Pular para o conteúdo principal

SEMPRE AO SEU LADO >> Clara Braga

Há três anos meu cachorro, um poodle branco chamado Iky, faleceu. Pela situação dele, pode-se dizer que ele até durou bastante, morreu com 12 anos e era mais fácil dizer quais doenças ele não tinha do que as que tinha. De hérnia de disco a problema no coração, ele teve tudo, e eu nem sabia que cachorros tinham hérnia.

Depois que ele faleceu, eu passei a não conseguir mais assistir a filmes de cachorro sem chorar. Aqueles filmes meio sessão da tarde, onde o cachorro joga basquete, nada, corre e só falta ser trapezista, eu não consigo assistir porque são ruins mesmo, mas filmes como Marley e eu já não dá, e olha que Marley e eu nem é assim tão fantástico.

Outro dia estava passando no Telecine um filme chamado Sempre ao seu lado. Eu nunca tinha ouvido falar, mas vi que tinha um cachorro na história. Como o filme tinha acabado de começar, eu resolvi assistir, mas para não ser pega de surpresa, entrei na internet e pesquisei se o cachorro morria no final. Se ele morresse, eu não assistiria.

Pesquisa feita e o cachorro não morre, ou seja, posso assistir. Para quem já viu o filme, sabe que eu cometi um grave erro. O filme é tão triste quanto se o cachorro tivesse morrido, aliás, chega um ponto no filme que você se pergunta se não era melhor o cachorro ter morrido logo. Eu chorei do meio ao fim do filme, e no fim eles te contam que a história é real, o que me fez continuar chorando até depois que o filme acabou.

A história, que eu não vou contar para não cortar o barato de quem ainda vai assistir, aconteceu na China e é contada nas escolas para ensinar crianças sobre a lealdade. O cachorro realmente é um bom símbolo de lealdade, e acho que é esse o ponto que mexe mais comigo. Eu não cuidei direito do meu cachorro, ele, como acontece em muitos casos, chegou aqui em casa quando eu era muito pequena, e por isso acabou sobrando para a minha mãe. Ela que passeava com ele, levava ao veterinário, dava banho e eu ficava ali de coadjuvante, ajudando de vez em quando.

Depois que ele morreu, ficou uma pontinha de culpa, uma vontade de ter feito mais por ele, que sempre fazia companhia a todos aqui de casa e também fazia uma grande festa quando qualquer um de nós chegávamos da rua. Minha mãe diz que eu vou me redimir quando eu tiver meus filhos e o cachorrinho deles sobrar pra mim, mas não sei se vai ser a mesma coisa.

Sem querer levar esse papo para um lado muito filosófico, mas já levando, infelizmente esse é um mal que muitos, se não todos, sofrem: só aprender a dar o real valor depois que perde. É horrível quando a gente percebe que fez isso, mas é difícil perceber que se está fazendo no momento. Acho que todo o mundo está vivendo um momento muito egoísta, temos que tomar cuidado e cuidar dos que estão próximos da gente, seja um cachorro, um gato, um papagaio, uma mãe, um irmão, um tio, um namorado, qualquer coisa, para depois não sobrar só a pontinha de culpa.

Comentários

Debora Bottcher disse…
Vc tem toda razão: a gente só dá valor às coisas, pessoas e animais depois que os perde. Acho que é da natureza humana e não adianta muito a gente alertar - todo mundo parece que tem que passar pra entender e sentir.
Quanto a cães, eu que sou muito apegada aos meus - hoje tenho dois (uma labrador e uma basset) -, te digo que são um tesouro enorme, puro amor desinteressado, quem sabe um dos poucos verdadeiros...
Quem sabe vc não se anima a ter outro, antes de ter os filhos? Vale a pena, sempre... Beijo pra vc.
Abner Martins disse…
...era o que eu ía dizer agora: Cuidemos e olhemos mais para os que estão ao nosso lado, seja um mendigo ou a menina q vende balas no cruzamento. Seja um animalzinho ou um ancião que cruza a rua...

boas para todos.

abnerlmesmo.blogspot.com
Marilza disse…
Clara, pura verdade! O mundo anda tão egoísta... vemos tantas atrocidades por aí que chega a assustar.
Eu também chorei ao ver esse filma "Sempre ao Seu lado"....me desmanchei, achei que fosse surtar porque AMO de paixão bicho. Sou defensora, amiga, presente e viro um 'bicho' (olha o trocadilho) se vejo alguém praticando alguma maldade. Mas, ainda dá tempo de vc se redimir...quem sabe arrumando outro. Nada que substitua, mas, so um fofinho pra companhia.
a historia eh JAPONESA! http://en.wikipedia.org/wiki/Hachik%C5%8D
Anônimo disse…
Oi Clara, eu assisti ao filme no mesmo dia que vc, e chorei muito, o filme é realmente lindo, tanto que no dia seguinte, comprei o dvd e minha filha de 11 anos convidou as amiguinhas dela para assistir aqui em casa, nem preciso dizer que as crianças foram às lágrimas, mas de tudo isso, ficou uma vontade enorme de ter um cachorro como o Hachi.
Bjs. Andréa

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …