quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A MELHOR CASA DO MUNDO
>> Fernanda Pinho


O que eu faço da vida? Definindo simploriamente, escrevo sobre casas. Apartamentos triplex, puro mármore carrara, com vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas. Mansões sustentáveis com telhados verdes, referência arquitetônica em Cingapura. Moradas espanholas esculpidas em concreto, praticamente obras de arte contemporânea. Lofts californianos, ousadia em layout, mobiliário e design.

Escrevo com honestidade, gosto do que faço e, obviamente, sempre que abro o material fotográfico, a primeira coisa que me passa pela cabeça é “ah, se eu morasse nessa casa”. Mas não passa de um suspiro. Não chega a ser uma ambição nem ao menos um desejo.  Não sou de muitas pretensões. Sou de uma pretensão única: ser feliz. E, sabe, eu consigo ser feliz na minha própria casa. Pode parecer romântico, ingênuo ou até forçado o que eu vou dizer, mas eu realmente acredito que o que faz de uma casa um lar não é o material que a construiu, mas os sentimentos que a mantém erguida.  A intimidade que temos com a casa é proporcional à cumplicidade que temos com as pessoas que moram conosco. 

A fachada do meu prédio não é revestida de granito negro universo. Minha sala não tem pé-direito duplo. Não tenho vista para a Serra do Curral. Não há uma adega climatizada embaixo da escada, nem lareira, nem banheira.  E nada disso impede que seja o único lugar em todo esse planeta onde eu me sinto verdadeiramente tranquila, confortável e segura. Pois eu sei que a tesoura está sempre na primeira gaveta do banheiro. Que se eu abrir muito a torneira do tanque, o fluxo de água da pia da cozinha vai diminuir. Que a lampadazinha do corredor ficou sete anos queimada. Que no chaveiro de metal não tem chave que abre o portão. Que as fotos ficam nas caixas de sapato entulhadas no maleiro da estante da salinha de TV. Que o tapete da sala foi feito pela minha mãe. Que só sentamos à mesa de jantar se houver visita. Que se a visita for muito importante, a mesa será coberta com o forro de linho branco.  Que os enfeites de natal estão numa caixa, na estante da sala. Que as ferramentas estão numa maletinha preta e os esmaltes numa maletinha rosa. Que o telefone da pizzaria preferida está na primeira página da agenda, e não na letra P. São banalidades, mas são as nossas banalidades. Me solta em qualquer outra casa do mundo e eu não saberei onde procurar uma tesoura. E nem quero saber. Minha tesoura está aqui. E meus tesouros também.


Partilhar

6 comentários:

Jujú disse...

Tão real isso, né amiga?

Como dizem: não há lugar como nosso lar! E não há mesmo.

Mas quando vc casar, vai entender que existem dois lares. O seu e a casa dos seus pais. Porque é incrível como nos sentimos em nosso lar, mesmo não sendo mais "nosso" lar!!! Eu até hj falo "lá em casa" quando me refiro a casa dos meus pais!rs

Beijos

Marilza disse...

Fernanda, que crônica mais linda e verdadeira. O melhor lugar do mundo, certamente, é a nossa casa. Ela tem a nossa marca, as nossas coisas, a nossa característica. É pessoal, tem calor, sentimento, emoção, tem bagunça, mas tem ordem também. É o lugar onde nos sentimentos felizes.
E pra onde vamos quando queremos achego e proteção. E pra mim, particularmente, melhor do tudo isso é a simplicidade que me faz feliz. Porque sou eu quem arrumo, eu sei também onde estão meus 'tesouros'....É o carinho de cuidar daquilo que nos faz feliz...

albir disse...

Fernanda,
me lembrou Alberto Caeiro:
"Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia."
Linda crônica!

..DONA DAS BATATAS.. disse...

Ler sua crôncia me aqueceu como o edredon com estampa de flores que está no maleiro perto da minha cama.

Carla Dias disse...

Uma das mais belas descrições e um lar que eu já li. Lindo, lindo...

wman disse...

kauakaua Como é gostoso ler seus textos!