Pular para o conteúdo principal

SOLIDÕES >> Carla Dias >>

Eu adoro esse filme, e o tenho em VHS. Lembro-me que foi um trabalhão comprá-lo da locadora de vídeos da qual eu era sócia. E ainda o estou caçando em formato DVD para comprá-lo.

Já escrevi sobre ele, inclusive aqui. Porém, hoje ele será apenas o ponto de partida para a minha crônica.

Eu estava muito cansada, quase apagando, e zapeando antes de ir para a cama. Então, parei no TCM, um canal da tevê a cabo que passa filmes antigos, muitos clássicos. Eu levei um susto. Como assim? Não é clássico... E o que é clássico mesmo?

Clássico ou não, “Frankie e Johnny” foi lançado em 1991, tornando-se antigo o suficiente para entrar para a programação do TCM. Depois de suspirar mediante a década que me separava do dia em que o assisti pela primeira vez, entreguei os pontos, esqueci o sono, e o assisti novamente.

O filme não seria tão belo não fossem as atuações de Michelle Pfeiffer, a Frankie, e Al Pacino, o Johnny. Quando o tema é a solidão e o desejo de encontrar um amor que seja companheiro e verdadeiro, é muito fácil cair na pieguice, transformar o drama em uma comédia rasgada. Há sim um quê de comédia no romance, como há na vida. Mas se trata de um humor cotidiano, da capacidade de rirmos de nós mesmos, vez ou outra, durante uma tempestade emocional.

E no caso do filme, se trata da história de uma garçonete e um ex-presidiário que vai trabalhar no mesmo restaurante que ela, como cozinheiro. Poderia ser uma simples história de amor, mas o que cada um traz como bagagem emocional a torna catártica e tão interessante que você torce o tempo todo para que os personagens se dispam dos medos e se joguem na vida. Que saiam da condição de espectadores da vida e se tornem parte dela.

O roteiro de Terrence McNally é baseado em uma peça teatral de autoria do próprio. A direção de Garry Marshall e a música de Marvin Hamlisch tornam “Frankie e Johnny” um filme para se ter por perto, porque ele é dos que assistimos várias vezes.

Eu sei que disse que o filme seria apenas um gancho para a crônica, mas é quase impossível não falar sobre ele um pouquinho mais...

Na realidade, eu queria falar sobre a solidão, o tema do filme. Minha mãe costuma me perguntar, vez ou outra, como consigo viver só. Afinal, eu tenho 40 anos, não tenho filhos, e na versão dela, isso me torna só para o futuro também. Mas existe essa diferença... Viver só não é ser só. A solidão pode ser muito interessante, em determinados momentos da vida. Ela nos permite observar a própria história com a distância do parecer do outro. E às vezes isso é mais que necessário.

Eu não sou solitária, mas vivo só, como muitas das minhas amigas e amigos. Assim como eles, espero que um dia eu deixe de viver só para viver muito bem acompanhada. E me nego a viver mal acompanhada!

No dia seguinte ao filme, recebi uma mensagem de uma amiga com quem tenho conversado muito a respeito de dividir a vida com alguém. Recentemente, ela saiu de um relacionamento de alguns anos, e está aprendendo a lidar com a novidade de estar só e não saber se um dia estará bem acompanhada. Algumas pessoas passaram por ela e a fizeram pensar que fossem ficar, mas não ficaram. O desapontamento é compreensível, porque sempre esperamos o melhor, não é mesmo? E por mais que essa espera nos faça sofrer, desencadeie uma série de inseguranças, não consigo pensar em outra forma de se viver as oportunidades com as pessoas que passam pelas nossas vidas.

Eu não sei se é certo ou errado, mas quando se trata de qualquer tipo de relacionamento, não consigo estabelecer regras, usar redes de proteção. Vou de um salto, ciente de que posso planar ou cair de cara no chão. Acredito que essa consciência me permite viver meus afetos com mais liberdade, sem me sentir constrangida por ter feito escolhas erradas, por ter apostado para perder. Esse risco eu aceito bem, afinal, lidar com o ser humano é sempre uma jornada de erros e acertos, de perdas e conquistas.

Minha amiga não pensa tão diferente de mim, mas decidiu impor seu desejo de não sofrer tanto ao sentimento. Eu a respeito por isso, principalmente por me saber incapaz de fazer o mesmo. Então que, ao ler a mensagem dela, lembrei-me do filme. Lembrei-me daquela cena em que Johnny questiona Frankie sobre o motivo de ela não aceitá-lo, não permitir que eles fiquem juntos. E não termina com uma resposta, e quando ela vem, não é simples. Mas o mais interessante é que, ao dizê-las, ao reconhecer a existência dessa dificuldade, a vida deles se torna mais leve.

Quem não quer encontrar a sua Frankie ou o seu Johnny? E quem já encontrou, cuide bem, porque às vezes o destino dá de nos pregar peças, trançando o encontro das nossas vidas aos rompantes do tempo.

Aos desacompanhados, resta-nos a música de Terence Trent D’arby (Sananda Maitreya):

Comentários

fernanda disse…
Carla, primeiramente, querioa dizer que adoro quando você fala sobre filmes. Sempre são dicas certeiras.

Me identifico com você e também com sua amiga. Tenho fases, e vou vagando entre uma postura e outra. No momento, estou mais arredia. Mas sei que é só até eu considerar um bom motivo pra me jogar de cabeça novamente :)

Bjos!
Carla, acho que meu único comentário hoje é a identificação com seu texto. Eu vivo só, ainda não sei se sou só. Acho que, às vezes, muitas vezes, procuro ser...
Obrigada por mais esse texto...
Beijos
Carla Dias disse…
Fernanda, que bom que você gosta de quando escrevo sobre filmes, porque tenho de confessar... Se não tomo cuidado, escrevo sobre eles todas as semanas! Não sei ficar sem.
Tomara que apareçam muitos motivos para você se jogar de cabeça, minha cara. Sei que, às vezes, o que nos resta é um galo na cabeça. Mas na maioria, há aprendizado, conquistas.
Beijos!
Carla Dias disse…
Marisa,
Basta se identificar e pronto! Já sabemos que o ser só não é de solidão desembestada. É de solidão escolhida, das que nos dão um tempo quando enchemos a casa de pessoas que amamos para um almoço, e bate-papo e companhia. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …