quinta-feira, 25 de agosto de 2011

ÍNDICE COXINHA DE SATISFAÇÃO
>> Fernanda Pinho





Minha irmã chegou de uma festa de formatura - daquelas com bufê, banda e adereços carnavalescos que avacalham o traje passeio completo - e a primeira coisa que eu quis saber, claro, era se a festa estava boa. "Tinha coxinha". Foi o que ela me respondeu, cheia de empolgação e, pra mim, já era o suficiente pra saber que valeu a pena passar três horas no salão de beleza. Eu e minha irmã respeitamos muito as festas onde são servidas boas coxinhas. Principalmente, agora, com o mundo cada vez mais metido a besta, onde a coxinha parece estar perdendo - injustamente - lugar para frescuras feitas com damasco, salmão, ricota, tomate seco, ervas finas e outras bobagens do gênero.

Acho muito frustrante chegar em uma festa e descobri que não tem coxinha. Eliminem a cerveja, o bolo de aniversário, que seja, mas não a coxinha! Em compensação, poucas situações são tão aliviantes quanto a de estar numa festa cheia de comida antipática e avistar um garçom trazendo uma farta bandeja de coxinhas.

O garçom encarregado das coxinhas tem toda a minha atenção e meus olhares. É um príncipe. O guardião do tesouro. Se a coxinha for de catupiry, me deixa tentada a cometer suborno. Se tiver muita massa, penso em deixar os escrúpulos de lado e fazer um caixa dois da delícia na minha mesa.

Porque a massa da coxinha é de comer rezando um rosário de joelhos no milho. Sério. Quem inventou a massa da coxinha? O povo fica aí dando prêmio Nobel de Física pro moço que decidiu estudar uma coisa chamada grafeno e despreza esse gênio da gastronomia. É por apreciar tanto essa massa dos deuses que defendo a teoria de que o correto é começar a comer a coxinha pela parte maior. Assim, deixamos aquela pontinha de paraíso pro final. Já travei embates intermináveis com minha amiga Lili sobre isso. Somos amigas há 16 anos, concordamos em quase tudo. Quase tudo porque ela jura que o certo é começar a comer a coxinha pela ponta. Tão inteligente, tão culta, e defendendo um absurdo desses. Quem entende?

Não entendo a Lili e também não entendo essa proliferação de franquias pra vender empada. É casa da empada, empório da empada, armazém da empada, oficina da empada, barraco de pau-a-pique da empada. Acho exagero. Ok. Elas são simpáticas, cheirosas, vistosas e até gostosinhas. Mas nunca chegarão aos pés de uma suculenta coxinha. Já partilhei com algumas pessoas minha indignação por não haver estabelecimentos comerciais dedicados a esta maravilhosa iguaria e fui rebatida com o argumento de que isso não acontece porque, ao contrário das empadas diversificadas, as coxinhas são todas iguais. Ai, ai. Haja paciência com esses amadores. Bastaria contratar uma pessoa como eu que sou, digamos, uma sommelier de coxinha e o empreendimento seria um sucesso. Garanto.  

Porque coxinha é sucesso. Já nem falo do sabor que está ficando repetitivo. Falo das curvinhas de deixar Niemeyer com inveja. Já viu algum salgadinho com design mais fofo? Falo da sonoridade cômica da palavra. Experimente falar “coxinha” no meio de uma briga. Certeza que a discussão vira risada. Falo do sabor que...ops. Eu disse que não falaria do sabor...mas é irresistível. Me desculpe, gente. Coxinha é irresistível.


Partilhar

13 comentários:

Gustavo Guimarães disse...

Concordo em gênero, número e grau. E te digo mais. Lá no bairro onde a família do meu pai vive, o Santa Cruz, próximo ao Renascença, tem o famoso Big-tê ou bar do Zezinho para os mais íntimos. A mulher dele prepara as coxinhas da mesma forma há mais de 20 anos. Se ele ainda mantém a rotina, visto que não apareço por lá desde 2006, são quatro fornadas diárias com as mais suculentas coxinhas de BH. O endereço é rua Paulo Timóteo do Nascimento, 946, Santa Cruz. No ano passado, para você ver o tamanho da minha loucura pela coxinha dele, quando minha mãe veio aqui em Nova Jersei, em outubro, ela me perguntou o que eu queria que ela levasse do Brasil. "Cozinha do Zezinho" saiu numa alegria incontida. E ela trouxe, passou pela alfândega daqui que não permite a entrada de produtos não industrializados, mas acabou na mesma velocidade de quando o Massa acelerar a Ferrari na reta oposta do circuito da Bélgica nesse final de semana. Maravilha!

Jujú disse...

Ai amiga, morrendo de rir com esse texto! Só vc mesmo pra me fazer rir hoje!

Mas olha...não me mate, eu sou do time das empadas!kkkkkk

Não que eu não goste de coxinha, tb acho a massa a coisa mais gostosa, nem precisa de recheio!rs Mas eu prefiro coisas assadas, a fritura sempre me deixa ruim o dia todo!rs

Eu tb sou a favor de coisas simples e gostosas em festas. E olha que eu sou do tipo que adora novidades e prova de tudo!

Minha coxinha mais gostosa era uma que um tiozinho perto da minha escola vendia. Com catupiry! Será que ele ainda vende? Huummm, vou descobrir pra te levar lá!rs

Beijos, beijos!

Carla Dias disse...

Que coisa, Fernanda! Avise quando abrir a primeira casa especializada em coxinha, pois quero estar presente na inauguração. E concordo com você... Mais gostoso é começar a comê-la pela parte mais fofinha, pois a pontinha é o ponto final mais saboroso impossível.

Clara Braga disse...

Concordo plenamente! Coxinha é tudo de bom! Apoiada! =D

Paula irmã disse...

Pois é... de fato eu estava aliviada no baile que tinha coxinha!
Neste momento estou salivando aqui...
As coxinhas são perfeitinhas... lotadas de catupiri, gordinhas, quentinhas... ai como amamos!
O enroladinho de frango com espinafre e castanha que me desculpe, mas ele é fora da realidade. Coxinha é do povo! Coxinha reina! #amo

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Fernanda, pena que eu não tivesse uma crônica por aqui para ler enquanto comia sua coxinha. Ou seria o contrário? É gostosura pra todo lado! Semana que vem, vou experimentar comer sua crônica pela parte de baixo. :)

Laís Bastos da Silva disse...

Eu sou completamente apaixonada por coxinhas. Amo, amo, amo! Concordo com vc em tudo e, olha só, sempre penso no primeiro lugar que vou levar você quando vir pra minha casa, o famoso Calçadão de sjp, na placa, uma big de uma coxinha e a coxinha deles é um mito, tem até comunidade no orkut...rsrs

albir disse...

De fato, Fernanda, impossível brigar falando coxinha. Mas acho até provável brigar pela última coxinha.

Marilza disse...

Fernanda, em SP a coxinha do Frangó é imperdível! Sequinha, crocante e cheia de recheio... Outra também famosa é a do Bar Veloso. Tenho certeza q vc irá se deleitar...rs

wman disse...

Fefe Tb como a coxinha pela parte maior... As com catupiry são sensacionais! Um leve toque de pimenta e ficam perfeitas... Bjs Wally

..DONA DAS BATATAS.. disse...

Não vou parar de salivar enquanto não comer uma coxinha exatamente desse jeito, reservando a pontinha para a última dentada. Sou suspeita porque também é meu salgadinho predileto. Mas eu odeio catupiry, deixo minha parte pra você!

Debora Bottcher disse...

Ah! Eu também adoro uma coxinha! Aqui perto de casa tem uma padaria que faz uma divina - vira e mexe, fujo pra lá na hora do almoço. Vamos abrir uma franquia? :) Beijo.

fernanda disse...

Gente, queria experimentar todas as coxinhas que vocês falaram. Esses comentários só aumentaram minha constante vontade. Acho que a ideia de abrir uma franquia no segmento das coxinhas pode ser promissora, hein?
Beijos!