é um tanto de sonhos desabrochados."
Carla, eu lhe digo que VOCÊ é pura arte!
Bjs
Carla Dias disse…
Eduardo... Suas palavras são mais poesia do que minha realidade que é um tanto de sonhos desabrochados. Obrigada por isso.

Marisa... E eu lhe agradeço pelas palavras.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …